Anita Garibaldi terá extensão até a João Wallig

Jornal Metro – Porto Alegre



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:, , , ,

80 respostas

  1. Se estivéssemos fazendo o melhor, então estaríamos melhores.

    Curtir

  2. Podiam fazer uma alça subterrânea na Anita que entrasse na Carlos Gomes sentido Aeroporto para evitar transformar a região da Praça Japão num trânsito infernal.

    Tá, mas voltando pra realidade… tomara que façam ligações decentes para pedestres entre as calçadas da Anita para que não se precise entrar em labirintos de túneis como na Carlos Gomes x Protásio. Sério, não funciona. Seria muito melhor se o trânsito de pedestres continuasse no nível da Carlos Gomes, diminuindo o minimizando o impacto das mudanças.

    Curtir

  3. Bicicleta é legal e tudo mais, mas really? Em Poa não vai pegar tão cedo, não se cansem discutindo aí. Nunca na vida que meu pai de quase 50 anos iria da zona sul até o centro andando de bicicleta! haha Muito menos eu da zs até a PUC. PODEM NEGATIVAR, mas no fundo vocês concordam.

    Curtir

    • Me mostre que os engarrafamentos de PoA são formados por carros que cruzam a cidade inteira que eu aceito o teu argumento. Caso contrário é só mimimi

      Curtir

    • Lucas, “pegar” não significa que todos vão se deslocar somente de bicicleta. É óbvio, ninguém acredita nisso.

      Curtir

  4. Pessoal, olhem só, nesse vídeo, o caos na mobilidade urbana de Amsterdã:

    Curtir

  5. Pô Olavo mais imposto? eu ando a pé na maior parte das vezes em Poa, moro no bairro Rio Branco, perto de tudo, mas trabalho no interior de Guaíba, vamos combinar que fica difícil trabalhar de bike, são 50km de chão para ir mais 50km para voltar, preciso do meu carro para trabalhar, gostaria de poder ir de ônibus, só que os horários são muito ruins e poucos (para o lugar onde trabalho) menos ódio contra os motoristas de carro, acho que estão generalizando, querem andar a pé? andem de bicicleta? andem mas de ônibus em PoA vamos combinar que é muuuito ruim. É muita demonização contra o carro, parece luta de classes, que coisa mais antiga, cada um anda no que quiser, desde que respeite o outro, e antes que façam apologia a bicicleta, já fui ciclista, larguei a bicicleta a uns 10 anos por amor a minha vida, porque o perigo não está só no motorista de carro particular, mas principalmente nos motoristas de ônibus que em função do tamanho, não respeitam ciclistas.

    Curtir

    • Não é correto demonizar o carro. Ele foi e continuará sendo sinônimo de liberdade. O que é necessário é eliminar imediatamente a associação que é feita do transporte público com a classe baixa. Trato mais disso nesse texto:

      http://trilhos.maodupla.org/2012/06/20/trem-mobilidade-eficiente/

      Vide a seção “Vantagens específicas para o transporte interurbano”.

      Curtir

    • No meu entender não precisa de mais impostos para financiar investimentos em obras viárias e em sistema de tranporte de massa qualificados (diga-se trens e metrôs).

      Numa conta rápida: no Brasil atualmente são vendidos 3,5 milhões de automóveis a um custo média, digamos, de 40 mil reais e com uma carga média de impostos por volta de 30%. Só aí temos 35 bilhões de reais arrecadados (sem contar a venda de caminhões e õnibus, muito mais caros). Soma-se a isso o icms sobre autopeças e carros usados, bem como o ipva, esse valor deve dobrar, o que dá 70 bilhões de reais. Ainda tem toda a cadeia dos combustíveis que devem gerar um valor parecido de impostos, são mais 70 bilhões de reais.

      Ou seja, facilmente a cadeia automotiva gera 140 bilhões de reais em impostos (deve ser mais porque parece que só a indústria automobilística responde por 10% do PIB brasileiro). Se aplicados 10% disso (14 BI) na manutenção das vias urbanas e interurbanos, outros 10% na criação e modernização de novas vias; ainda 10% em metrôs e VLTs urbanos e outros 10% em trens regionais interurbanos, sobrariam 60% para outras “prioridades” do Poder Público.

      Curtir

  6. Agora quero ver fazer a Times Square ficar pra sempre com o transito fechado para carros.
    Quero ver o que acontece…
    haha

    Curtir

  7. Jorge, por mim poderiam fazer um super hiper big dig por toda a Porto Alegre, seria uma maravilha ver a superfície livre dos carros, só um detalhe faça com o dinheiro dos motoristas não das pessoas que só usam transporte público ou andam a pé e de bicicleta. É só criar um imposto para circulação de carros e pronto, vamos ver quanto tempo dá para juntar o dinheiro. Olhem em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Big_Dig

    Eu não consigo ver a relação entre a trincheira da Anita e a tal obra, a não ser o dinheiro que é público nos dois casos.

    Curtir

    • Criar imposto? O IPVA vai pra onde?

      Curtir

      • Taxas específicas para o uso do carro, exatamente para criar uma limitação de uso. O IPVA é um imposto pela propriedade e não pelo uso e com certeza não é suficiente para pagar toda a infraestrutura necessária para o carro e remediar os males causados por ele (mortes, feridos, saúde, poluição, tempo perdido, stress, etc.)

        Curtir

  8. Falando da obra agora, não entendi direito esse novo traçado. O final da Carlos Legoni vai virar Anita e ela vai tomar parte do Country Club? Se der sorte, tiram até uma favela minúscula que tem no meio do caminhos.
    p.s: infelizmente, olhando pelo google maps, notei outra favela surgindo com umas 5 ou 6 casas ao lado do Bourbon Country, na João Wallig. Triste essa situação, verdadeiro roubo da propriedade que alguém lutou para possuir.

    Curtir

    • “VOP”, nem todos tiveram o mesmo ensino e educação que tu e, portanto, nem todos tiveram as mesmas oportunidades que tu. Por causa disso, muitos não fazem o que querem. Fazem o que conseguem fazer. E, podes ter certeza, um barraco numa encosta que desliza na primeira chuva é o melhor que muita gente consegue fazer. Infelizmente. Ainda. Hoje.

      Te convido a te engajar no que puderes para tentar mudar isso: http://maodupla.org/missao – seja bem-vindo!!! =)

      Abraços.

      Curtir

      • Com todas as falhas no sistema de ensino e educação (na verdade, vai muito além disso), os que negativaram realmente acham que todos têm as mesmas oportunidades de ensino e educação? O mesmo potencial de escolha do trabalho?

        Se sim, quem construiu o barraco na encosta ou em área invadida, fez por que quis, afinal é mais “emocionante”?

        Curtir

  9. Olavo, em nome da honestidade, vc poderia ter citado tbem. os elogios que o Peñalosa fez ontem ao “Big Dig” em Boston, quando se decidiu acabar com aquele minhocão a céu aberto e escavar um gigantesco novo leito para a Central Artery (ou Int. 93), dando novamente fluidez ao tráfego e devolvendo parte da cidade aos bostonianos. Assim, toda esta celeuma por causa de uma reles “trincheira” na Anita não passa mesmo de chilique de provincianos que, triste notar, não conseguem se livrar de seu crônico e enfadonho egoísmo.

    Curtir

    • No caso de Boston, a obra, (que custou cerca de U$ 22 bilhões) tirou uma rodovia do meio da cidade e colocou-a pra baixo da terra, devolvendo parte da cidade pros bostonianos (como você disse), liberando um espaço enorme para convívio e transito interno de carros, pedestres, etc.
      No caso de Porto Alegre essa trincheira e outros projetos similares pioram a acessibilidade da cidade a pedestres e usuários do transporte público (reduzindo calçadas, dificultando travessias), prejudicam o comércio local e a vida de calçada aumentando a necessidade de deslocamento das pessoas. E, apesar de talvez resolvam (temporariamente) o problema de congestionamento naquele ponto, vão piorar o problema do trânsito da cidade como um todo, como já foi falado aqui

      Curtir

      • Vai ter calçadas, ninguem disse que vão tirar… alias, vai continuar com a mesma quantia de pistas, porem, sem sinaleira, só isso.
        Comercio local?
        Mas não estão reclamando por ser uma area residencial?
        haha

        Transporte publico no meio de um cruzamento?
        E eu achando que os onibus iriam ganhar tempo evitando de parar na sinaleira.

        Curtir

        • Eu também não disse que vão tirar calçadas, mas que vão reduzir.

          Vai continuar tendo sinaleira porque os pedestres vão continuar tendo que atravessar a Carlos Gomes pra chegar no outro lado ou na parada de ônibus que fica no centro. Claro que vão fazer com que o tempo de espera do semáforo de pedestre seja enorme pra que os carros possa fluir mais. Ali tem um bom movimento de pedestres que vai ser prejudicado.

          Na Anita realmente não tem quase comércio, mas na Carlos Gomes tem.

          Curtir

    • Jorge, eu diria que egoísmo é pensar no individual ao invés de trabalhar na promoção de uma mudança urgente que é passar a pensar no coletivo.

      http://maodupla.org/missao – Seja bem-vindo!!! =)

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: