Vereador contesta projeto dos Túneis Verdes

Rua da República, um dos ‘túneis’ Crédito: VINÍCIUS RORATTO

O projeto de lei aprovado na Câmara de Vereadores que declara os “túneis verdes” de Porto Alegre como áreas de uso especial está sendo contestado pelo vereador João Carlos Nedel (PP) e pela ONG Instituto Ambiental Porto Alegre. Para o vereador, ninguém é contra a preservação de árvores, no entanto, o que não pode acontecer é que as novas regras prejudiquem o desenvolvimento de projetos nessas áreas especiais, muitos deles necessários, como a abertura de uma rua ou a construção de uma ciclovia. Segundo João Carlos Nedel, em caso de obras em uma via, será necessário um Estudo de Viabilidade Urbanística (EVU) para a retirada das árvores. “Essa análise poderá durar de seis a 10 meses”, comenta.

Além disso, o vereador afirma que o poder Legislativo municipal está dando poderes demais para as secretarias municipais. Nedel afirma ainda que os moradores das 72 áreas não foram ouvidos e que “existem locais como a rua 15 de novembro e o Beco 1 da rua Vera Knijnik, na zona Sul da Capital, que não existem mais e constam do projeto”.

Instituto diz que lei é desnecessária

Para o presidente do Instituto Porto Alegre Ambiental, Vilmar Isolan de Mello, leis como esta trancam o desenvolvimento. “A duplicação de uma rua ou avenida fundamental para uma comunidade vai resultar em inspeções e debates intermináveis”, explica. Segundo Mello, não havia necessidade de uma lei para se preservar as árvores. “O porto-alegrense têm por característica o respeito ao meio ambiente.”

Correio do Povo



Categorias:Outros assuntos

Tags:,

37 respostas

  1. Acho que tava na hora desse maravilhoso governo criar o bolsa-viagem para que os opiniáticos do que é “progresso” e o que é “moderno” pudessem viajar e ver o mundo. Assim, quem sabe se dariam conta de que a “moda de defender o verde” gera cidades como as da Austrália, enquanto que o “pogreço” das empreiteiras tupiniquins gera cidades como as do Paquistão. Aí poderam realmente opinar sobre o que é moderno e o que é atrasado… e sair da zona de conforto da maioria néscia que aplaude qualquer obra como se fosse “pogreço” e denigre gestão ambiental esclarecida como se fosse atraso.

    Curtir

    • Acho que tu precisas fazer estas viagens, pois fui pra austrália e lá tem prédios mais altos que em poa, e muito menos árvores. Neste ponto do verde estamos melhores, mas correndo o risco de exagerar. Baita argumento hein.

      Curtir

      • Muito menos árvores onde???? Em Sydney, Brisbane, Canberra ou Melbourne?… Cruzes… xenofobia mais miopia = pobrema. 🙂

        Curtir

      • No grande centro de Sydney há poucas árvores e prédios do triplo do tamanho de qualquer prédio novo aqui de POA. Melbourne tem algumas vias bem arborizadas e outras nem tanto.

        Queres dados? O site da prefeitura de POA diz que POA tem 1,3 milhão de árvores, 170 espécies:

        http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smam/default.php?p_secao=9

        O site de Sydney diz que ela tem 29500 árvores, 120 espécies:
        http://www.cityofsydney.nsw.gov.au/environment/treemanagement/StreetTrees.asp

        Podias ao menos fazer o tema de casa antes de dar uma de espertalhão!

        Curtir

        • Não estou comparando número de árvores em website, até porque qualquer semi-analfabeto em administração pública australiana saiba que “Prefeitura de Sydney” envolve só a região central, com todo o entorno imensamente arborizado sendo administrado por regiões que não constam do teu site, bem como não elencam as dos parques naturais que permeiam o conglomerado urbano. O que estou dizendo é que a mentalidade tacanha de quem defende botar árvores abaixo pra fazer prédio é coisa do século XIX e de país de quinto mundo. Basta comparar o urbanismo que se pratica lá, cá e nos outros grotões “em desenvolvimento”…

          Curtir

        • E qualquer semi analfabeto sabe que o site da prefeitura de POA não está incluindo parques também! Vais querer contar cada árvore de Penrith nesse número e dizer que isso é urbanismo? Aquilo é bem dizer uma floresta enorme com uma cidadezinha de 10mil habitantes no meio.

          Notaste que a discussão aqui é muito mais sobre poda do que qualquer outra coisa? Ainda bem que nem todos acham que mato é igual a urbanismo, e graças a isso temos uma praça da alfândega um pouco mais decente com a reforma.

          Tacanho é achar que uma praça no centro de POA deve ficar toda arrebentada por que uma vida de uma árvore é valiosíssima. Estou falando UMA árvore. E quem dera que o urbanismo de Sydney existisse aqui, não passa nem perto graças ao nosso maravilhoso plano diretor.

          Curtir

  2. Votação 26 a favor e 1 (esse mesmo vereador das empreiteiras) contra. Dá uma idéia sobre se o projeto é pertinente ou não. E quanto a essa ONG “ambiental”, de quem ninguém no meio ambientalista jamais ouviu falar… francamente… Porto Alegre tem de se orgulhar de ter uma gestão ambiental que proteja a qualidade de vida, e varrer esses entulhos pseudo-desenvolvimentistas pra fora da política municipal.

    Curtir

    • Dá uma ideia de como nossos políticos são demagogos, isso sim. É moda defender o verde, então aprovam leis ABSURDAS, como essa. Logo ali adiante terão de alterar a lei, podem anotar, porque ela será sim um obstáculo ao desenvolvimento e as transformações naturais da cidade do tamanho de Porto Alegre.

      Curtir

    • Exato, Julião. Assim como ficam fazendo ciclovias mal feitas só para jogo de torcida, demagogia pura.

      E em relação a ONG, quais são as reconhecidas no meio ambiental? Aquelas que dão abraços no guaíba para preservar a mata nativa do aterro?

      Curtir

  3. Se houvesse bom senso, esta lei não seria necessária. Se houvesse bom senso, arquitetura histórica não ficaria escondida atrás de árvores, postes, outdoors. Se houvesse bom senso, nenhuma construtora eliminaria um belo espaço verde em troca de um “pombal” de concreto. Progresso é bom senso e harmonia social. Mas que parece uma utopia nessa cidade, onde tudo é 8 ou 80.

    Curtir

    • Não sei por que tanto discurso de terra arrasada. POA tem bastante árvores, e como comentei antes ao menos meu bairro é mais arborizado hoje do que quando me mudei, há 10 anos. E podar as árvores de algumas ruas não vai matá-las. Vejam como a praça da alfãndega melhorou com a poda. Por mim até podiam podar um pouco mais.

      Eu acho mentalidade 8 ou 80 essa que muitos defendem, de que cada árvore salva é como se fosse uma vida humana salva, tá louco…

      Curtir

  4. Só pra lembrar que aqui não é o lugar pra ofender ninguém. Manerem nos comentários, se não quiserem ver eles sendo deletados. Ja deletei 2 neste post.

    Curtir

    • se tu deletou pode ‘desdeletar’ e colocar pra ver o que a galera acha…vê se não foi só tu que se ofendeu?

      Curtir

  5. E’ que o pessoal confunde desenvolvimento com dar carta branca para construtoras erguerem pombais de 200 “quartinhos de empregada”…

    Curtir

  6. Vivemos bradando ‘A Amazônia é nossa’! e querem cortar as ÁRVORES, com os cantares de mil pássaros em nossa frente? Não consegui juntar o quebra-cabeça! Chega de espigões! Queremos chão, grama, bosta, aranhas, grilhos por perto! Sapos! Quem já viu um belo-feio sapo ao vivo, em cores??? Que ABSURDO nascer, crescer, envelhecer e morrer em caixões! Vade Retro Construtoras e cortesãos!

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: