Aqui no Rio Grande é Assim

Uma página do Facebook, “Aqui no Rio Grande É Assim“, publica imagens para fazer humor com o jeito gaúcho de ser.

Fundada em 3 de dezembro de 2011, a página foi criada e é mantida pelo gaúcho residente em Manaus, AM, Rodrigo Neves e já tem mais de 49 mil seguidores no Facebook. Ele já produziu inclusive várias imagens com fotos do Porto Imagem e tem divulgado algumas das nossas ideias.

Estou gostando bastante desta iniciativa, de fazer humor, às vezes, com certa dose de crítica. Ele enfoca principalmente as características nossas, gaúchas, os nossos costumes, com muita criatividade.

Vejam as duas peças relativas ao desenvolvimento de Porto Alegre:

E aqui o álbum especialmente dedicado a Porto Alegre, com fotos do Porto Imagem (by Gilberto Simon):

Para acessar a página no Facebook, é só clicar aqui.

____________



Categorias:Cultura

Tags:, , , ,

10 respostas

  1. Vitória – ES: http://www.vidadeturista.com/wp-content/uploads/2010/02/vitoria-ES.jpg

    Prédios altos? Não.
    Skyline bonito? sim.

    O chão não vai se abrir e engolir todos nós só porque POA não tem prédios altos. O que falta é qualidade arquitetônica, limpeza e manutenção.

    Curtir

  2. Aquela foto da “BORGES/DUBAI” ali ficou legal, imagina se realmente contruisem aqueles predios!!!

    Curtir

  3. Pra ter um prefeito decente ele não pode ser político, no momento que o cara vira político, estraga tudo. Vira só propaganda e pouca ação. Botem engenheiros na prefeitura, botem arquitetos, aí sim alguma coisa vai mudar.

    Curtir

    • Desculpa, mas NUMCA PONHA ENGENHEIROS, JAMAIS, JAMIAS….poe arquiteto ou designers ou hurbanistas…mas numca engenheiros.

      Curtir

      • Isso por causa daquele UM prefeito engenheiro que construiu mil obras de mobilidade urbana úteis anti-bicicleta? Concordo que foi errado dar preferência aos carros, mas ele fez as principais obras que tornam porto alegre no mínimo com cara de capital grandinha, apesar de estarem feias pelo tempo.

        Curtir

  4. Nada como entrar na imaginação mesmo!

    Porque do jeito que as coisas vão, só se for no tranco, no tiro ou numa revolução interna.

    Até admiro-me ver porto-alegrenses, gaúchos que são ficarem na passividade, ver tantos desmandos, a ponto de vermos tudo que queremos estar só em montagens fotográficas!

    O Arnaldo Jabor falou numa crônica sua o seguinte no blog Aqui no Rio Grande é Assim:

    Pois é. O Brasil tem milhões de brasileiros que gastam sua energia distribuindo ressentimentos passivos. Olham o escândalo na televisão e exclamam “que horror”. Sabem do roubo do político e falam “que vergonha”.
    Vêem a fila de aposentados ao sol e comentam “que absurdo”.
    Assistem a uma quase pornografia no programa dominical de televisão e dizem “que baixaria”.
    Assustam-se com os ataques dos criminosos e choram “que medo’.
    E pronto! Pois acho que precisamos de uma transição “neste país’.
    Do ressentimento passivo à participação ativa.
    Pois recentemente estive em Porto Alegre,onde pude apreciar atitudes com as quais não estou acostumado, paulista/paulistano que sou.
    Um regionalismo que simplesmente não existe na São Paulo que, sendo de todos, não é de ninguém. No Rio Grande do Sul, palestrando num evento do Sindirádio, uma surpresa.
    Abriram com o Hino Nacional.
    Todos em pé, cantando.
    Em seguida, o apresentador anunciou o Hino do Estado do Rio Grande do Sul.
    Fiquei curioso. Como seria o hino?
    Começa a tocar e, para minha surpresa,todo mundo cantando a letra!
    “Como a aurora precursora do farol da divindade, foi o vinte de setembro o precursor da liberdade’.
    Em seguida um casal, sentado do meu lado, prepara um chimarrão.
    Com garrafa de água quente e tudo.
    E oferece aos que estão em volta.
    Durante o evento, a cuia passa de mão em mão, até para mim eles oferecem.
    E eu fico pasmo.
    Todos colocando a boca na bomba, mesmo pessoas que não se conhecem.
    Aquilo cria um espírito decomunidade ao qual eu, paulista,não estou acostumado.
    Desde que saí de Bauru,nos anos setenta, não sei mais o que é “comunidade’.
    Fiquei imaginando quem é que sabe cantar o hino de São Paulo.
    Aliás, você sabia que São Paulo tem hino? Pois é… Foi então que me deu um estalo.
    Sabe como é que os “ressentimentos passivos’ se transformarão em participação ativa?
    De onde virá o grito de “basta” contra os escândalos, a corrupção e o deboche que tomaram conta do Brasil?
    De São Paulo é que não será.
    Esse grito exige consciência coletiva,algo que há muito não existe em São Paulo. Os paulistas perderam a capacidade de mobilização.
    Não têm mais interesse por sair às ruas contra a corrupção.
    São Paulo é um grande campo de refugiados,sem personalidade, sem cultura própria, sem “liga”.
    Cada um por si e o todo que se dane. E isso é até compreensível numa cidade com 12 milhões de habitantes.
    Penso que o grito – se vier – só poderá partir das comunidades que ainda têm essa “liga’.
    A mesma que eu vi em Porto Alegre.
    Algo me diz que mais uma vez os gaúchos é que levantarão a bandeira.
    Que buscarão em suas raízes a indignação que não se encontra mais em São Paulo.
    Que venham, pois. Com orgulho me juntarei a eles.
    De minha parte, eu acrescentaria, ainda: “…Sirvam nossas façanhas, de modelo a toda terra…”

    Vejam que elogio ele deu à vocês que residem aí, e vejo nos blogs pelos comentários a insatisfação de como a cidade em que residem está decaindo, as soluções todos sabem, mas se não haja alguém que bote a boca na imprensa, não adianta nada!

    Bem será que não chegou a hora de sairem às ruas e fazerem mais façanhas que sirvam de modelo à toda terra? O Arnaldo disse que juntar-se-á com vocês!

    Só assim veremos estas fotos não em montagens, mas numa realidade futura, porque ficarem sentados esperando cair do céu, com certeza não acontecerá nada.

    Como naquele filme O Resgate do Soldado Ryan, onde o personagem interpretado por Tom Hanks diz ao próprio soldado antes de morrer, “faça por merecer”.

    Está na hora da gauchada de Porto fazer por merecer as mudanças que pleiteia nos blogs, em diversos temas que manifesta-se, tem que ir atrás, à mídia e reclamar!

    Abraço a todos!

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: