Assembleia aprova criação de estatal dos pedágios

Empresa administrará as praças das estradas gaúchas a partir de 2013

Foi aprovado na Assembleia Legislativa, na noite desta terça-feira, por 31 votos a nove, o projeto de lei do Piratini que cria a Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), que passará a administrar os pedágios estaduais a partir de 2013. A emenda que atende às sugestões da bancada do PDT também foi aprovada, por 35 votos a 12. Quatro deputados da oposição foram favoráveis à emenda pedetista: Álvaro Boessio (PMDB), Adolfo Brito (PP), Mano Changes (PP) e Silvana Covatti (PP).

Os governistas festejaram a aprovação em plenário e pelo Twitter. O líder do governo, Valdeci Oliveira (PT), definiu o dia de ontem como histórico. “A aprovação fortalece a tese do governo de mudar o modelo atual”, declarou o petista. “Esse é só o princípio da mudança. Os pedágios comunitários se fortalecem, mas as concessões atuais seguem até o encerramento dos contratos”, twittou Marisa Formolo.

O debate do projeto, que se estendeu por mais de seis horas, estragou os planos para a noite do Dia dos Namorados de alguns deputados. Chegou a ser sugerido, na reunião de líderes, que a votação das matérias fosse dividida (metade seria votada hoje e as demais nesta quarta) para que os parlamentares pudessem deixar o plenário mais cedo. A sugestão não obteve acordo.

Correio do Povo

___________________________

Comentário pertinente do Fernando Albrecht, do Jornal do Comércio:

Parada total I

Para onde exatamente o Estado quer ir com a criação da EGR é um mistério, a não ser que o objetivo seja exatamente esse. O pacote do Palácio Piratini veda qualquer contrato futuro com empresas privadas que queiram investir em rodovias. Só pode ser pedágio comunitário. Então a consequência imediata é a morte da rodovia ERS-010, estrada vital para evitar parada total na Região Metropolitana.

Parada total II

Todo e qualquer investimento futuro só terá a financiá-lo os níqueis que pingarão nas praças administradas pela nova estatal. Não se pode nem imaginar que o Estado vá atender à demanda rodoviária atual, o que dirá nos próximos anos. No caso da ERS-010, paralela à BR-116, o Governo do Estado precisaria arrecadar R$ 2 bilhões, que é o custo projetado, afora os R$ 155 milhões em desapropriações. Então não dá para entender.



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:, , , ,

14 respostas

  1. Eu li melhor no Sul21 sobre essa estatal dos pedágios… Eu não concordo com mais um órgão para fazer o que já é de obrigação do estado, mas uma coisa tenho que concordar…. As concessões terminam no ano que vem e o governo está se antecipando para o fato, e isso é interessante!

    Vamos ver no que vai dar, espero que não se crie estatal nenhuma, isso seja apenas para alvorotar a sociedade e os políticos para o fim das concessões no ano que vem, independentemente de ser para nova concessão ou o estado assumir.

    O que não dá para fazer é como fez a Yeda que foi pega de surpresa e simplesmente jogou para a união.

    Curtir

  2. E o povo fica aqui, sentados, quietinhos, lendo os comentarios no blog…e nada de protestar e quebrar tudo!!
    Cada povo tem o que merece!!

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: