Metrô de Porto Alegre está orçado em R$ 2,4 bilhões

Maquete mostra como ficará a estação da Rua da Praia do futuro metrô da Capital. Acima, outro detalhe do projeto apresentado pelo coordenador Luís Cláudio Ribeiro

Considerada uma das principais obras de mobilidade urbana de Porto Alegre, o metrô subterrâneo, orçado em R$ 2,4 bilhões, será interligado com o transporte coletivo da cidade e da região Metropolitana. O traçado da primeira fase do metrô seguirá da rua dos Andradas à avenida Assis Brasil, nas proximidades da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). Neste ponto, da zona Norte da Capital, está prevista a desapropriação de uma grande área para a construção do pátio de manutenção e da central de operação e controle do sistema.

De acordo com o coordenador do projeto MetrôPoA e Sistema BRT, Luís Cláudio Ribeiro, o terreno a ser desapropriado fica próximo da Fiergs, quase na divisa com o município de Cachoeirinha. “Na área, será construído um espaço para manutenção e controle do metrô. Já estamos no início das negociações porque as áreas pertencem aos governos estadual e municipal”, comenta. Na avaliação de Ribeiro, a primeira fase do metrô não deverá demandar muitas expropriações.

Ribeiro enfatiza que o escritório – responsável pela implantação do metrô da Capital – já contará, a partir da próxima semana, com técnicos de diversas secretarias, que estarão diretamente envolvidos nos projetos de transportes do metrô e do BRT (Bus Rapid Transit).

Além dessas equipes, formadas por engenheiros, arquitetos, administradores e advogados, alguns técnicos da Trensurb e da Companhia do Metropolitano de São Paulo – Metrô também farão parte das discussões sobre a construção do metrô da capital gaúcha. “O objetivo é começar a tratar da elaboração do edital de licitação, do detalhamento dos projetos básicos e executivos, da fiscalização da obra e, futuramente, da operação e dos projetos futuros”, observa o coordenador.

Segundo ele, o trecho crítico para escavações deverá ser a avenida Farrapos. “Existem ali muitas variações de solo não apropriadas para escavações. De qualquer forma, tudo isso já foi considerado nos custos do projeto”, acrescenta o responsável.

Levantamentos topográficos da década de 90, feitos pela Trensurb, que opera o transporte de passageiros por trens no eixo Porto Alegre-Novo Hamburgo, deverão serão considerados no momento das escavações. “No edital, quando for definida a empresa responsável pelos projetos, solicitaremos trabalhos de sondagem do solo, principalmente na área mais preocupante, na avenida Farrapos”, explica Ribeiro.

Luis Cláudio Ribeiro Coordenador do projeto MetrôPoA

O traçado do metrô será no leito viário dos corredores de ônibus da Assis Brasil e Farrapos, exatamente para minimizar os impactos.

Criação de 2 mil postos de trabalho

A expectativa do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de Porto Alegre (Sticc) é de que sejam criados 2 mil postos de trabalho com a construção do metrô da Capital. Para o presidente da entidade, Valter Souza, o mercado da construção civil gaúcho está em alta com a realização de obras, como a Arena do Grêmio, a reforma do estádio Beira-Rio e a construção da BR 448.

Parque ficará perto da Fiergs Crédito: VINÍCIUS RORATTO

Além disso, ressalta que o metrô vai contribuir para reduzir os congestionamentos no trânsito e o tempo de permanência dos trabalhadores nos terminais de ônibus, principalmente os que residem na zona Norte. “Hoje, um trabalhador da construção civil necessita sair de casa às 5h para conseguir chegar às 7h no trabalho. Com o metrô, a tendência é diminuir este tempo”, projeta. O dirigente lembra que o sindicato representa em torno de 12 a 15 mil trabalhadores da Capital e região Metropolitana. Já o presidente do Sindicato da Indústria da Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplenagem do Rio Grande do Sul (Sicepot), Nelson Sperb, estima que deverão ser criados 8 mil empregos. “As obras, além da abertura de postos de trabalho, vão contribuir para modernizar Porto Alegre e acabar com esse conservadorismo latente no Rio Grande do Sul de que nada pode se propor em termos de obras de infraestrutura”, acrescenta.

De acordo com o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Heitor Müller, o grande mérito do metrô, além da geração de empregos, é retirar os veículos do Centro. “Na Europa, as pessoas estacionam seus veículos nas estações e utilizam o metrô. Esse modelo pode se repetir na Fiergs, com os moradores de Cachoeirinha e Gravataí deixando o carro na estação e indo até o Centro de trem”, comenta. Müller ressalta que é necessário iniciar as discussões sobre a extensão da linha para outros pontos de Porto Alegre. “A zona Sul da Capital e Viamão, em função dos projetos habitacionais direcionados para essas duas regiões, necessitariam dessa opção de transporte”, sugere.

As 13 estações

1. Rua da Praia com Borges de Medeiros/2. Rua da Conceição/segue pela Farrapos e ali fica a 3. Ramiro Barcellos/4. Félix da Cunha/5. Cairu com Farrapos. Segue rumo à Assis Brasil, onde será a 6. Bourbon/7. Obirici/8. Cristo Redentor/9. Triângulo/10. Dona Alzira/11. Sarandi/12. Bernardino S. Amorim e 13.Fiergs.

IAB diz que é necessário qualidade

Para o presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/RS), Tiago Holzmann da Silva, o metrô de Porto Alegre é uma obra planejada há bastante tempo e por isso necessita ser implantada com qualidade. A ideia dos arquitetos gaúchos é de que os projetos das estações porto-alegrenses não sejam simplesmente paredões de concreto. “A realização do concurso público é o caminho para garantir a qualidade do metrô. Não queremos que o trem seja meramente um local de embarque e desembarque de passageiros”, comenta o dirigente.

Silva defende a realização de um concurso nacional para que cada estação seja projetada por um arquiteto diferente. “As equipes também seriam responsáveis pelo entorno das estações Centro, Farrapos, Cairu e Assis Brasil”, acrescenta. Segundo ele, a realização de um concurso público para o metrô propicia a criação de espaços de qualidade através de um processo democrático e transparente na escolha da melhor proposta para as obras. “Com a elaboração de um projeto de arquitetura, as estações poderão se transformar em roteiros turísticos e poderão ser visitadas. Não queremos que as estações do metrô se transformem nos terminais de ônibus da cidade, que são verdadeiras ruínas”.

No debate no IAB/RS que tratou do tema, o coordenador do projeto Metrô PoA e BRT, Luís Cláudio Ribeiro, destacou que os principais objetivos com a obra são a reurbanização e o paisagismo das avenidas Assis Brasil, Farrapos e Centro. Além disso, a intenção é utilizar o espaço dos corredores de ônibus para uso de modais não motorizados, como ciclovias e passeios de pedestres. A previsão é que a obra do metrô se inicie em 2018 e gere mais de 2 mil empregos.

Características do metrô subterrâneo

  • Capacidade: 1.080 passageiros;
  • Velocidade média (hora pico): 35 km/h;
  • Velocidade máxima: 80 km/h;
  • Intervalo entre viagens estimada (hora pico): 2 minutos;
  • Demanda prevista: 22 mil passageiros/hora/sentido;
  • Demanda diária prevista: 310 mil passageiros por dia;
  • Capacidade máxima: 40 mil passageiros/hora/sentido;
  • Extensão do metrô: 15 quilômetros e 13 estações ;
  • Composição (trem) formada por quatro carros, transportando em média 270 pessoas cada um.

Licitação sairá no 2º semestre

O diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, ressalta que depois de definido o modelo de financiamento da obra, até o fim de julho, será encaminhada a licitação para a execução da obra.

“Com o modelo financeiro definido no segundo semestre deste ano, as obras do metrô poderão começar em 2013”, assinala. Uma das opções apresentadas à União é a concessão subsidiada. O modelo prevê que o valor de R$ 2,4 bilhões será dividido entre as três esferas de governo e a iniciativa privada.

CORREIO DO POVO



Categorias:Metro Linha 2

Tags:, ,

38 respostas

  1. E qlé a desse mapa sem LEGENDA??
    Que tal um semestre de curso de Geografia, ou mesmo ir às aulas no colégio?

    Curtir

  2. Bem, o tal concurso ja’ nos brindou com uma ciclovia horrivel e mal formulada, sem passeios para pedestres e com materiais porcos que ja’ estao caindo aos pedacos na Ipiranga… vamos ver o que nos arrumam para o Metro.

    Curtir

    • Quem projetou e está enfiando goela a baixo essa ciclovia da Ipiranga é o grupo Zaffari com a colaboração da EPTC (e seus politicos da prefeitura). A sociedade (bem como os ciclistas) nada tem a ver, não foram (e nao estão sendo) consultados.

      O concurso promovido pelo IAB foi de “ideia”. Ganhou a ideia do guarda corpo. Na implementação ocorreu problema tecnico (que a EPTC está resolvendo).

      Essa obra foi feita no pior local possível, tem muitos problemas de dificil solução. Isso se tiver solução.

      Daqui uns meses os cidadãos porto alegrenses que utilizam carro naquela região vão ver os problema que irá causar ao trânsito. Claro, isso só depois da eleição, pq se inaugurar antes “o prefeito não se reelege” (frase muito utilizadas por políticos e técnicos da prefeitura)

      Curtir

  3. Acho que 2018 seria a finalização…

    No mundo usam aquela maquina monstro pra fazer essas obras com agilidade, aqui vão fazer como se fosse um cano de água numa rua..
    haha

    Agora sim Porto Alegre vai parar… mas tudo bem, é um mal que vem pelo bem.

    Curtir

    • Guilherme, aquelas máquina não dá pra usar em todos os tipos de terreno. Deve ser o caso de Porto Alegre.

      Curtir

    • Como o traçado segue o caminho das avenidas, acho que farão o metrô como a mais cem anos atrás: Abre um buraco, coloca os trilhos e fecha com uma lage.

      Não sei se vai ser o caso, mas onde tem esses metrôs antigos próximo da superfície e dá para sentir a vibração nos prédios próximos.

      Curtir

      • Sob a Farrapos e Assis Brasil, tudo bem (quer dizer, tudo bem não, pois vai dar um trabalho danado para moradores e passantes), mas será que na região central de Porto Alegre isso seria possível?

        Curtir

      • Ouvi falar que aqui será exatamente essa técnica. Chama-se cut and cover se não me engano. Ou seja: Abre o buraco a partir da superficie e depois “tapa”.

        Curtir

      • Quem vai definir qual o método de escavação do túnel será a empresa vencedora da licitação da PPP. Obvio que vai fazer pelo método mais barato. Pelo que sei, o mais barato e escavar, retirar material e depois tapar. O famoso tatusão (que o metrô de SP utilizou) acho que fica mais caro.

        Também tem questões técnicas, como por exemplo o tunel ser embaixo do nivel da água (principalmente na região mais próxima ao guaíba). Pelo que entendi o pessoal tem 18 meses (que ja está andando o tempo) para fazer o projeto. Pra depois a empresa achar que vale a pena entrar na licitação da obra (lembrando que a empresa receberá R$ 2,4bilhões e não poderá fazer nenhum aditivo para receber mais – alem dos 30 anos recebendo o valor das passagens).

        E já vamos ver os 4 ou bem mais (Recife já está em 12 anos) para a total construção do metro, como vai ser nosso transito no local das obras.

        Curtir

  4. Como assim Correio do Povo, que história é essa de iniciar as obras em 2018?!?!?!??? É isso mesmo???

    Curtir

  5. É impressão minha ou nesse ‘sistema integrado’ não aparece o Catamarã, e sim linhas de ônibus?

    Curtir

  6. Espero que desapropriem alguma das favelas que tem perto da Fiergs, seria um bom up pra região, ainda mais pra questão de segurança, por que ja vi muito morador comentando que invadiram suas casas e correram para as favelas da região.

    Pelo que vi, gostei, a maquete da estação da rua da praia parece bonita, nada exagerado, simples e bonita, se a população cuidar, é claro, vai ficar supimpa.
    haha

    Curti a idéia de uma estação direto no bourbon, poderia ter outra no terminal triangulo, isso ja eliminaria 99,999% dos onibus dos corredores da região.

    Curtir

    • Oi Guilherme.
      Qual é tua solução pra as pessoas da favela? Enviar elas pra mais longe? Pra outro estado? Câmara de gás?
      Por tutatis!!

      Curtir

      • Camara de gás, mas acho que os governantes não teriam coragem.

        Mas umas casas populares tambem poderiam melhorar a situação das casas irregulares que ficam jogando esgoto nos corregos da região…
        Mas tudo com uma boa policia pra combater os traficantes, evitar o acumulo de lixo como acontece e os marginais.

        Curtir

  7. Sugestão para as entradas da estação Cristo Redentor: Uma delas direto no shopping Bourbon, igual a uma que existe em Buenos Aires (que também dá direto num shopping), e do outro lado, já servindo como uma passagem subterranea, na esquina da Rua Edmundo Bastian, onde existe um posto de gasolina e amplo espaço para a construção da boca da estação sem ter que demolir algum prédio.

    Curtir

  8. alguém tem a imagem maior ou link para imagem da rede integrada? gostaria de ver os detalhes

    Curtir

    • Também procurei e não encontrei…

      Curtir

    • Encontrei mapas melhores aqui:

      http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/eptc/usu_doc/revista_77-96.pdf.

      Não é o mesmo mapa, mas está em uma qualidade bem melhor.

      Olhado-os mais cuidadosamente a surpresa foi ver o metrô e BRT funcionando simultaneamente na Farrapos.

      Curtir

      • Nesse pdf não aparecem os BRTs, embora a legenda diga que sim. Ele trata todos corredores de ônibus como iguais.
        Achei legal a proposta do corredor metropolitano e bizarra a “proposta do PDDUA” de uma avenida ligando a Manoel Elias e a Lomba do Pinheiro, ignorando totalmente o Morro Santana e a área da UFRGS, bem como bizarra a proposta de um metrô em cima do traçado do BRT Bento Gonçalves.

        Curtir

  9. Algo que me desagradam no projeto do Metrô: Linhas paralelas do Metrô e do Trensurb. Soluções, desativar o trensurb liberando a orla, ou desativa as estações do trensurb dentro de PoA tornando-o uma linha rápida ou construir o metrô a partir de uma estação do trensurb.

    Algo que me agrada nesse projeto: “Reurbanização e o paisagismo das avenidas Assis Brasil, Farrapos e Centro. Além disso, a intenção é utilizar o espaço dos corredores de ônibus para uso de modais não motorizados, como ciclovias e passeios de pedestres”

    Curtir

    • Essa de integrar a linha do Trensurb com o metrô na Farrapos, desativando a linha do Trensurb nesse trecho até o centro, está muito na cara, mas não farão porque no Brasil não existe um pensamento centralizado e coordenado, visando eficiência e qualidade. Para os burocratas, metrô é um coisa e Trensurb outra, ainda mais que o metrô será administrada por uma empresa privada e o Trensurb é um empresa pública.

      Curtir

  10. OK, concordo 100% com a IAB!
    Não entendi: obras começam em 2013 ou 2018?

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: