Aeromóvel deve começar a operar a partir de Agosto

Pilares de sustentação do aeromóvel estão sendo colocados - Foto: Eduardo Seidl/Palácio Piratini.

Considerado uma das peças-chave nas obras de mobilidade urbana da Capital para a Copa do Mundo de 2014, o Aeromóvel – que ligará a Estação Aeroporto da Trensurb ao terminal 1 do Aeroporto Salgado Filho – facilitará a integração da Região Metropolitana com o Centro de Porto Alegre. Orçada em R$ 33,7 milhões, a obra – custeada pela União – possibilitará o deslocamento de um ponto a outro em 90 segundos. O início das operações está previsto para agosto.

Se a instalação dos pilares já está em fase adiantada, a colocação das 49 vigas do elevado deve ter início já nas próximas semanas. Os passageiros terão dois veículos à disposição: com 150 e 300 lugares. Gerente de Projetos e Obras da Trensurb, Sidemar Francisco da Silva afirma que a ideia é utilizar os dispositivos conforme a demanda nas estações. “Se for necessário, nos dias de movimento intenso usaremos o veículo com capacidade para 300 pessoas”, explica.

Para reforçar a segurança nos pontos de embarque e ampliar o controle sobre a movimentação nas estações, duas câmeras serão instaladas nos locais de partida e vão monitorar a circulação dos usuários. O horário de funcionamento do aeromóvel – que terá uma saída a cada quatro minutos – será semelhante ao Trensurb, cujo serviço é das 5h às 23h25. Os primeiros testes devem começar a partir de julho e, em agosto, o serviço será disponibilizado ao público. A expectativa é de que 7 mil pessoas utilizem o transporte por dia.

O veículo será equipado com ar-condicionado e contará com um sistema de propulsão a ar movido por ventiladores elétricos. Além de ser um produto nacional e usar tecnologia limpa, o aeromóvel funcionará sem condutores a bordo. Sidemar explica que a linha do veículo será considerada da Trensurb, ou seja, o usuário pagará apenas uma passagem. “A transferência é livre para quem está dentro do sistema, sem ônus para quem quiser pegar o Trensurb”, garante. Os usuários que embarcarem fora das estações vão pagar o valor de uma passagem.

Mais do que aproveitar a tecnologia nacional, a expectativa é de que o aeromóvel – cuja velocidade máxima deverá ser de 65km/h – sirva de referência para novos programas de mobilidade urbana. “O Governo (Federal), ao apostar nesse projeto, considera a possibilidade de reproduzi-lo em outros aeroportos do país”, observa.

Fonte: Portal Oficial da Copa do Mundo de 2014 – RS



Categorias:Outros assuntos

5 respostas

  1. Só quero que as referências deste blog sejam rememoradas, para que a verdade seja exposta. Lá em agosto de 2012, quando a obra não estiver pronta, e o empresário pedir mais dinheiro para terminá-la, ficará claro qual a tecnologia que é mais confiável. Acompanhem a previsão de entrega da obra, nos seguintes links:

    https://portoimagem.wordpress.com/2011/06/20/aeromovel-deve-operar-a-partir-de-janeiro/

    https://portoimagem.wordpress.com/2011/12/08/aeromovel-do-aeroporto-deve-entrar-em-operacao-em-junho-de-2012/

    https://portoimagem.wordpress.com/2010/11/10/aeromovel-gaucho-comecara-a-funcionar-em-junho-do-ano-que-vem-daqui-ha-8-meses/

    https://portoimagem.wordpress.com/2011/01/23/obra-do-aeromovel-sera-feita-este-ano/

    https://portoimagem.wordpress.com/2011/07/07/tempo-para-obras-da-copa-se-transforma-em-preocupacao/

    Curtir

    • Como eu disse no meu comentário, a previsão de início de operação a partir do início das obras civis era de um ano. A julgar pelo andamento da obra, esse prazo é perfeitamente alcançável.

      Tu tens que tomar consciência de que a confiabilidade da tecnologia nada tem a ver com dificuldades de financiamento e de execução da obra civil que a suporta. Do que te interpreto, parece que pensas que o projeto do gasômetro foi abandonado por não se tratar de uma tecnologia confiável, quando é conhecimento geral de que não é esse o caso. Tu não tens absolutamente nenhum subsídio para apoiar esta tua tese conspiratória, não antes do serviço ser colocado em operação. Se, quando iniciar a operação comercial do aeromóvel, ficar claro que ele não funciona direito, aí sim te darei completa razão. Por ora essa tua posição de anti está quase soando à capacho dos oligopólios de transporte de nossa cidade.

      Qual é esta verdade que tu diz querer expor, exatamente?

      Curtir

  2. Mais uma vez adiada a tal inauguração… vai ver não ficará pronto nunca, como aquele do gasômetro.
    Para aqueles que querem conhecer a verdade, recomendo não perder a matéria publicada hoje, 06/fev/2012 no correio do povo – e que terá seguimento amanhã, 07/fev/2012.
    http://flip.correiodopovo.com.br/Main.php?MagID=1&MagNo=1378&IDPai=1378
    Por falar em adiamento, quanto já foi aditado ao contrato que inicialmente custaria 30 milhões??? Quem pode responder???

    Curtir

    • Mas que bobagem esse comentário. Tu estás misturando projetos que só são similares no quesito tecnologia, tendo especificações, financiamento e operações completamente distintas.

      O trecho original inacabado, que todos conhecem, quedou-se inacabado por problemas de financiamento. Lembremos que isso se deu em período de hiperinflação, e o financiamento foi contratado sem os reajustes apropriados, de forma que o dinheiro virou pó; tanto foi assim que uma parte da obra acabou sendo bancada do bolso do Coester, que queria pelo menos ter um protótipo demonstrável. É evidente que faltou vontade política em apostar no empreendimento, e não uma malícia por parte do empreendedor como insinuas.

      O projeto da linha interligando o Aeroporto ao Trensurb, do qual fala esta matéria, vai muito bem obrigado. A previsão inicial era de que, a partir do início da obra seria necessário um ano até o lançamento do serviço. Se tu te informasse minimamente, perceberias que as obras se iniciaram dia 15 de Agosto de 2011, de forma que data de operação anunciada é perfeitamente condizente com o projetado.

      A proposta de interligação do Centro à Zona Sul com aeromóvel é tão somente isso, uma proposta, ainda em estudo. Não existe um projeto definido, pois sequer foi medida a viabilidade econômica da linha. Como já comentei aqui, acho inviável e melhor implementável com VLT, mas isso é além do escopo dessa discussão.

      Curtir

  3. Considerando que de tudo certo será ótimo sair de Novo Hamburgo desembarcando dentro do aeroporto…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: