TIM, Oi e Claro estão proibidas de vender chip e modem a partir de hoje

As companhias deverão apresentar um plano de ação no prazo de 30 dias, descrevendo medidas capazes de garantir a qualidade do serviço e das redes de telecomunicações

Da Redação

A partir desta segunda-feira (23), as operadoras de telefonia celular TIM, Oi e Claro estão proibidas de vender chip e modems em vários estados do país, determinação imposta pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) por causa da baixa qualidade dos serviços ofertados pelas empresas nesses locais e o grande número de reclamações dos clientes.

A TIM está proibida de comercializar chip e modem em 18 estados e no Distrito Federal, a Oi em cinco unidades da federação e a Claro, em três.

A Superintendência de Serviços Privados da Anatel volta a se reunir nesta segunda-feira (23), às 11 horas, com a operadora Claro para tratar do Plano Nacional de Ação de Melhoria da Prestação do Serviço Móvel Pessoal (SMP), exigido pela agência reguladora para que a companhia possa voltar a comercializar chip emodem em São Paulo, Santa Catarina e Sergipe. Na terça-feira (24), as reuniões com a TIM (também às 11h) e Oi (horário ainda não confirmado) serão retomadas.

As companhias deverão apresentar o plano de ação no prazo de 30 dias, descrevendo medidas capazes de garantir a qualidade do serviço e das redes de telecomunicações, “em especial quanto ao completamento e à interrupção de chamadas e ao atendimento aos usuários”, salienta a Anatel.

A suspensão das vendas vigorará até a aprovação do plano pela Anatel. A operadora TIM recorreu à Justiça para reverter a determinação da agência reguladora.

O site da Anatel dispõe de página com contatos das operadoras para dúvidas e reclamações.

SUL 21 – Com informações da Agência Brasil

 

_____________________________

Suspensão de empresas segue durante a semana, diz Anatel

Claro encaminhou plano de investimentos ao órgão nesta segunda-feira

Apesar de elogiar o trabalho apresentado pela Claro nesta segunda-feira, o superintendente de serviços privados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Bruno Ramos, disse que a decisão do órgão de suspender as vendas de novas linhas da companhia em Santa Catarina, Sergipe e São Paulo dificilmente poderá ser revertida esta semana. “A Claro mostrou que está trabalhando com afinco no sentido de cumprir a determinação da Anatel, o que é muito bom para o setor. Vamos trabalhar em conjunto durante a semana para tentarmos chegar ao melhor plano”, afirmou, após reunião com o presidente da companhia, Carlos Zenteno.

A medida que suspendeu a venda de chips das operadoras foi anunciada na quarta-feira da semana passada. O motivo são as crescentes queixas dos consumidores em relação aos serviços dessas empresas. Juntas, as três empresas têm cerca de 70% do mercado de telefonia móvel no país, conforme a Anatel.

Segundo o superintendente, ainda não há prazo para a retirada da suspensão. De acordo com Ramos, as propostas encaminhadas pela operadora precisam de mais detalhamento, principalmente quanto à projeção de aumento e atendimento à demanda nos próximos dois anos. “Isso tem a ver também com os planos de serviço e a estratégia de marketing da empresa”.

Além da Claro – punida em três Estados – a Oi foi suspensa em cinco e a TIM em 19 unidades da Federação. No Rio Grande do Sul, apenas a Oi está impedida de vender novas linhas telefônicas. Ramos informou que todas as empresas distribuíram avisos sobre a suspensão das vendas a partir desta segunda-feira e a fiscalização da Anatel ocorrerá nas centrais de habilitação das companhias. O órgão se reunirá com a TIM na terça-feira, às 11h, e com a Oi, no período da tarde.

Claro terá que apresentar mais dados sobre tráfego

Após a reunião, o presidente da companhia, Carlos Zenteno, afirmou que deve enviar novos dados ao órgão ainda nesta segunda-feira. “A reunião foi positiva, mas a Anatel pediu novos detalhamentos de crescimento de tráfego nos próximos anos, considerando grandes eventos e considerando as ofertas e promoções da Claro. Hoje mesmo vamos confirmar os dados e detalhar informações adicionais”, disse o executivo.

Segundo ele, além dos investimentos previstos na rede para os próximos dois anos, a Claro apresentou um plano de ações, com a ampliação da plataforma de fornecedores e com a implementação até setembro de um novo sistema de remanejamento das ligações da central de atendimento. “É importante destacar que estamos cumprindo todos os indicadores de qualidade de rede. A Claro teve problemas pontuais e específicos no call center, com problemas nas entregas de alguns fornecedores”, alegou Zenteno.

O presidente da Claro disse ainda que a empresa já tem prejuízos com a proibição de venda novos chips desde a 0 hora de hoje em Santa Catarina, Sergipe e São Paulo. “Deixar de vender é muito crítico para qualquer companhia. Por isso temos a expectativa de que a situação seja resolvida no curto prazo, sobretudo porque a Claro teve, desde sempre, uma postura proativa. Fomos a primeira companhia a apresentar planos e esperamos ser também os primeiros a resolver a situação”, concluiu.

Correio do Povo



Categorias:Outros assuntos

Tags:, , , ,

13 respostas

  1. Claro e tim porfavor andem logo presiso comprar um chipe novo valeu um abraço

    Curtir

  2. Só para constar, hoje, dia 24 de julho de 2012 na estação Canoas do Trensurb, estavam sendo vendidos chips da Claro e da Oi normalmente, pelos representantes/vendedores de ambas companhias, com seus famosos ” púlpitos” com as marcas das mesmas estampadas e anunciando em voz alta: “Chip da Claro por 2 reais com créditos e bonus!”, “Chip da OI na promoção(sic)”. Pra quem quizesse ver, e ouvir.

    Curtir

  3. Parece que a ANATEL, a responsável pela fiscalização e funcionamento do sistema no País, de uma hora para outra não pode mais esconder embaixo do tapete reclamações de milhões de usuários acabando por ter de denunciar o rombo nacional… Incompetência? Favorecimento? Que tal uma CPI?

    Curtir

  4. A telefonia no Brasil está muito atrasada em relação à América do Norte, Europa e Ásia.
    Certamente as nossas teles não são santas, mas também não podemos canonizar a ANATEL. Recomendo esse texto do Sardenberg:
    http://rodrigoconstantino.blogspot.com.br/2012/07/contra-o-consumidor.html
    ” …no outro lado da história, os executivos das teles notam que as sete licenças necessárias para levantar uma torre em Porto Alegre não são concedidas em menos de seis meses, isso se a burocracia funcionar perfeitamente…”
    “…Além das normas nacionais, há mais de 250 legislações estaduais e municipais, criando uma teia de entraves…”
    Na minha humilde opinião a culpa é tanto das teles quanto dos governos municipal, estadual e federal. Cada um puxa de um lado, querendo garantir a sua fatia, sem pensar no consumidor, e no fim das contas, vence o jeitinho brasileiro.

    Curtir

    • As teles tem razão na sua queixa sobre o 4g. No mais, só vejo mimimi. Quer saber por que? Tem áreas aqui de POA que nunca tiveram cobertura decente, 6 meses não é tanto tempo se eles tiverem um mínimo de planejamento. Conheço lugares assim sem cobertura no bairro Cristal, no início do morro Santa Tereza, ou seja, do ladinho do barra shopping. Não tem lei municipal que impeça eles de botarem uma antena ali.

      E enfim, a desculpa de POA deixou de valer, pois o problema acontece no país todo.

      E estão se queixando de burocracia? Bem vindo ao nosso mundo, dos reles mortais brasileiros.

      Curtir

      • Nem tanto mimimi assim:
        http://www.baguete.com.br/noticias/telecom/15/12/2011/porto-alegre-sem-4g-para-a-copa
        “…Siqueira se refere à lei 8896, que regula as instalações de ERBs no município. À época, relembra o vereador Beto Moesch (PP), um dos autores do projeto, Porto Alegre vivia o chamado “efeito paliteiro”, com ERBs em torres sendo erguidas diariamente. Após “extensos debates”, como descreve Moesch, optou-se pelo projeto atual, que, segundo críticos, é cauteloso demais. Porto Alegre preferiu adotar o padrão suíço, um dos mais restritivos, em vez do brasileiro, para manter-se mais “segura” com relação aos níveis de radiação…”

        Curtir

        • Gabriel, tu leu mesmo o artigo que colaste aqui? Ele é sobre 4g, o único caso que eu concordo que eles tem razão em se queixar. E não tem nada a ver com os bloqueios que o procon promoveu, que são devido a cobertura mesmo. Ou achas que na Suíça eles não tem cobertura perto do centro das grandes cidades?

          Curtir

        • Sim.
          O objetivo do segundo artigo era mostrar mais da lei que restringe a instalação de antenas em PoA, que foi apenas citada no primeiro. Este artigo em questão é especificamente sobre o 4G, mas não é apenas o 4G que é afetado pela legislação, como foi dito no primeiro artigo. Se falta antena, falta sinal. Para todos os serviços.
          Não sei responder sobre o bairro Cristal, mas provavelmente esse problema tem relação com o que foi dito no primeiro artigo: “…Além disso, mesmo quando saem as licenças, fica proibido colocar torres e antenas em tal número de locais que não há como evitar as “zonas de sombra”…”
          Além disso, esse “medo de antenas” citado no segundo artigo se reflete também na população Tenho um colega de trabalho cujo condomínio recebeu uma proposta de instalação de uma antena de celular no topo do prédio. Na reunião de condomínio, quase todos os moradores votaram contra a instalação, por medo da radiação. Há alguns anos, um caso parecido ocorreu num prédio onde mora um parente meu.
          Essas mesmas pessoas depois vão reclamar pra ANATEL que os seus celulares não tem sinal. Entendeu o caso? O buraco é bem mais embaixo.
          Talvez eu tenha dado a entender que estou defendendo as teles, mas não estou, como eu disse no meu primeiro comentário.
          O que eu não gosto é esse comportamento de idolatrar a ANATEL e atacar as teles como se 100 % dos problemas que o país enfrenta na área fosse originado delas. Quem duvida desse comportamento que leia os comentários da Folha de SP nas notícias sobre essa proibição, ou mesmo os comentários nessa notícia.

          Curtir

  5. Eu li em alguma chamada de jornal que voltariam a vender pois aceitaram divulgar os lugares que não tem sinal. O que é justo, pois se mentiram que pega sinal e não pega, tem que proibir. Ao falar a verdade pode permitir a venda.

    Curtir

  6. Deviam fazer o mesmo com operadoras de TV por assinatura e internet banda larga. A qualidade não está tão diferente das operadoras de celular.

    Curtir

  7. Telefonia no Brasil uma grande mina de ouro, só que está faltando ouro, e sobrando consumidor.

    Curtir

  8. Tudo culpa da lei de antes de POA, ceeeeeeeerto hehehe.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: