Metrô: Fortunati busca solução

Prefeitura de Porto Alegre quer definir, nos encontros de hoje, em Brasília, de que forma a União irá repassar os recursos

Prefeito José Fortunati espera que a presidente Dilma inclua a obra do metrô no anúncio de investimentos do PAC Mobilidade Grandes Cidades Crédito: RICARDO GIUSTI / PMPA/ CP

Se depender da vontade do prefeito José Fortunati, esta segunda-feira será marcante para a boa continuidade do tema metrô de Porto Alegre. É o dia aguardado para a solução do impasse sobre a modelagem financeira da obra do metrô, orçada hoje em R$ 2,46 bilhões. “Será o momento final dessa negociação”, deseja o prefeito.

O impasse surgiu na mesa de negociações, durante a reunião ocorrida no dia 11 passado em Brasília, no Ministério do Planejamento, onde estarão novamente hoje Fortunati e o secretário municipal de Gestão e Acompanhamento Estratégico e da Copa 2014, Urbano Schmitt. O ministério propôs o pagamento da parte da União no empreendimento somente ao término da obra e não durante suas etapas. Essa proposta criará forte obstáculo ao futuro empreendedor a ser selecionado por licitação, em regime de Parceria Público-Privada (PPP). A expectativa do prefeito de Porto Alegre é ouvir da presidente Dilma Rousseff, nesta terça, quando ocorrerá a cerimônia de anúncio de investimentos do PAC Mobilidade Grandes Cidades, a modelagem financeira definitiva da obra.

O metrô de Porto Alegre integra o PAC Grandes Cidades, conforme anúncio feito em outubro do ano passado pela presidente. Mas o problema tem sido a modelagem. “Trabalhávamos numa proposta de execução das obras com desembolsos à empresa proporcionais à execução de etapas”, disse Fortunati.

Os R$ 2,46 bilhões estão subdivididos da seguinte forma: R$ 1 bilhão de repasse da União, via Caixa Federal; R$ 590 milhões vindos do município, entre contraprestação e financiamento (CEF); R$ 290 milhões do Estado via financiamento (CEF); e R$ 323 milhões da empresa. O restante do orçamento total da obra seria formado por isenções de ICMS e ISS. O prazo previsto de construção do metrô de Porto Alegre é de quatro a cinco anos.

Treze estações do Centro até Fiergs

A extensão será de 14,88 quilômetros e começa na Esquina Democrática Crédito: DIVULGAÇÃO / PMPA / CP

Ao longo dos seus 14,88 quilômetros de extensão, a Fase 1 do metrô de Porto Alegre terá 13 estações entre seus extremos, demarcados pelo Centro Histórico e a área após a Fiergs, na zona Norte. Seu percurso cruzará a Esquina Democrática, Largo Glênio Peres, avenidas Voluntários da Pátria, Farrapos e Assis Brasil. O percurso do metrô será praticamente subterrâneo. Sua linha se localizará sob os corredores de ônibus da Farrapos e da Assis Brasil. A única parte de superfície, conforme o prefeito José Fortunati, será no seu final após a Fiergs. “Será o único trecho onde teremos custos de desapropriação”, observa.

Se o município e a União chegarem a um acordo sobre a modelagem financeira na reunião de hoje em Brasília, a próxima etapa será elaborar o edital internacional para buscar a empresa executora das obras e também operadora do metrô. “Pretendemos lançar o edital no segundo semestre”, planeja Fortunati.

Ao contrário do modelo da linha 4 do metrô de São Paulo, onde são duas empresas, a Prefeitura de Porto Alegre pretende concentrar em uma única a obra de construção e a operação.

Correio do Povo



Categorias:Metro Linha 2

Tags:,

4 respostas

  1. A Prefeitura de Poa propos que a concessão dessa linha de metrô só seja repassada para a iniciativa privada somente depois de pronta. Ou seja, ocorreriam 2 licitações: uma para construir e outra para administrar a linha. Não sei se é a melhor alternativa, pois esperava que quem construísse também administrasse e por esse motivo fizesse as obras rapidamente para logo comecar a obter retorno.

    Curtir

    • Julião.

      Não sei se é uma boa solução, pois quem constrói geralmente não opera, no momento em que se amarra as duas se restringe o número de concorrentes internacionais.

      Curtir

  2. Seria bom se alguém pudesse achar na internet qual foi a modelagem financeira usada por Curitiba, pois eles já conseguiram a aprovação.

    Curtir

    • É que Curitiba tem a chefa da Casa Civil por trás. Loguinho ela será candidata a governadora do Paraná, podem anotar.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: