Como priorizar o uso do ônibus se falta qualidade?

A nova Lei de Política Nacional de Mobilidade Urbana já está em vigor, só basta agora sair do papel e virar realidade

Ônibus lotado em São Paulo créditos: Divulgação

Se hoje faltam espaços dentro dos apertados ônibus de Fortaleza, sobram reclamações sobre a qualidade do atual serviço oferecido. Andar espremido nos coletivos, esperar várias horas para se chegar ao destino final, aguentar o calor e muita chateação são tarefas cotidianas enfrentadas pelo pedreiro Francisco Ferreira Santos, 65. Ele gasta cerca de cinco horas diárias para se locomover entre a casa e o trabalho.

Entretanto, uma nova Lei de nº 12.587/12, que institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU), em vigor há um mês, promete minimizar o pesadelo do pedreiro e de milhares de pessoas que dependem dos ônibus. A legislação quer incentivar a ampliação dos transportes públicos e não motorizados com foco na melhoria dos fluxos.

Uma das exigências da lei, no artigo 24, é a construção de um Plano Municipal de Mobilidade Urbana que irá nortear todas as políticas públicas. Fortaleza, no entanto, ainda não conta com este documento. A gestão terá até 2015 para finalizar o tal planejamento. Caso contrário, estará impedida de receber recursos “Ninguém é feliz andando tanto de ônibus. É uma lamentação só”, diz a diarista Edna da Silva, 40. Ela pega quatro ônibus por dia. Verdadeira via sacra.

Coletivos

Desse modo, como priorizar o uso dos coletivos se ainda falta qualidade? De que modo, então, garantir que a lei PNMU saia realmente do papel e vire realidade? Qual o incentivo para o uso do transporte público, com os pontos de espera descuidados, com os atrasos constantes, com as “queimas” de parada, com a falta de informação sobre as linhas que passam e seus horários?

Para a professora doutora da Universidade Federal do Ceará (UFC) em Sobral e pesquisadora em Mobilidade Humana, Gislene Macêdo, a PNMU é um avanço, certamente. Mas, segundo ela, se as atuais gestões mantiverem estímulos à indústria automotiva e sua comercialização desenfreada, as ações desencadeadas pela lei poderão representar mais um item a ser propagado na publicidade pelos gestores.

“Se hoje muitos desejam um carro ou moto, é preciso que as gestões públicas trabalhem com uma meta de que esse desejo seja revertido para o uso do transporte público. Essa inversão está relacionada ao nosso modo de vida em sociedade”, detalha.

Para o presidente da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), Ademar Gondim, a Lei é importante, tendo em vista que ela estabelece os princípios da acessibilidade universal, o desenvolvimento sustentável, igualdade no acesso dos cidadãos ao transporte público coletivo e eficiência na prestação dos serviços. “Neste sentido, a Prefeitura irá implantar as faixas prioritárias para transporte público já em junho, agilizando as viagens dos usuários de ônibus. Fortaleza já tem os planos de trânsito e de transporte. A implantação do plano de mobilidade será alinhado a esses outros”, diz Gondim.

Segundo o chefe do Núcleo de Trânsito da Autarquia Municipal de Transito (AMC), Arcelino Lima, a priorização do transporte público é apenas uma das medidas para reduzir os congestionamentos. “O uso dos veículos deve ser regulado através da adoção de políticas sistêmicas, nas quais esses modos servirão como alimentadores do transporte público”, finaliza Lima.

IVNA GIRÃO

REPÓRTER

Quais os avanços reais da nova lei?

A nova lei apresenta, hoje, instrumentos fundamentais para garantir sustentabilidade e eficiência nos deslocamentos. A prioridade do transporte público coletivo sobre o individual é uma conquista histórica da sociedade, que agora tem a chance de restringir o uso do automóvel e eliminar os congestionamentos, reduzindo custos ambientais, sociais e econômicos.

Otávio Vieira da Cunha Filho

Pres. Assoc. Empresas Transportes Urbanos

A Lei não deixa de ser um avanço. Mas falta uma transformação da visão sobre o que é mobilidade e sobre o uso do espaço público. Esses deixaram de ser de convivência para serem meros locais de deslocamento, onde se dá a prioridade ao transporte individual. A transformação deve acontecer desde o nível individual até o nível de decisões infraestruturais em uma mão dupla.

Davi Aragão

Advogado, mestre em meio ambiente pela UFC

Embora possam ser apontadas omissões, ela dá cobertura legal a medidas que podem ser tomadas pelo poder público para dotar a cidade de uma melhor mobilidade, com melhor controle do uso das vias. Explicita conceitos de mobilidade urbana sustentável já conhecidos e defendidos, enfatizando a equidade no uso do espaço viário. Resta saber se ela vai “pegar”.

Mário Azevedo

Prof. de Engenharia de Transportes da UFC

Autor: Da Redação | Postado em: 14 de maio de 2012 | Fonte: Diário do Nordeste

MOBILIZE.ORG



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:,

62 respostas

  1. Bom, e quando o motorista vai dirigindo seu ônibus bem devagarzinho, pois já passou do horário dele soltar, e ele está administrando o tempo “pra ganhar uma horinha extra”? Um amigo meu, ex-cobrador da Carris me disse que é uma prática bem comum e difundida. Sem contar nas diversas falcatruas que rolam, das passagens. Enfim, o sistema é viciado, e para funcionar de verdade tem que haver MUITAS MUDANÇAS.

    Curtir

  2. Está aqui mais um indicativo como o transporte público é pensado:

    “Quem paga R$ 300 para ver Bob Dylan não vai voltar de ônibus”, alega EPTC sobre falta de transporte público. Para o gerente de fiscalização da EPTC, o transporte público extra é disponibilizado “quando o perfil do show é mais acessível”

    O transtorno na hora de o público ir embora do show do Los Hermanos, no fim de semana, foi o bis de um problema recorrente em Porto Alegre: a falta de estrutura para espetáculos de médio e grande porte.

    – Como vai ter bastante gente usando ônibus, mesmo tarde da noite, eu voltaria de ônibus. Até porque, assim, o pessoal pode beber sem se preocupar – aponta a designer Lanna Collares.

    Texto completo em: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/cultura-e-lazer/segundo-caderno/noticia/2012/05/quem-paga-r-300-para-ver-bob-dylan-nao-vai-voltar-de-onibus-alega-eptc-sobre-falta-de-transporte-publico-3758927.html

    Curtir

    • Pra q BRT para a Copa ?

      Curtir

    • Julião, se 4 ônibus passaram e não pararam ao teu aceno tu estavas fora da parada. Eu não acredito. Queria até saber em que parada tu estavas?

      Curtir

      • Parece que uma deles, segundo uma outra usuária, era direta e não tinha obrigação de parar ali, mas mesmo assim deveria haver informação, em cada parada, sobre quais linhas param ali. Os outros foram por sacanagem mesmo, pois já tinha usado essas linhas outras vezes naquela mesmo lugar.

        Curtir

        • Julião, bem mostra que tu não andas de ônibus, todos os usuários sabem em que parada um direto não para. Ninguém pode reclamar de um direto não parar.

          Curtir

    • O caso citado acima está dando polêmica! Vocês viram?

      Curtir

      • Pablo, é surpresa alguma coisa dar polêmica neste blog. Leio cada coisa aqui que fico pasma. Deve ser porque conheço Porto Alegre melhor que vocês. Talvez fazendo alguma coisa no entorno dos comentário tudo melhore, percebo claramente em algumas avaliações que as pessoas não entenderam o que estava escrito.

        Curtir

  3. Não tem como.

    Curtir

    • Por que?

      Curtir

    • Transporte público deve ser rápido e de qualidade.

      Se o cidadão tiver de caminhar muito ou perder muito tempo esperando ônibus, tendo a possibilidade prefirirá o automóvel; e, se ele tiver de enfrentar muito desconforto, mesmo que o transporte público seja menos demorado, sempre que possível prefirirá a opção do transporte individual.

      Curtir

      • Não entendi… O problema do ônibus é o desconforto, como colocastes, mas criar uma lei que limite a superlotação não é possível. Porque?

        Curtir

        • Mas desconforto não é só porque os ônibus andam cheios, até porque sei que isso só acontece em horários de pico. Estou falando do desconforto de ônibus sujos, barulhentos, sem ar; estou falando de motoristas mal educados, irresponsáveis e estressados; estou falando de paradas sujas, inundáveis e sem informações básicas ao passageiros.

          Curtir

        • E por que uma simples lei que tende a melhorar o transporte evitando a superlotação, como a da foto, não é possível?

          Curtir

    • Ah, mas o tranporte público é mais ecológico, menos poluente, mais eficiente, etc do que o transporte individual. Isso todo mundo sabe, só que ninguém aguenta 1 ano, 10 anos, 20 anos, a vida toda sendo maltratado por um valor que não lhes beneficiará imediatamente. Um dia, alguns dias, semanas e meses, tudo, mas todo a vida não a Cristo que tenha tanta paciência e devoção.

      Curtir

      • É, a classe média do brasil também abandonou a educação pública e agora paga cara por uma que nem é tão boa assim, mas é melhor que aquela abadonada. Funcinou bem neste caso, então vamos aplicar a mesma lógica no transporte!

        Curtir

      • Julião, tu não anda de ônibus há muito tempo, tu não podes generalizar, a maioria do motorista e cobradores são educados, poque se não forem e reclamares eles são punidos.

        Curtir

        • Como não ando? Ontem mesmo peguei ônibus, não sem antes 4 ônibus passarem e não pararem para meu aceno. Para andar de ônibus em Poa tem de ter muita paciência e saco.

          Curtir

  4. Existe a lei da fila que atinge principalmente os bancos… As vezes há fiscalização e aplicação de multas, funciona! Não poderia haver uma lei da lotação?

    Curtir

    • O problema é que nos bancos é facil de resolver, nos onibus não.

      Eles até mandam os onibus com um intervalo de 15 minutos, as vezes até menos, mas com o transito complica.

      Direto quando eu trabalhava no centro chegavam dois onibus de uma mesma linha juntos, isso depois de ter esperado mais de 30 minutos por eles numa fila gigante.

      Mas eu ja sabia que no horario que eu estava la, varias avenidas trancavam, tais como Benjamin, Assis Brasil (que tranca messmo é o corredor, nunca fiquei preso de carro la) e Cristovão Colombo.

      Pena eu tinha do cobrador que tinha que escutar a velharada chata trrando o saco, sendo que o coitado não tinha culpa alguma, e muito menos o que fazer pra resolver.

      Pior que nem reclamar para a empresa iria adiantar… no horario de pico não tem como.

      Curtir

      • Sabe que uma vez eu liguei para a Carris para reclamar das oscilações no horário do ônibus daí em informaram que o motorista é instruído a parar em todas as paradas, mesmo que não haja ninguém… daí eu achei estranho.

        De qualquer forma, as vezes se vê os motoristas andando mais devagar para compensar o tempo… acredito que dê para melhorar essa variação no intervalo entre viagens, se o motorista tiver uma tabela indicando o instante em que ele deve passar por pontos de controle.

        Curtir

    • O único mecanismo contra a superlotação é ligar e reclamar e sabe-se lá se isso seque é registrado… tem que ter algo mais efetivo. Tem que haver compensação à empresas que colocam mais Ônibus à disposição dos usuários e que mantem seus horários bem controlados.

      Hoje em dia não há nada…

      Curtir

    • Há muito tempo atrás quando existia a SMT, acho que é Secretaria Municipal de Transportes, havia uma quantidade imensa de fiscais, eles ficavam nas paradas e contavam os passageiros. Naquela época os cobradores andavam dentro do onibus cobrando a passagem. As pessoas que estavam à mais tinham que descer. Depois isso mudou. Um dia andando num ônibus lotadíssimo perguntei ao motorista por que ele parava e abria a porta se estava lotado? E ele me disse que se não fizesse isso as pessoas telefonavam para a Carris e eles eram penalizados pela empresa. Por isso eles param em todas as paradas mesmo lotados, Agora quando não tem passageiro para subir ou descer eles passam direto nas paradas. Hoje em dia eu não sei porque a lotação não é mais motivo de fiscalização. Não tem nem multa para isso, antes tinha.

      Curtir

  5. O de POA é muito ruim, pelo que vi.
    Mas DIZEM as boas línguas que o nosso é de luxo, comparado com o de Brasília.

    Curtir

    • Tem que andar no de Salvador, dai vocês vão achar que o nosso é de primeiro mundo.

      Curtir

    • Jeclecler em 2005 visitei Brasília, não sei como está hoje em dia… Mas eu fiquei apavorado, os ônibus são lixo do lixo, são piores que aqueles cacos de onibus que vendem frutas, sabe? E as paradas nas ruas são de vidro, super modernosas. Roubalheira de dinheiro público? Não, imagina!

      Curtir

  6. Dou razão pra quem quer ter o carro próprio.
    Hoje esperei 40 minutos pelo 525 -RIO BRANCO, que no máximo deveria demorar 20 minutos. Ele chegou LOTADO, com pouco espaço.

    Melhorem isso, se querem que as coisas funcionem

    Curtir

    • Por que tu não foi de bicicleta?

      Curtir

      • Porque não tenho e não acho seguro (motoristas mal-educados, segurança contra assaltos pela hora que voltei) andar de bicicleta aqui em POA. Se não fosse por isso, teria ido.

        Curtir

        • não existe ser assaltado de bicicleta!!
          pode ser inseguro no trânsito, mas a qlqr hora do dia é o mais seguro na “segurança”! Sério mesmo!

          Curtir

  7. Que engraçado, tem muito carro no Brasil, cadê o dinheiro do IPVA?E os pedágios,e o direito de ir e vir? Cobrar para estacionar na via publica é mais um imposto,dentre tantos.Eu proponho um cartão de vale transporte para todos os politicos, quem subsidia as mordomias deles? Viva o metrô.

    Curtir

  8. O pior de tudo é termos os famosos prazos…. anos para isso, anos para aquilo… será que nossa geraçao ira ver a realidade dessa lei? Apenas um desabafo…

    Curtir

  9. Sobre mobilidade, acho interessante esse vídeo aqui:

    Vale a pena assistir, mostra bem claramente através de estudos sérios a dimensão do problema.

    Cabe lembrar que recentemente Eduardo Vasconcellos foi apresentado de forma bem negativa como alguém que é contra o metrô em Porto Alegre… mas veja os dados que ele apresenta!

    Curtir

    • Mas de novo este Sr. por aqui?? Cada vez me convenço mais de que ele é um “representante da indústria de ônibus”, senão vejamos: 1) Compara alhos com bugalhos, ou seja, metrópoles com mais de 3.500.000 habitantes nas regiões metropolitanas (caso das sete principais, a saber: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Fortaleza e Salvador) com cidades de mais de 60.000 habitantes, non sense total; 2) carros culpados pelos engarrafamentos de ônibus??? É, vai ver que os carros andam também nos corredores exclusivos….; 3) Um estudo sério incluiria também o modal metrô, ao menos nas capitais citadas (Por quê será que ele não fala nada? Óbvio, né?). É por estas e por outras que não dá para levar este senhor a sério. Ele só engana os bobos.

      Curtir

  10. shuasahuashuashusa…

    E tem gente que diz que isso é de menos, e bla bla bla, e que onibus é bom e carro é ruim, que se onibus ta ruim, vai de bike… haha

    Quem dera, se onibus fosse bom, politico andava nele..
    haha

    Falta metrô nesse mundão…

    Curtir

    • Pois é Guilherme, é bem esse o problema… o ônibus é ruim de mais em praticamente todos os quesitos, carro é bom em praticamente todos os quesitos e bicicleta sem ciclovia é quase um suicídio. Está aí o tempero necessário para os engarrafamentos.

      Curtir

    • Dúvido que um dia mesmo que o nosso transporte urbano seja o melhor do mundo que um poliítico dele se utilizará. Nossos políticos se acham o supra sumo para se misturar com o povo dentro de um ônibus. Caso eu não tenha conhecimento e vocês saibam de algum que anda de ônibus ou lotação para verificar a qualidade me digam. Eu sei de um que sempre andou de ônibus Olivio Dutra. Foi justamente por isso que quando se tornou Prefeito interditou as empresas de ônibus, até hoje todo mundo reclama e mete o pau, mas foi graças a isso que o transporte coletivo de Porto Alegre melhorou.
      A Carris foi modernizada e durante o Governo do PT na Prefeitura foi mais de uma vez a melhor empresa de transporte coletivo do Brasil. Foi a partir da modernização da Carris e da valorização dos motoristas e cobradores desta empresa que as coisas ficaram bem melhores. Apesar de sempre ter tido carro eu também andei muito de ônibus por isso posso falar de cadeira. O transporte coletivo de Porto Alegre não é o melhor do mundo, é um dos melhores do Brasil mas também não é o pior.

      Curtir

      • Pra quem morou na Alemanha como eu, numa escala de 0 a 10, com os alemães sendo 10, dou 1,5 ou 2 no máximo pra Porto Alegre. O transporte aqui é tão medieval que nem mesmo tem horários fixos para que os ônibus passem nas paradas.

        As pessoas aqui acham natural ir para a parada de ônibus e ficar esperando uma quantidade de tempo aleatória. Pode ser que o ônibus venha em 2 minutos, pode ser que venha em 45. A pessoa tem que ter 40 minutos para perder naquele momento.

        Na realidade, o transporte coletivo de Porto Alegre podia ser melhorado em muito com coisas muito simples, que já existem em várias cidades do terceiro mundo (nem precisa ser primeiro mundo). Por exemplo, pagar uma passagem equivalente à distancia junto um readequamento das linhas. Isso permitiria às pessoas um tempo de trajeto menor mesmo pegando mais ônibus. Mas deve ser muito dificil mexer no vespeiro das empresas de ônibus e nos porões escuros do fisiologismo da Carris, então as linhas atuais são intocáveis.

        Curtir

        • Adriano Silva, se eu tivesse um dia morado fora do Brasil, com certeza eu não retornaria. Vocês saem do pais, vão morar fora e depois voltam e menosprezam. Sabes, eu não consigo entender.

          Curtir

        • Se tu tivesse morado fora tu entenderia. Os outros países são o único modelo que temos para comparar o que é possível. Temos que nos comparar com eles constantemente e ter a humildade de nos posicionar no nosso devido nível de competência. O que tu acha que eles (naturais dos paises desenvolvidos) pensam quando vêem isso aqui??? O primeiro passo é admitir o problema. E o problema vai bem mais fundo que só o transporte coletivo.

          Curtir

        • Perfeito, Adriano, mas os brasileiros preferem viver acreditando nos programetes de campanhas eleitorais, onde tudo é maravilhoso e funciona. Por isso eu digo sempre: vão, conheçam o mundo, pois só assim teremos cidadãos mais consciêntes de nossos problemas.

          Curtir

      • Ele deve ter coisinha com onibus, se não me engano, foi ele que disse que Poa não precisava de metrô, não?

        Ou foi o Tarso?
        ahuahushusahusahusahuasu

        Curtir

        • Guilherme se o Olívio tinha coisinha com ônibus eu não sei, o que eu sei é que ele andava de ônibus. Sempre ouvi falar que não se fazia Metrô em Porto Alegre, porque a cidade esta em cima de um pedreira. Não foi o Olívio nem o Tarso, foi antes deles.

          Curtir

      • Calma lá… com certeza o PT fez bastante por nosos transporte público, mas o acampamento das empresas não nos ajudou em nada, só resultou em uma multa astronômica para a prefeitura pagar.

        Curtir

        • Felipe X, como é que tu não sabes que esta dívida nunca mais vai ser paga. Isto já foi dito várias vezes na mídia, o que acontece é que quando chega a época de eleição os candidatos usam isto contra o PT e fica nisso. Não adianta dizer que a dívida não existe mais.

          Curtir

      • Esta é uma coisa que gostava no Olívio, ele andava de ônibus. Eu mesmo estava em um deles quando ele entrou… O cobrador estava conversando com o motorista no momento e ainda fez uma piada: “Só falta encontrar o Olívio no ônibus agora”

        Curtir

      • Me desculpe mas você não deve andar de ônibus em POA! Carris?
        A Carris é um lixo! o TP em POA é sim o pior do Brasil!

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: