Município pede reintegração de posse da Praça da Matriz

Acampamento impede circulação e pode causar danos ao meio ambiente

A Procuradoria-Geral do Município (PGM) ajuizou, na tarde desta quinta-feira, 29, ação de reintegração de posse da Praça Marechal Deodoro (Praça da Matriz), ocupada desde o dia 20 de dezembro por manifestantes que integram o movimento OcupaPOA. No pedido de liminar, a PGM alega que a ocupação caracteriza a privatização do espaço público, impedindo que a população possa usufruir e circular livremente pela praça, além de mencionar os riscos de dano ao patrimônio público.

Após o recebimento de várias reclamações de moradores e usuários do entorno da praça, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam) solicitou ao grupo que se retirasse do local. A primeira tentativa de desocupação ocorreu no dia 5 de janeiro, quando o grupo foi notificado de que deveria deixar a praça imediatamente. Na última segunda-feira, a secretaria acionou a PGM para que buscasse uma solução judicial para o caso.

Prefeitura



Categorias:Outros assuntos

Tags:

11 respostas

  1. Tem que acabar com esta vagabundagem, todo mundo invade tudo e a gente que se dane. Estou cheia desta gente que fica reinvindicando., terra, moradia e etc, eu trabalhei muito e é isso que esta gente tem fazer.

    Curtir

  2. Relato também que a Praça Atos Damaceno Ferreira, no entrocamento das ruas Cel Bordini e Quintino, está ocupada por indígenas que vendem cestas de páscoa

    Curtir

  3. Só tem bundão comentando nesse blog, pelamordedeus. Qualquer ação coercitiva é aplaudida.

    Curtir

  4. Pô tão de sacanagem com os coitados! Agora que eles acharam uma ocupação querem tirar eles de lá!

    Curtir

  5. Eh isso ai tem que tirar mesmo ,eles soh atrapalham e nem sabem direito pelo que estão se manifestando.rebeldes sem causa.

    Curtir

  6. Meia dúzia de gente que achou bonito em wall street e tentou fazer versão pirata aqui…

    Curtir

  7. Eu acho estranho ter de ajuizar um processo para pedir que desocupem um espaço que é reconhecidamente de todos, pois se trata de um bem público de uso comum do povo, que não pode ser alienada ou apropriado por ninguém, nem por nenhum grupo em especial.

    Mas, no Brasil, estabeleceram um sistema jurídico em que tudo deve passar pelo Poder Judiciário, inclusive as situações em que não existe uma disputa, talvez para que, com isso, não se tenha tempo para julgar as verdadeiras lides, valorizando o trabalho dos operadores do direito, tão assoberbados de tarefas e funções.

    Curtir

  8. Manda esse povo trabalhar…

    Curtir

  9. Choradeira esquerdista em 3, 2, 1…

    Curtir

  10. Isso vai gerar bastante polêmica… Se os ideais do grupo estivessem mais claros eu até acharia aceitável a sua permanência na praça, mas parece algo tão vago que não faz sentido permitirem isso por tanto tempo. Pra usar um clichê: é coisa de desocupado.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: