Anteprojeto da orla do Guaíba entra em estudo de viabilidade

Nova orla vai destacar-se pela simplicidade e criar sensação de bem estar Foto: Divulgação/PMPA

O pedido de estudo de viabilidade urbana (EVU) para o projeto de revitalização da orla do Guaíba será protocolado amanhã, 15, na Comissão de Análise Urbanística e Gerenciamento (Cauge) da Secretaria do Planejamento Municipal (SPM) pela Jaime Lerner Arquitetos Associados, empresa de Curitiba contratada pela prefeitura para elaborar os projetos executivos da orla. Às 15h desta quarta-feira, no auditório da Secretaria Municipal da Administração (SMA – Siqueira Campos, 1300, 14º andar), Lerner apresentará o anteprojeto ao prefeito José Fortunati e aos secretários integrantes da Cauge. A comissão tem representantes de oito secretarias e departamentos da prefeitura, mais um do Gabinete do Prefeito e um da Procuradoria Geral do Município.

O projeto de revitalização da orla do Guaíba faz parte do programa Cidade Integrada, uma das ações estratégicas da prefeitura. Em 30 de janeiro, Fortunati esteve em Curitiba, quando conheceu a ideia inicial para os primeiros 1.500 metros, a partir do Gasômetro. A revitalização será até a foz do arroio Cavalhada na avenida Diário de Notícias, abrangendo 5,9 quilômetros de margem do lago Guaíba.

A expectativa é que a revitalização do primeiro trecho esteja concluída até o final do ano. A proposta inclui o desenho do passeio de pedestres, terminal turístico para barcos de passeio, calçadão, ciclovia, banheiros, quadras esportivas, instalação de bancos e quiosques, entre outras inovações criadas pelos projetistas.

No encontro com Lerner, em Curitiba, Fortunati revelou-se satisfeito com a apresentação das propostas. Afirmou que “o projeto é surpreendente, irá permitir que a população de Porto Alegre seja recebida pela orla com muita qualidade. Os porto-alegrenses irão ter um local extremamente atrativo”. Na ocasião, o arquiteto Jaime Lerner disse que “nossa proposta é os passeios em nada interromperem a vista para o lago, porque a melhor vista de Porto Alegre é olhando o pôr-do-sol no Guaíba”.

Espaço para sentir-se bem

O secretário de Assuntos Especiais da prefeitura, Edemar Tutikian, acrescenta que a ideia de revitalização da orla “é uma grande ação da prefeitura, uma concepção pensada, cuja elaboração dos projetos executivos começa imediatamente após o EVU feito pela Cauge, que também poderá sugerir algumas diretrizes”. A apresentação de amanhã, 15, pelo arquiteto Jaime Lerner, é de um esboço do projeto.

“A orla do Guaíba terá o que o porto-alegrense imagina e quer que ela tenha para ali poder passar momentos de lazer, apreciando o lago, a vista, o pôr-do-sol”, define Tutikian. Haverá áreas de esporte com canchas, vestiários, será um espaço futuro para o futebol de várzea, dará oportunidade às pessoas de qualquer idade ou gosto praticarem exercícios físicos, terá quiosques para bebidas e lanches, limpeza, ambientes organizados, segurança, trilhas para passeios, o necessário mobiliário urbano e projetos de paisagismo. “A revitalização deve destacar-se pela simplicidade. A ideia é fazer da orla um local em que as pessoas sintam-se bem”, conclui Tutikian.

Prefeitura



Categorias:ORLA, Projeto de Revitalização da Orla

Tags:, , ,

6 respostas

  1. Parece que o Tutikian nunca foi no local, assim como muitos que gostam de palpitar sobre o tal projeto.

    Quem é frequntador da orla, como eu, que diariamente está por ali, sabe que, frequantadores já existem, e muitos. Somente neste domingo, em torno de 20 mil portoalegrenses estavam curtindo a Orla.

    Dizer que a revitalização vai trazer as pessoas para a Orla é uma falácia… as pessoas já ocuparam a Orla. O que o local precisa, não é obras faraônicas, é sim as coisas simples. A vegetação, grama para um bom relax, árvores, bancos, alguns quiosques, segurança, e não concreto com bolinhas de gude. Para quê? Para usar 24hs por dia… bobagem, ninguém vai pra Orla às quatro da manhã.

    Na minha visão, a coisa é assim: muito concreto para se poder ter lucro. Um projeto que privilegie a natureza… não dá lucro.

    http://mariorangelgeografo.blogspot.com.br/2012/03/consideracoes-sogre-revitalizacao-da.html

    Curtir

  2. Acho que fizeram assim bem limitado (medíocre) para evitar entraves dos pseudo-ambientalistas que, apesar de não entenderem nada de qualquer coisa relacionada ao meio ambiente, se acham os doutores no assunto e existem em demasia em POA. Infelizmente fazem as coisas assim bem aquém do potencial para agradar ao ego desses babacas e quem recebe muito menos do que mereceia e deveria é a cidade inteira e a sua população em geral, que não fuma marijuana, não usa rastafari e nem idolatra o Che e nem ouve reggae do amanhecer ao entardecer.

    Curtir

    • Paulo, queria um projeto pra não ser feito ? Cheio de torres e bares modernos e tudo mais ? Isso é o início, depois vem o resto, aos poucos. Nós estamos em Porto Alegre, lembra ?

      Curtir

      • Ah, Giba, um projeto como o do tipo da Hype não é tão mirabolante assim e seriam bem melhor. Observe que não há torres nele para a orla (as torres seriam na área projetada pela Hype para o Beira-Rio e elas sim realmente seriam impensáveis para a nossa POA atual). Não sinto falta das torres, mas sim da parte do projeto referente ao lado da Beira-Rio próximo ao Guaíba e, não, da outra parte referente ao outro lado da avenida (parte de dentro, onde há o Marinha e o Estádio). Bares melhores eu queria sim, mas não precisariam ser modernos, mas em mais quantidade e espalhados ao longo dela sim. Poderiam ser até quiosques, como os da Lagoa Rodrigo de Freitas no Rio, bstando serem ajeitados, convidativos e acolhedores.

        Minha preocupação é exatamente por estarmos em POA, Giba! Onde o provisório vira defenitivo e o definitivo sequer ganha manutenção! Se uma meia dúzia de babacas impede a cidade de melhorar e defende o nada atualmente existente, imagine o que farão quando ali de fato tiver alguma coisa um pouco melhorzinha, daí sim é que não tolerarão intervenções posteriores, defenderão com unhas e dentes a manuntenção do status quo.

        Curtir

  3. O projeto do Lerner é pior do que o projeto da Hype, pois o projeto da Hype é grandioso, nele (da Hype) a escadaria é só um detalhe, já no projeto do Lerner a escadaria é praticamente o principal, fora ela só tem uns jardinzinhos ralinhos e mais nada. No projeto da Hype a impressão que se tem é que até possíveis enchentes foram previstas, pois trata-se de uma área erguida/construída a/em nível exatamente em cima do atual terreno, em nível mais elevado. O da Hype é cheio de fontes, laguinhos, esculturas, tem marina, enfim, muito melhor.

    Se algo do tipo da Hype custaria mais caro (e com certeza custaria, pois tem muito mais coisas), essas coisas a mais (que fariam TODA a diferença) também custeariam esse custo a mais, pois haveria mais atrações para atrair pessoas, arrecadar dinheiro através dos serviços oferecidos e, assim, custear a anterior execução e a posterior manutenção da área, bem como sustentaria a ocupação de pessoas frequentando a área.

    Curtir

  4. A limpeza e a segurança já pode providenciar seu Tutikian!!! Não precisa esperar o Lerner!!! Ele não vai lá limpar, dedetizar e nem ficar de vigia convivendo com a galera da pedra e da promiscuidade que rola hj por ali!!!

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: