CPI para investigar ONG de Ronaldinho é aprovada em Porto Alegre

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal de Porto Alegre aprovou o pedido de abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar supostas irregularidades em convênios com o Instituto Ronaldinho Gaúcho, no valor de R$ 5,7 milhões.

O presidente da Casa, Mauro Zacher (PDT), diz que irá instalar a CPI assim que receber o relatório da votação.

Os convênios com a ONG, que é administrada pela família do jogador, ocorreram entre 2007 e 2010. Um deles, no valor de R$ 2,3 milhões, foi intermediado pela prefeitura com recursos liberados pelo Ministério da Justiça.

Segundo o vereador Mauro Pinheiro (PT), que colheu as assinaturas dos vereadores para que a investigação fosse aberta, há suspeita de desvios e superfaturamento em parte dos contratos, além de problemas na prestação de serviços.

Em um dos casos, o irmão do jogador e presidente do instituto, Roberto de Assis Moreira, assina documentos também como ocupante dos cargos de tesoureiro e chefe do conselho fiscal.

A secretária municipal de Educação, Cleci Jurach, diz a administração encontrou problemas na prestação de contas do convênio com recursos federais ainda durante a execução do contrato.

Ela diz que deixou de repassar uma parcela dos recursos.

Segundo Jurach, a prefeitura encontrou problemas na prestação de contas do instituto e pediu a devolução de R$ 354 mil. Cabe recurso.

Jurach também afirma que encerrou o convênio após o instituto pedir um aumento de 360% no valor de um convênio que oferecia atividades aos alunos municipais em turno inverso ao escolar.

A ONG –criada em 2006 e inativa desde março de 2011– oferecia cursos de informática, esporte e até de reforço escolar a crianças e adolescentes.

O advogado do Instituto Ronaldinho Gaúcho, Sérgio Felício Queiroz, nega quaisquer irregularidades e diz que os problemas encontrados na prestação de contas serão esclarecidos para a prefeitura.

Ele diz que está à disposição para esclarecimentos na CPI, mas lamenta a decisão. “Temos certeza de que essa situação tem um caráter mais político por ser um ano eleitoral do que qualquer outra coisa”, afirma.

NATÁLIA CANCIAN

DE SÃO PAULO

FOLHA.COM



Categorias:Outros assuntos

Tags:, , ,

7 respostas

  1. Se for como de costume, vão puxar uma uva podre e virá um cacho inteiro! Agora é esperar e assistir o tamanho desse cacho e quanto cairão de verdade.

    Curtir

    • Em CPI só há custo político para os envolvidos. Ninguém é criminalizado de fato e logo logo as uvas podres são reeleitas. É tudo um circo.

      Curtir

  2. Ano eleitoral, hora de políticos brincarem de polícia investigativa. Não sei por que existe este mecanismo, esse tipo de coisa devia ser tratado pelo MP e polícia civil.

    Curtir

  3. Excelente. Aquele lá, segundo o Vagner Love, agora só quer saber de su.ru.ba.

    http://br.esportes.yahoo.com/noticias/soccer–vagner-love-e-direto-rola-suruba-entre-os-jogadores.html

    Tinham que fechar também esse antro que ele possui em POA e que o irmão dele administra, pois não agrega nada à cidade, bem como homem que é homem mesmo não precisa pagar para ver mulher e muito menos para tran.sar com elas em p.u.t.e.i.r.os, é só passar a lábia na balada e depois bater o pênalti e partir para o abraço..

    Curtir

  4. Ano eleitoral é soda…

    Deveriam fazer um CPI da perda da Copa das Confederações, que tal?

    Curtir

  5. Excelente. Aquele lá, segundo o Vagner Love, agora só quer saber de suruba.

    http://br.esportes.yahoo.com/noticias/soccer–vagner-love-e-direto-rola-suruba-entre-os-jogadores.html

    Tinham que fechar também esse antro que ele possui em POA e que o irmão dele administra, pois não agrega nada à cidade, bem como homem que é homem mesmo não precisa pagar para ver mulher e muito menos para transar com elas em puteiros, é só passar a lábia na balada e depois bater o pênalti e partir para o abraço..

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: