Prefeitura tem R$ 1,3 bi de dívidas fiscais em haver

página 2 do Metro Porto Alegre de ontem

Para ler a matéria completa, acesse o site do jornal metro.

 


Parece que a prefeitura descobriu uma boa fonte de renda, e está se empenhando em executar estas dívidas para ter mais caixa. Resta saber o que ela fará com esse dinheiro, se o gastará de forma útil à cidade, pois é uma quantia considerável. Para dar uma ideia, se imaginarmos um sucesso razoável de 50% nas execuções, teríamos R$ 650 milhões em caixa, que seriam suficientes para construir:

  • 4 quilômetros de Metrô (referência Linha 2, R$ 170 milhões por quilômetro) ou
  • 20 quilômetros de Aeromóvel (referência Aeroporto, custou R$ 29 milhões para 900 metros) ou
  • 20 quilômetros de Bonde Moderno (referência Múrcia, custou R$ 30 milhões por quilômetro) ou
  • 600 postos de saúde (assumindo 1 milhão por posto) ou
  • 10 hospitais (referência Hospital da Restinga, custou R$ 65 milhões)


Categorias:Economia, Economia da cidade

Tags:, , , , , , ,

6 respostas

  1. Por min podia usar esse dinheiro para implantar turno integral nas escolas e construir algumas escolas técnicas e profissionalizante.

    Curtir

  2. Eu imagino a dívida “gourda” que tem os A$$I$ com a PMPA… já resolvia bastante coisa!

    Curtir

  3. Dava pra fazer um pouco de tudo..

    Uns postos de saude, um hospital na restinga, um bonde eletrico moderno pelo centro (de preferencia conectado com os terminais de onibus e a rodoviaria…)

    Mas eu trocaria isso pelo aterramento do Trêm na região central..
    :p

    Ou não… tem coisas mais importantes mesmo

    Curtir

    • Porque o bonde só pelo Centro? O bonde tem plena capacidade de ser a espinha dorsal do transporte dos eixos de menor densidade. Fazer só no centro é pensar pequeno.

      Ah sim, aterramento não significa o que você acha que significa.

      Curtir

      • Ai seria melhor um VLT… Bonde não tem muita capacidade…

        Curtir

        • Eu botei bonde porque não sei bem os custos que poderiam chegar por quilômetro para o VLT, mas creio que seria quase a mesma coisa.

          Na minha proposta da Zona Sul (em outro post), poderia ser utilizado um veículo meio misto entre bonde e VLT (até porque a diferença é bastante difusa), com segregação em relação ao trânsito de veículos (característica de VLT) mas com menor largura (característica de bonde).

          Curtir

%d blogueiros gostam disto: