Coleta automatizada em Porto Alegre completa um ano

Edital prevê a ampliação do serviço, com mais 1,3 mil recipientes e novos bairros contemplados FREDY VIEIRA/JC

A coleta automatizada de lixo em Porto Alegre, através de contêineres que permitem à população descartar o lixo a qualquer hora, completa um ano neste mês. A modificação do sistema de coleta trouxe facilidades para a população, como os focos específicos para o depósito de resíduos. Por outro lado, o sistema enfrenta críticas, principalmente no que diz respeito à localização dos recipientes, que muitas vezes impedem a acessibilidade dos pedestres nas calçadas.

Dos 1.300 contêineres licitados no ano passado, 1.168 estão nas ruas, 126 são reservas e seis foram perdidos por acidentes de trânsito. O Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) afirma que ocorreram vários casos de incêndio. O descarte incorreto de lixo seco, que fazia muito volume, diminuiu bastante. Além disso, o número de reclamações diárias recebidas pelo DMLU baixou de 30 para quatro nestes 12 meses.

“A nossa avaliação desse primeiro ano é positiva. Claro que no início houve problemas por desconhecimento do sistema, e alguns moradores não gostavam do contêiner na frente de suas casas, mas depois aceitaram. O Centro Histórico, que tem a tradição de foco de lixo, diminuiu  essa quantidade em 90%. Só não chegamos a 100% pela falta de colaboração de poucas pessoas”, afirma o diretor-substituto do DMLU, Carlos Vicente Bernardoni Gonçalves.

Para a implantação do serviço, o município paga à empresa Conesul Soluções Ambientais, responsável pela coleta automatizada de lixo domiciliar na cidade, R$ 508 mil por mês. “Porto Alegre não compra o serviço, ela contrata, e esse é um bom investimento. A coleta por meio de contêineres é uma evolução da tradicional, feita pelos garis”, diz Gonçalves.

Para Joelcir Soares Leite, proprietário de um mercado localizado na avenida João Pessoa, a instalação dos contêineres foi de muita utilidade. “Antes, o caminhão só passava à noite, e o lixo era guardado durante o dia nos fundos do mercado, atraindo todo tipo de insetos. Agora, nós descartamos quatro sacos de 100 litros por dia no contêiner”, afirma Leite.

A localização dos contêineres, contudo, tem sido criticada. Muitas vezes, eles prejudicam a visibilidade dos motoristas e a acessibilidade dos pedestres. O vereador Adeli Sell (PT) considera o sistema implantado na Capital muito ultrapassado.  “Nós temos, em outras cidades, ferramentas muito mais modernas para a coleta do lixo, pois elas diferenciam o destino dos materiais orgânico e seco. Além disso, depois que é colocado o lixo, ele não pode mais ser retirado, evitando as atuais sujeiras em torno dos contêineres”, relata.

O parlamentar considera que, além da falta de informação da população sobre o que colocar dentro dos recipientes, a coleta do material depositado deveria ser diária. Adeli critica ainda o local onde os contêineres foram colocados. “Quando ficam nas calçadas, muitas vezes não existe espaço para o pedestre passar. Nas esquinas, alguns são colocados de maneira que impedem a visibilidade dos motoristas. O Código Brasileiro de Trânsito define uma distância dos cruzamentos para se estacionar. Os contêineres não estão respeitando isso”, conclui.

Nos próximos dias, será aberto um novo edital de licitação para a ampliação do serviço. Serão mais 1.300 contêineres atendendo por completo a três novos bairros, Auxiliadora, Mont’Serrat e Bela Vista, e, parcialmente, outros três locais, Petrópolis, Higienópolis e São João. Os bairros Praia de Belas, Rio Branco e Moinhos de Vento, antes atendidos em parte, ficarão com o sistema completo. Após a empresa vencedora iniciar o trabalho, serão 11 locais de total atendimento na Capital.

Jornal do Comércio



Categorias:Coleta mecanizada de lixo, Meio Ambiente

Tags:, ,

15 respostas

  1. Péssimo sistema, muito caro e com vários equívocos, além destes enunciados por Adeli.
    Dificulta a acessibilidade do catador, os conteines e, poucos meses estão deteriorados, fedem muito e ainda acumulam a montanha de resíduos nas suas adjacências. Enfim, alguém deve estar lucrando muito com isto.
    Espero que acabem com esta palhaçada.

    Curtir

    • Pra mim, os catadores que dificultam o sistema de coleta.

      Ve se pode, antes de tudo, nem deveriam existir catadores, viver mechendo no lixo dos outro sem proteção alguma.

      O correto é que pretendem fazer, separar o lixo e botar os catadores para trabalharem em empresas para isso.

      Curtir

    • bom é quando as sacolas com papel higienico ficam nas calçadas….pelo amor de Deus!

      Curtir

  2. Infeliz o comentário do Adeli, ou pelo menos do jeito que foi publicado.
    Temos que agradecer e muito a essa coleta mecanizada, se entendermos que é apenas o começo! Certamente avanços virão. É óbvio que iria haver muita reclamação tanto por falhas das pessoas, como por falha da prefeitura. Acredito que ainda estamos em fase de adaptação e assim será em cada novo bairro onde for implantada a novidade.

    Ao contrário do que o lucasfeijo disse, nenhum mendigo incendeia conteiner – quem o faz é a gurizada dos “bondes”. Por sinal, alguns mendigos até dormem dentro, o que chega a ser uma situação estapafúrdia. Creio que até o trabalho dos catadores (e catador é diferente de mendigo) “melhorou”, pois agora eles estraçalham as sacolas plásticas dentro do conteiner mesmo. E creio que só vão parar de emporcalhar a cidade MESMO quando as pessoas realmente separarem o lixo. Enquanto eles souberem que tem coisa reciclável dentro do lixo comum, eles continuarão a abrir. A não ser que se ponha um brigadiano do lado de cada sacola plástica.

    Curtir

  3. O que aprendemos: os mendigos gostam de incendiar coisas.

    Curtir

  4. Hora de expandir para outros bairros.

    Curtir

  5. Bah, o sistema fez uma diferença enorme mesmo. Trabalho na região do centro e vejo como a questão da coleta melhorou nesse último ano!

    Curtir

  6. Tem que punir quem entra dentro dos containers para tirar lixo… estes infelizes fazem a maior sujeira e não limpam depois.
    Aliás, tinha que punir quem põe lixo errado lá dentro também.

    Curtir

    • Adriel, neste pais não se pune ninguém por estas coisas, aqui pode-se fazer o que quizer porque as pessoas tem pena deste tipo de gente. Pode ser algum trauma de infância, ou quem sabe por ser pobre e muitas outras baboseiras, então fica tudo assim mesmo….

      Curtir

    • Eu digo isso a muito tempo. Quando falam que os cidadão são os culpado da sujeiro da cidade, eu sempre digo que a maior sujeira é feita por alguns cidadãos: carroceiros e catadores em geral, mendigos e moradores de rua, pichadores, etc.

      Curtir

  7. Será que quando implantarem na região da Anita Garibaldi vai ter protesto também? hehehe

    Curtir

    • O barulho dos caminhões da coleta vão destruir o ecosistema fazendo com que as arvores morram…
      bóóó

      Curtir

      • Que comentário babaca este Guilherme….
        Eu leio todos os comentários deste blog, gasto um tempo, mas, muitas vezes nem comento nada por achar que não vale a pena por tantas bobagens que eu leio aqui….

        Curtir

        • 9 pessoas não acharam meu comentario babaca.

          E eu não te obrigo a ler meus comentarios…

          Outro detalhe, ja assumo faz tempo que eu me puxo pra fazer comentarios idiotas aqui no blog, na maioria pra provocar algumas pessoas com idéias pequenas… 😀

          Mas te dou uma dica, quando aparecer um GUILHERME antes do comentario, não leia… barbada assim..

          Curtir

  8. Não da pra dizer que o sistema não funcionou, por que a diferença foi gritante.

    Mas falta os conteiners para o lixo seco, acabar com os flanelinhas que espalham lixo, e tirar os mendigos de dentro dessas “casas”..

    Mas a mudança nas regiões em que foram instalados, foi grande.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: