Porto Alegre é a capital com mais fumantes e pessoas acima do peso

Estudo verificou hábitos de mais de 50 mil pessoas em todo o País

Mais uma vez os gaúchos lideram um ranking nada agradável. O Ministério da Saúde divulgou nesta terça-feira que Porto Alegre é a cidade com maior índice de fumantes no Brasil. Na Capital, um quarto dos homens (24,6%) e um quinto das mulheres (20,9%) têm o hábito de fumar. Outra estatística que deixa a cidade no topo é o excesso de peso da população: duas em cada 10 portoalegrenses estão obesas e 55,4% das pessoas estão acima do peso ideal.

O resultado da pesquisa da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), que mostra que 22,6% dos entrevistados são fumantes, não foi recebido como novidade pelo especialista em pneumologia que coordenou o Fórum Fumo Zero, Luiz Carlos Correa da Silva. Segundo ele, desde 2002 Porto Alegre figura neste triste ranking e não por acaso o Rio Grande do Sul é o estado com maior número de mortes entre fumantes no Brasil: 11%.

“Aqui a quantidade de pessoas que consomem 20 ou mais cigarros por dia é de 10,7%. Vários aspectos podem

esclarecer essa questão, mas os mais plausíveis são as questões, guardadas as proporções, de proximidade a região do Vale do Taquari, local onde mais se produz tabaco, a descendência europeia que deixa o gaúcho geneticamente suscetível ao cigarro e, também, o fator clima, onde, em razão do frio, se bebe e se fuma mais”, argumenta Silva ao destacar que é crescente o número de mortes em razão do câncer de pulmão, patologia ligada diretamente ao cigarro. “A taxa de óbitos pelo tabaco chega a 0,36 para cada 100 mil”, ressaltou.

Ainda segundo a pesquisa, o excesso de peso na população também está ligado a fatores como a idade. O envelhecimento tem forte influência nos indicativos – sobretudo femininos. Os dados demonstram ainda que a população se alimenta de forma inadequada e consome gordura saturada em excesso. Em Porto Alegre, 60,7% dos homens e 50,7 % das mulheres estão acima da medida ideal, que é Índice de Massa Corporal (IMC) – razão entre o peso e o quadrado da altura.

A pesquisa indica que o excesso de peso e a obesidade aumentaram no Brasil no período de 2006 a 2011. No período, a proporção de pessoas acima do peso passou de 42,7% para 48,5%, enquanto o percentual de obesos subiu de 11,4% para 15,8% no mesmo período.

Os dados coletados mostram que 34,6% dos brasileiros não dispensam carne gordurosa, enquanto 56,9% das pessoas bebem leite integral regularmente. Outro fator que traz preocupação é o consumo de refrigerante – 29,8% da população toma a bebida pelo menos cinco vezes por semana. Em contrapartida o consumo de frutas e hortaliças no País é baixo. Apenas 20,2% das pessoas ingerem cinco ou mais porções por dia, quantidade recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o resultado desse levantamento mostra que é necessário continuar investindo em ações preventivas, sobretudo em relação aos mais jovens. “Com o resultado desse levantamento nós conseguimos resultados que permitem aprimorar nossas políticas públicas, que são essenciais para prevenir uma geração de pessoas com excesso de peso”, disse.

Para este estudo, foram entrevistados 54 mil adultos em todas as capitais e também no Distrito Federal, entre janeiro e dezembro de 2011.

Ranking das capitais obesas:

  • Porto Alegre – 55, 4%
  • Fortaleza – 53,7%
  • Maceió – 53,1%
  • Natal – 52,3%
  • Manaus – 51,8%

Ranking das capitais fumantes:

  • Porto Alegre – 22,6%
  • Curitiba – 20,2%
  • São Paulo – 19,3%
  • Porto Velho – 16,6%
  • Cuiabá – 16,1 %

Correio do Povo



Categorias:Outros assuntos

Tags:, ,

5 respostas

  1. Não fumo, nunca gostei de cigarro… E quanto à alimentação, não costumo seguir “dicas” que são veiculadas seguidamente em jornais, revistas, programas de televisão e rádios. Sou adulto, vacinado, sei o que é melhor para mim!!

    Curtir

  2. É que se come MUITO bem aqui!

    Curtir

  3. E mesmo assim a expectativa de vida é alta…

    Curtir

    • Mas, nessas condições, a qualidade de vida tende a ser baixa. Pra quem depende somente de SUS, então…

      Curtir

    • A expectativa de vida é alta porque a maioria não fuma e a minoria morre antes do tempo.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: