Mobilidade em Porto Alegre: o que a EPTC pode E DEVE fazer

OK, todos sabemos que sem transporte público de qualidade uma cidade não pode funcionar direito, etc e tal. Mas metrô (se sair) é para uma década adiante, e trata-se apenas de uma linha incapaz de atender às demandas da cidade. Enquanto isso, e com a certeza disso, o que fazer?

Aprimorar a fluidez das vias, cada vez mais ocupadas pelos veículos particulares e públicos – ônibus, lotações e táxis. Diz o bom senso que estes últimos – na situação limite em que vivemos, com congestionamentos em todas as horas do dia – deveriam ter a prioridade de circulação, visto que são do interesse público, certo?

Mas não é isso que vemos. A questão crucial – e de resolução simples e imediata – é destinação do leito das ruas à sua função precípua, que é a MOVIMENTAÇÃO DE VEÍCULOS. Hoje, vias importantes são ocupadas por carros particulares estacionados em AMBOS OS LADOS, prejudicando nitidamente a vazão do tráfego.

Ao lado, Rua Silva Jardim: da Anita Garibaldi até a Plínio, apenas uma faixa livre – ônibus e carros em fila indiana. Em medicina, chama-se isso de arterioesclerose…

Outro exemplo, Rua Câncio Gomes, ligação fundamental entre Farrapos e bairros Floresta/ Moinhos/ Auxiliadora: de novo a fila indiana…

E mais exemplos não faltam, como a Pedro Ivo por exemplo, com incrível mão dupla na primeira quadra junto à Regente (esta mesmo com mão dupla…) e estacionamentos permitidos aleatoriamente em ambos os lados da via. Foi preciso que um supermercado anunciasse obra na Regente para que as mãos duplas (desnecessáris e absurdas) caducassem em prazo ainda a definir (?).

Já vi respostas da EPTC quanto a questionamentos similares, e sempre foram de que a permissão de estacionar tinha a intenção de “facilitar a vida dos moradores, do comércio e da vizinhança”.

Mas então pergunto: e a cidade que engloba esta vizinhança, não deveria ter prioridade?

Chegamos ao ponto de artérias importantes estarem obstruídas por carros estacionados em ambos os lados das sete da manhã às sete da noite, pois não existe a massificação do estacionamento rotativo (que, a propósito, deveria ser permitido em APENAS UM LADO, vide Dona Laura, Padre Chagas sempre com fluxo lento) que ao menos impede a “privatização” das vias públicas.

E a Av. Mariland, por exemplo? A engenharia da EPTC ainda não se deu conta de que duas faixas de rolamento duplicam a vazão de uma via? Lá, carros parados dos dois lados impõem a fila indiana de outros carros, ônibus, lotações…

Ah, e onde vão parar os carros particulares? Vão passar a circular seletivamente (pensar antes de usar), a buscar estacionamentos fora das vias (quem sabe incentivos para edifícios-garagem) e, até mesmo, passar pela constrangimento do rodízio e do pedágio urbano. MAS ANTES, É POSSÍVEL MELHORAR MUITO. Entenderam, ou seria preciso desenhar?

Placas impondo horários…restrições belgas não coibem atitudes primitivas…

AH, E TAMBÉM FISCALIZAÇÃO POR FAVOR!

Publicado sob licença de Eduardo Galvão

Blog Um Projeto sem Programa

Texto e fotos: Eduardo Galvão



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:, , , , ,

37 respostas

  1. Se estivéssemos fazendo o melhor, então estaríamos melhores.

    Curtir

  2. Estive em Porto semana passada.

    Que bagunça o trânsito, o “Ar”, poluído, e perto da Redenção!

    Peguei um Táxi e conversando com o motorista, gente muito boa, do interior, de Rosário do Sul, comentamos sobre as coisas como estão, e ele como era de fora não sabia dos bondes etc., só viajava de trem, mas não tinha idéia do porque acabaram com eles, aí eu falei pra ele da ditadura, de quem lucrou, neste instante na Oswaldo Aranha passou o filme na minha cabeça.

    Minha avó morava na Laurindo e ir até a casa dela era um maravilha, sem tranqueira, sem fumaças dos ônibus, o “AR” era respirável etc., bah o que fizeram com nossa cidade!

    Como era ditadura qualquer crime do regime era “Ato Constitucional” e a população ficou
    de bico calado, e saber que um parente foi um dos interventores, ele foi obrigado a sê-lo, naquele tempo as ordens tinham que ser cumpridas, não questionadas.

    Hoje vemos que foi um crime, e o pior, em vez de ao menos vermos projetos para colocar-los de nôvo nas avenidas para transformar a cidade em modelo urbano de transporte e ter na paisagem junto com o VLTs para diminuir a poluição e ter um pouco que romantismo, mas não, o que vemos é o projeto garganta abaixo da população com estes tais BRTs, como ainda estivéssemos na época da ditadura, e o pior é que a população parece não mobilizar-se.

    Serrá que ninguém que lê estes blogs conhecem essoas com influência que não sejam desta máfia, e olhem que as eleições estão aí!

    Curtir

    • Ricardo, acho que vais gostar de ler e compartilhar esse texto:

      “Trem: mobilidade rápida, eficiente e confiável”:

      http://trilhos.maodupla.org/2012/06/20/trem-mobilidade-eficiente/

      Curtir

      • É isto que mencionei ao cidadão, um trem pode carregar trinta caminhões de carga, ou o mesmo de ônibus, sem acidentes com mortes como ocorrem diariamente nas rodovias, nas cidades os VLTs e bondes modernos que trafegam em quase todo mundo, menos aqui.

        Os motivos estão no endereço que mencionastes, mas o nosso problema nós sabemos, nosso povo é pacato o Trem-Prata que foi implantado há anos atrás entre o Rio e São Paulo, aí o lobby de ônibus e empresas aéreas mataram nos preços, fizeram dumping, diminuiram as passagens e assim quebraram o sistema ferroviário.

        E o tal Trem-Bala pra o a Copa do Mundo e Olimpíadas?

        Virou piáda!

        Em 2008 falaram lá no planalto de bôca cheia que implantariam este do Rio à Campinas em São Paulo, e aí, onde estão as obras?

        Só uma revolução para tirar estes parasitas da indústria rodoviária, e isto sabemos que neste país nunca ocorrerá, este endereço que enviastes é o ideal, mas na real pelos governantes que temos ganham algum coi$a, não concordas, que são os próprios donos do negócio.

        Eles dizem que é “inviável”, ontem falaram que estão “vendo” uma ferrovia que ligaria o RS Á SC, mas esta idéia cai em frente? É igual ao “Bonde Turístico de Porto Alegre”, que está engavetado a sete chaves, se quisermos andar de bondes, VLTs ou trens, teremos que ir passear na Europa amigo.

        Mas valeu, um abraço!

        Curtir

  3. Pessoal, olhem só, nesse vídeo, o caos da mobilidade urbana em Amsterdã:

    Curtir

  4. Pelo que vejo Porto piorou muito mesmo desde que saí!

    De mobilidade, ir do Parcão até o Centro, é mais saudável ir a pé, fiz este trajeto, o que dá impressão de ser longo são os acidentes geográficos, a ladeira da 24 de Outubro é leve, mas na Av. Independência ela é mais íngreme, como na Mostadeiro, aí dá impressão que é muito longe.

    Quando cuidei de meu pai na Santa Casa até dei uma melhorada no preparo físico.

    Porque de ônibus só se estava chovendo, com a tranqueira do trânsito, tinham dias que eu chegava uns quinze minutos após os ônibus, mas se ocorria um acidente, então a coisa emperrava de vez!

    Quanto mais a qualidade do transporte coletivo decai, mais veículos particulares vão às ruas, é uma tendência natural.

    Se não colocarem rapidinho VLTs, bondes ou qualquer outra forma sobre trilhos, que não polua o ar, este terá uma qualidade irrespirável, e não será num futuro muito distante, pois hoje ele já está bem comprometido, assim como em grande parte da cidade, podem crêr!

    Curtir

    • Bem, eu quando saio de POA noto direitinho que minha rinite some… e POA tem pouca indústria, a culpa é quase toda do transporte mesmo!

      Curtir

  5. e quando o sujeito pega a cristovao, na altura da PLINIO e vem se arrastando até o hotel Swan Tower, porque exatamente onde tem um estreitamento de pista apos a carlos gomes, tem um ponto de taxi na propria cristovao, em que os taxis fazem conversao no meio da pista e logo apos passa a ter tambem carro dos 2 lados…
    é um caos a qualquer hora, imagine das 8 as 9:30 da manha !!!

    Curtir

  6. Se essa ideia for adotada, os estacionamentos privados agradecem. Mas, como só coloco meu carro em estacionamentos pagos e se eles inexistem no local que pretendo frequentar, ou mudo de destino ou vou a pé ou de ônibus, a mim essa medida não afeta, salvo a vantagem de mais vias para circulação.

    Curtir

    • É bem assim que as pessoas deveriam pensar: primeiro no custo benefício, depois na comodidade, e não só em si…mas que uma ação de um indivíduo reflete em vários outros indivíduos, ou na comunidade ou na sociedade.
      De fato, existem varios deslocamentos que poderiam e estão sendo desencorajados devido a dificuldade de mobilidade ou estacionamentos…por isso as sempre presentes alternativas, como a caminhada e a pedalada se fazem tão divulgadas e utilizadas…isso sem falar nos ônibus que ajudam mas tão +-

      Curtir

      • Muita gente não gosta de caminhar ou pedalar, alguns não tem nem condições pra isso, pegar onibus lotado faz um bem pra saude mental do cara que ta louco… haha

        Não adianta, as pessoas gastam muito pra ter um carro, vão gastar mais, muita gente não vive sem um carro.

        Curtir

  7. Tá mais que na hora dos motoristas pagarem por suas garagens, estacionamento não deveria ser uma preocupação do governo.

    Curtir

    • Defendo também uma ampliação do conceito da “zona azul” para toda a cidade, em apenas um dos lados da rua. O motorista tem a obrigação de pagar pelo direito de parada, pois usa um espaço que é de todos.

      Curtir

      • É bem isso: estacionamentos a revelia nada mais é do que a privatização do espaço público…oras, todos deveríamos pensar em todos…ou seja, qual a razão de uma fila de carros atrapalhar o fluxos dos outros carros? ou de bicicletas? ou de pedestres, ao estacionarem em calçadas?
        OLÍVIO DUTRA QNDO PREFEITO JA DIZIA: TEMOS QUE DESPRIVATIZAR OS ESPAÇO PÚBLICOS, mas atualmente a lógica é outra: privatização, PPP, concessão, individualismo…

        Curtir

        • Sim, o desprivatizar o espaço publico do Olivio é derrubar casas na orla, proibir o cais do porto, pontal do estaleiro… haha

          Que papo mais partidario einho.. haha

          Privatização, PP, concessão, isso tudo funciona de uma forma muito melhor que qualquer coisa que o governo administra.

          Curtir

    • Ja pagam.
      La em casa ja tem uma vaga, ainda alugamos outra no prédio, minha mãe paga pra ir trabalhar por qeu o do local do trabalho dela, apesar de ter segurança e ser gratuita, é um lixo, eu pago na Puc, meu pai paga uma vaga fora do prédio que moro, sem contar quem trabalha no centro, que paga mais de 300 reais por mês.

      O prefeito que tiver coragem de botar tudo que é canto de estacionamento pago, esse perde seu mandato.. haha…. a maior parte do povo usa carro, são muuuitos votos.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: