Trensurb prevê finalizar aeromóvel até dezembro

Oskar Coester, idealizador do veículo, considera viável o prazo estabelecido para finalização JOÃO MATTOS/JC

A direção da Trensurb agendou para 20 de dezembro a conclusão do primeiro aeromóvel brasileiro. A conexão com quase um quilômetro, entre o Aeroporto Internacional Salgado Filho e a estação do trem metropolitano, em Porto Alegre, poderá ser aberta a passageiros em janeiro. O calendário foi admitido ontem pelo gerente de desenvolvimento de engenharia da estatal, Sidemar Francisco da Silva. A intenção dos executantes é cumprir a meta, após dois adiamentos devido a problemas na implantação do investimento de R$ 33,8 milhões, transformando o aeromóvel no presente de Natal para a cidade.

A etapa final do projeto será a conclusão das duas estações, situadas nas pontas do sistema e que começaram a ser construídas no começo de junho. Em agosto, a empresa que gerencia a obra, a Aeromóvel Brasil, projeta concluir a montagem da via elevada. Silva detalha ainda que, em outubro, os dois veículos de transporte (um carro para 150 passageiros e outro para 200) já estarão nos trilhos, o que permitiria dar a largada na integração com os demais componentes. No mês seguinte, a expectativa é começar a fazer os testes da automação e dos demais itens que compõem a tecnologia e operação. “Teremos mais de um mês de testes, colocando para início de janeiro a liberação. Todo sistema novo precisa de ajustes”, justifica o gerente da estatal.

A projeção do novo cronograma foi feita em reunião na semana passada entre a direção da Trensurb e a Aeromóvel Brasil, que faz a fiscalização e gerenciamento da implantação. Silva diz que não foi definido se haverá um ato oficial para marcar a entrega. “A inauguração será só quando o equipamento estiver pronto para transportar os usuários”, preveniu o gerente. Segundo o atual estágio, 79% da via elevada e dos sistemas de controle e propulsão e da composição dos trilhos estão completados, 84% da fabricação dos veículos e 7% das estações. O aeromóvel integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e é a obra mais avançada do pacote de mobilidade para a Copa do Mundo de 2014, que terá uma das sedes na Capital.

Na trajetória da execução, o mais recente aditivo ocorreu no contrato da fabricação dos veículos, que não implicou em aumento do valor, assegurou Silva. A T’Trans, que confecciona as encomendas em sua unidade em Três Rios, no Rio de Janeiro, reforçou a estrutura física dos carros, feitos de fibra de carbono, e acrescentou freios ABS. “Isso garantirá freada mais precisa. O projeto foi aprimorado”, valoriza o gerente. As melhorias ampliaram em seis meses a conclusão, que coincide com as demais etapas. O coordenador de contratos da T’Trans, Luiz Fernando Pereira, justificou que a execução é demorada pois o processo é artesanal e ainda não havia referência de construção em escala comercial no Brasil. “Aqui usamos mais aço na composição de trens, já no exterior é comum uso de fibra”, contrasta.

Já na sede da metalúrgica Coester, em São Leopoldo, estão encaixotados, à espera da transferência para a via elevada, os componentes mecânicos e elétricos do conjunto da propulsão, a ser instalado nos trilhos e que movimentará os veículos. Além disso, um protótipo do novo modelo de veículo é usado para testes. O equipamento, cujo motor foi construído em Caxias do Sul e o restante do pacote tecnológico foi montado no Rio, chegou há cerca de 15 dias em duas carretas. O volume deve-se à existência de dois conjuntos iguais, que operarão em sistema de redundância. “Se um falhar, o outro é acionado”, esclarece o criador do aeromóvel, Oskar Coester. O conjunto será instalado em cada ponta da extensão, nas estações de máquinas. O pai da tecnologia, que até hoje só foi implantada em Jacarta, capital da Indonésia, na Ásia, considera que o término da montagem em 20 de dezembro é viável, desde que nada mais aconteça fora do projetado.

Jornal do Comércio – Patrícia Comunello



Categorias:Aeromóvel, Aeroporto Internacional Salgado Filho

Tags:, , ,

11 respostas

  1. Quando sera o proximo adiamento? E o proximo aditivo? So um cego nao ve que nao vai funcionar!

    Curtir

  2. Pelo que eu lembro o aeromovel tinha previsao de inauguracao agora pra Junho….mas isso e’ Brasil!!

    Curtir

  3. Como leiga, gostaría de saber o seguinte:
    O projeto do Metrô (centro até Fiergs) quanto e quanto tempo leva para ficar pronto.
    Aéromóvel: abrangeria mais rotas, levaría menos tempo e sairia mais em conta ou estou errada…..

    Curtir

  4. Quantos trens podem ter num trilho?
    E qual o intervalo de tempo pra saida?

    Capacidade maxima?

    Dependendo vale mais a pena por varios aeromoveis fazendo o caminho do que varios onibus… mas não tem como ele substituir um metrô, obvio..

    Curtir

  5. O importante é que se terá uma linha (mesmo que pequena) funcionando comercialmente. Depois disto é só acompanhar e com custos reais de construção e operação pressionar para a expansão desta linha.

    Pergunta a quem esteja mais a par do empreendimento. Não seria mais lógico prolongar esta via pela farrapos até o centro da cidade?

    É um trajeto plano, demonstraria a capacidade do aeromóvel de conviver com outros modais sem ocupar grandes espaços e daria um enorme diferencial turístico a cidade, pois quem chegasse no aeroporto tomaria o aeromóvel e viria até o centro.

    Depois se seguiria prolongando até a zona sul! Pode ser um sonho, mas não me parece inviável.

    Curtir

    • É exatamente o que eu penso. Falar em construir muitos Aeromóveis no momento é só atiçar os marimbondos da ATP. Vamos deixar apenas um Aeromóvel funcionando por uns 6 meses ou 1 ano, depois disso a pressão política para substituir esses ônibus poluidores pela suavidade do aeromóvel será imensa!

      Curtir

    • Caro Rogério,
      A única ressalva que eu vejo na tua ideia é o fato de que a ligação para a qual o aeromóvel está sendo construído já visa esta ligação com o centro, através do trensurb. É claro que o trajeto do trem oferece atualmente pouca ou nenhuma ligação com a demiais áreas da cidade, mas certamente este seria um argumento utilizado para contrariar uma proposta nos moldes que tu falaste. Mas que a ideia é válida, com certeza é.

      Curtir

    • Acho que não tem muito sentido em prolongar o aeromóvel do aeroporto até o centro pela Farrapos. O trensurb já faz esse trajeto e, além disso, a linha 2 percorrerá boa parte da Farrapos. Acho queuma ligação com a Zona Sul e uma linha pela Osvaldo Aranha / Protásio Alves seriam prioritárias.

      Curtir

      • Haverá um BRT pela Osvaldo/Protásio.

        Não tenho certeza se já não há projeto de BRT para a Azenha, mas aí está uma área que poderia receber o Aeromóvel também.

        Curtir

  6. Tudo bem que é o primeiro (depois da tentativa frustrada no gasômetro há zilhões de anos atrás), mas é muito demorado pra um trajeto tão pequeno…Seria interessantíssimo se o aeromóvel ligasse o mercado à zona sul passando por pontos turísticos como o Gasômetro, museu Iberê Camargo, …, como já tem um projeto assim. Mas se levam tanto tempo para menos de 1 km imagine para isso! É muita burocracia e quando esta diminui surge a ineficiência das construtoras que ganham as licitações…

    Curtir

    • Não to achando as obras tão lentas depois que começaram…
      Até por que não é uma obra com urgencia ou pressa… poderia ser mais rapida, mas ai é com a trensurb..

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: