Crescimento da frota de veículos na Capital é cerca de cinco vezes superior ao aumento da população

Dados divulgados pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) apontam que a frota de veículos na cidade aumentou 48,67% no período entre 2001 e 2011 – saltou de 481.914 para 716.493, com acréscimo de 234.579 unidades. Quase no mesmo período, entre 2000 e 2010, a população da Capital cresceu 3,58% – de 1.360.590 para 1.409.350, com acréscimo de 48.760. Ou seja, o crescimento da frota de veículos é cerca de cinco vezes maior do que o da população.
Informações estatísticas sobre o trânsito e a população de Porto Alegre estão disponíveis no Observatório da Cidade de Porto Alegre (ObservaPOA).

Fonte: ObservaPOA



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito, Outros assuntos

22 respostas

  1. Este video mostra a má educação dos motoristas Porto Alegrenses, que coisa séria….

    Curtir

  2. Acho que não tem que comparar o número de carros com a população. Tem que com os quilômetros pavimentados. Se o número de quilômetros pavimentados acompanhar o crescimento da frota, ótimo, mesmo que a população não cresça.

    Curtir

  3. Nem tem o qu discutir aqui. Esse fenômeno é porque

    – o transporte coletivo de POA é ruim

    – a renda média dos portoalengrenses é sabidamente boa

    Curtir

  4. Realmente, só em Poa por dia, cerca de 4 a 6 carros deixam de circular por irem para desmanches apos o roubo… coloca mais acidentes e mortes e carros velhos… ja é um bom numero tambem.

    Sem contar que muita gente compra um carro novo só para finais de semana.

    Na minha familia (contando que tenho pais separados, logo seriam duas familias) são 5 carros, dos 5, 2 são para finais de semana e 3 para o dia a dia, sendo que esses 3 geralmente não pegam muito o horario de pico.

    Minha madrasta costuma ir de onibus para o trabalho (não é tão longe de casa e tem varias opções de linhas), e meu padrasto vai sempre de taxi.

    Curtir

  5. COMENTÁRIO RELEVANTE:

    O pior do que o uso da ESTATÍSTICA é o uso da estatística feita de forma BURRA.

    Se calcularmos as taxas de crescimento nos próximos anos como constantes isto resultaria uma taxa de crescimento de 4,04%a.a. de crescimento dos automóveis, por outro lado chegaríamos a uma taxa de crescimento populacional de 0,3%a.a.
    Projetando simplesmente estes dados nos próximos 19 anos chegaríamos a seguinte situação:

    2010 716.493 1.409.350
    2011 745.463 1.414.197
    2012 775605 1.419.062
    2013 806.965 1.423.943
    .
    .
    2027 1.405.580 1.494.067
    2028 1.462.413 1.499.206
    2029 1.521.543 1.504.363

    Ou seja, em 2029 haveria mais carros em POA do que pessoas, ou seja, até os bebezinhos e as velhinhas de 95 anos teriam e DIRIGIRIAM estes carros, logo o sentido desta .

    Pode-se depreender dos fatos que estas taxas, ou qualquer ilação que se faça sobre elas, não tem validade para o futuro.

    O que tem que se levar em conta são dois fatos:

    1º O crescimento populacional segue uma curva logística, logo como a tendência ao aumento da população de Porto Alegre é declinante, provavelmente com uma estabilização da população por volta de 2020 (e início de um lento declínio).
    2º Que a taxa de crescimento dos números de carros também sofrerá um declínio a medida que aproximem num limiar de carros/habitante.
    3º Que a situação do tráfego em Porto Alegre, passará por um ponto crítico nos próximos anos até que obras de vulto comecem a surtir efeito.
    4º Que após esta situação de crise na circulação urbana, se os grandes projetos de transporte coletivo continuarem a ser implementados, deverá pouco a pouco retornar a situações anteriores.

    Curtir

    • Legal! Muito bem colocado.

      Sabes se esse dado é relacionado à quantidade de carros comprados pela população ou é efetivamente da quantidade de carros circulando na rua? Tem também a quantidade de carros que são retirados de circulação por acidente, roubo ou são velhos mesmo.

      O motivo da minha pergunta é que eu acredito que melhorando o transporte coletivo (melhorando mesmo, e não fazendo perfumarias) muitas pessoas terão o carro para viajar, ir restaurantes ou encontros durante a noite ou ainda para alguma emergência e usaram o ônibus no dia-a-dia para o trabalho ou colégio/universidade.

      Curtir

  6. Bom, aí depois grande parte dos motorizados enchem a boca pra reclamar que as avenidas, ruas e estradas da cidade não dão conta…

    … mas não é uma coisa ÓBVIA que não vão dar conta da tamanha velocidade que aumenta a frota? Só na BR116 entram de 800 a 1000 veículos novos por dia!
    Não existe, acho que nem na China, uma maneira de construir/aumentar vias na mesma proporção que aumenta a frota!

    A solução é investimento em transporte público em massa, todo mundo sabe. Só que é mais fácil baixar o IPI e cada um ter seu carro do que o governo se mexer pra metrôs, por exemplo.

    Não sei se é por morar na ZS, mas pra mim o transporte público NÃO é ruim aqui em POA. Eu não tenho carro tampouco a carteira de motorista, então só me viro de ônibus/lotação/táxi e, como eu já disse aqui uma vez, o que eu mais reclamo é da (falta de) educação dos funcionários das empresas. De resto, ok: bastante opção e frequência das linhas. Não adianta reclamar “ai tá cheio” porque em Londres, em Tóquio e em NY também enche na hora do rush!

    Mas vamos a uma comparação básica com Curitiba, a cidade que tem um dos melhores sistemas de transporte coletivo: vou lá de 2 a 3x ao ano e também, só ando de ônibus. Mesmo com a boa solução do transporte coletivo, as pessoas NÃO deixaram de comprar carro: a cidade, assim como POA, está entupida de veículos e os ônibus também. E aí, qual vai ser o motivo da reclamação?

    O sistema fica defasado, não adianta…

    Curtir

    • O que me entristece é que durante a crise, o governo demorou apenas 3 dias para aprovar a redução do IPI para automóveis, demorou 5 dias para aprovar a redução do IPI para motos, mas demorou 30 dias para reduzir o IPI dos ônibus! Agora eu me pergunto: Incentivam ou não o uso do automóvel?

      Curtir

      • Olha, vai da cabeça de cada um… infelizmente, os terceiro mundistas veem o carro mais como “tenho carro, agora sou importante” do que “preciso de um carro porque perco 3h por dia em deslocamento”. Por isso eles “incentivam” o uso do carro! Pessoal fica feliz e não incomoda eles; a parcela pensante infelizmente é pouca.

        Eu não me sinto seduzida com essa facilidade toda. Não tenho carro primeiro pra não colaborar com engarrafamento e poluição e segundo, porque custa. E muito. Sai mais em conta eu pegar táxi quando preciso, que é só quando saio a noite pra barzinho ou balada.

        Mas boa parte é COMODISTA e não faz o mesmo.

        Pra ter uma ideia… uns 2 anos atrás, pegava carona com uma amiga que ia pra PUC no mesmo horário: ela passava aqui 18:20 pra chegarmos lá 19, 19:10 e conseguir estacionar. De ônibus, uso 2 linhas, saía 18:45 e chegava no máximo 19:15… imagina só! Pra que carro?!

        Curtir

        • É bem verdade… carro é, na maioria das vezes, status. “Está bem, hein? só de caraga!” – Ouço toda hora.
          Tenho carro, mas a maioria das vezes uso a bicicleta, que me dá muito mais agilidade e tranquilidade, além de ser muito mais barato.

          Curtir

        • Comigo era ao contrario, pegava o bus as 18 horas e chegava as 19.
          De carro eram 15 minutos.
          Ubirici que o diga.. haha

          Pra Puc o T9 da muita volta, carro ruleira… mas geralmente vou de bus… estou no aguardo para a chegada de um novo membro na familia, espero que seja vermelho.. haha

          Curtir

    • Se o sistema de transporte publico vai continuar lotado na hora de pico, o povo vai continuar indo trabalhar de carro, não tem escolha.
      Se tem opção de ter esse conforto, quem que vai deixar de usar?

      Eu to pegando onibus uma hora antes do horario normal, chego na faculdade e fico meia hora esperando para as aulas começarem, caso contrario, vou a pé sem respirar e fico quase uma hora preso em tranqueiras… mas isso só quando estou na zona norte.. Quando estou perto da Puc, vou de carro justamente pela violencia da região.

      E reclamar do IPI é uma das coisas mais absurdas e tristes que ja vi, o preço que pagamos por lixos como Celta e Uno é uma vergonha, o Brasil nunca incentivou a compra de carros, o povo se mata pra ter por que não tem opção, ja que um Celta ou Mille é um lixo tão grande que até um onibus quando não esta lotado é mais confortavel.

      Curtir

  7. Me parece que PoA (e maioria das cidades do Brasil) não está preparada para nenhuma mudança.

    Se aumentar o número de carros vira um caos. Se decidimos usar o transporte coletivo é como viver na China. Se chover nem as tartarugas aguentam.

    Tudo é feito para ser o mínimo para não reclamarmos muito.

    Curtir

    • Concordo com o que dissestes Pablo.
      Acho que esta na hora de reclamarmos mais para que este mínimo não seja o suficiente e a gente possa ver o poder público se mexer para atender, ainda mais em ano de eleição

      Fique de olho no blog, novidades estão por vir para fazer uma pressão e um questionamento a sociedade.

      Curtir

  8. O ônus da isenção do IPI, recai sobre o povo terá mais uma taxa a pagar. Estados e
    municípios, perderam arrecadação, têm mais despesas. Lulinha isentou, incentivou o consumo de veículos e a poluição, ficou com as glórias, os demais com a conta para pagar. Mas não acredito na notícia como é mostrada pois não sabemos o quanto dessa frota anunciada é FANTASMA, ou seja, se foi para ao ferro velho ou não deu baixa. E falando em carro velho, carro fantasma, uma inspeção veicular poderá atualizar os dados além de tirar de circulação os veículos sem condições ao transito. Outros dados afirmam minha opinião, pois não existe diferença significativa entre aumento de população e acidentes totais de transito no período! Esse aumento de frota deveria incidir sobre o número de acidentes de transito não?

    Curtir

    • Sou totalmente a favor da implantação da inspeção veicular, mas não da forma que foi proposta pelo governo do estado, que só previa a verificação das emissões de poluentes e excluia os automóveis antigos (numa atitude populista).

      Curtir

    • Provavelmente os acidentes de trânsito em áreas urbanas devem ter caído nesse período, porque os congestionamentos e o transito pesado reduzem a velocidade média de circulação, consequentemente diminuindo o número e o dano dos acidentes de trânsito.

      Curtir

    • Olha, o tio Lula e a dona Dilma só complicaram a situação, essa coisa de ipi é tudo bla bla bla, por que os importados que estavam forçando baixarem os preços com concorrencia, mas como o governo tem rabo preso e as montadoras sustentam as eleições, aprontaram isso pra cima deles.

      Queira ou não, o Brasil continua sendo o pais com as carroças mais caras do MUNDO, alem de pagarmos um combustivel tambem caro, temos nossos carros beberrões pra sustentar o rabo dos usineiros.
      Um 1.0 nosso custa mais que um V8 americano, e bebe quase o dobro, acredite se quiser…. tudo por causa do tal siste fréquis póuer

      Curtir

  9. Com essa informação constato apenas que a população de Porto Alegre parou de crescer demograficamente, mas está crescendo bastante economicamente, por isso compram mais carro (e também imóveis, eletrodoméstico e qualquer bem de consumo). E, como acho que continuará crescendo nos próximos anos, a tendência e continuar aumentando bastando a frota de veículos, até porque não existe outra opção.

    Curtir

  10. Esse post mostra uma coisa boa e varias ruins.

    A unica boa é de que o povo ta podendo comprar seu carrinho, quem não aguenta mais sofrer com o transporte publico ta investindo num meio seguro e confortavel para ir pra casa.. (alias, minha colega foi assaltada segunda de noite dentro do T9 indo pra casa).

    As ruins
    1- O povo não sabe comprar carro, o Brasil continua campeão na venda de carroças (ao menos o RS é o estado onde menos compram carros populares)

    2- O transporte publico ta um lixo (novidaaaaaade…)

    3- Qualquer chuva apaga nossas sinaleiras

    4- O povo desaprende a dirigir quando chove (novidaaade)

    5- Qualquer chuva faz com que falte luz na cidade, sem sinais de transito, tudo para (novidaaaaaade)

    6- Respeito é bom e eu gosto, mas os outros que se f…. (mente do povo brasileiro)

    7- Falta uma passagem de nivel na plinio.

    O que mudar?

    Obras nas estruturas viarias da cidade, vias inteligentes, transporte publico de qualidade, educação do povo, qualidade nas linhas de energia da cidade, qualquer chuva falta luz em muitos lugares, educar os motoristas, fazer com que parem de pensar na velocidade em que andam, para que passem a pensar que tem meio mundo em sua volta (hoje em dia um motorista percisa ficar mais atento ao velocimetro do que qualquer outra coisa, por que tomar multa ta barbada por velocidade).

    Curtir

    • Desculpa discordar, Guilherme, mas automóvel não é um “meio seguro de ir para casa”. “Acidentes” com veículos automotores matam 40 mil pessoas por ano e ferem centenas de milhares de pessoas. Além disso os motoristas estão muito mais sujeitos a assaltos a mão armada e seqüestros relâmpago do que os usuários do transporte coletivo, visto que o roubo de carros é uma das modalidades de crime que mais cresce em Porto Alegre.

      Uma passagem de nível na Plínio não iria resolver o congestionamento, apenas faria ele migrar de lugar (para o próximo afunilamento ou cruzamento) e pior degradaria toda a região em torno. Basta ver as regiões em torno de todos outros viadutos em Porto Alegre: áreas degradadas, evitadas por pedestres por se tornarem áreas propícias para assaltos.

      Curtir

      • ainda assim andar de carro é mais seguro.
        Quando estou no apartamento da minha mãe que fica a uns 800 metros da Puc, vou de carro por que o risco de ser assaltado por la é grande, tanto indo para a parada de onibus como andando no onibus ou lotação.
        Meu irmão mesmo ja teve que sair correndo de lotações ao ver que ia dar problema.

        E sobre o congestionamento, toda uma estrutura poderia resolver, mas não só uma passagem de nivel. Mas mesmo na perimetral, apesar de toda a depredação, as regiões com viadutos continuam com alto valor.

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: