Carta Aberta ao Governador Tarso Genro – IAB-RS

Senhor Governador,

Foi veiculado na mídia gaúcha que o Senhor, juntamente com a Secretária Estadual do Turismo, a Sra. Abigail, esteve reunido na última semana com o Arquiteto Oscar Niemeyer. A pauta noticiada, um projeto para um Centro de Eventos na capital gaúcha.

Primeiramente, parabenizamo-lo pela iniciativa de instalação de um equipamento do qual a cidade carece, frente à importância do turismo de negócios e eventos para a cidade e o Estado.

No entanto, não podemos deixar de manifestar nossa surpresa frente à notícia veiculada nos últimos dias da intenção de convidar um notório colega para a realização do projeto arquitetônico.

Será que mais uma vez o “notório saber” deve ser a solução escolhida para a contratação de projetos excepcionais? Já que lá na outra ponta, projetos para equipamentos fundamentais à sociedade, tais como escolas, postos de saúde, terminais rodoviários, entre outros, são contratados em licitações por menor preço. Que abismo de qualidade é este, incentivado por esta dicotômica prática?

A realização de concursos públicos de projeto de arquitetura, processo de seleção bem sucedido em diversas cidades do Brasil e do mundo, promove a democratização do processo e a qualificação do produto deveria ser aplicada desde os mais singelos edifícios públicos até os grandes equipamentos cujo caráter prescinde da monumentalidade.

Senhor Governador, o testemunho do potencial dos concursos públicos para promoção de uma arquitetura monumental e de qualidade estão bem a sua frente, as sedes dos três poderes do Estado: os Palácios Piratini, da Justiça e Farroupilha.

Um concurso público nacional, ou até mesmo internacional para um Centro de Eventos em Porto Alegre atrairia olhares mundiais para Porto Alegre antes ainda de sua inauguração, promovendo a cidade como incentivadora da qualificação e da inovação no trato da coisa pública.

Certos de sua sensibilidade para com a questão, e no compromisso do seu governo com a inovação da gestão pública, desde já nos colocamos a disposição para a qualificação do espaço público das cidades de nosso Estado.

Respeitosamente

IAB-RS

Enviado por Tiago Holzmann da Silva
Arquiteto e Presidente do IAB RS – Instituto de Arquitetos do Brasil



Categorias:Arquitetura | Urbanismo, Centro de Eventos do RS, Concursos Públicos para projetos arquitetônicos

Tags:, ,

37 respostas

  1. Parabéns ao IAB, que mostrou coerência e autonomia na defesa do concurso público, um instituto republicano que tem sido evitado por certos governantes, de direita e de esquerda, para beneficiarem indevidamente correligionários e simpatizantes. Os que defendiam o critério do “notável saber” por ocasião da escolha de Lerner, agora não podem criticar a escolha do escritório de Oscar Niemeyer. É a mesma coisa. Ainda estamos no tempo do “cavalo do comissário”, infelizmente.

    Curtir

  2. Acho um absurdo convidarem o Niemeyer. Sou a favor do concurso neste caso. Pena que a Voluntários da Pátria não pode mais ser utilizada como área para o Centro de Convenções, seria o ideal, mas colocaram naquela área com grande potencial para toda a cidade casa populares, que viraram uma quase favela….
    Pedro

    Curtir

  3. Acho mais razoável o ON ser contratado sem concurso do que o Lerner. Ainda mais que o último só fez um calçamento com bolinhas de gude e trocou o bar flutuante por um carrossel. hehehe, avacalhei.

    Curtir

  4. Derivando um pouco….
    Eu tinha curiosidade em saber qual seria o resultado de um plebiscito, nos mesmos moldes do fogacinha, cagão na época, quando nao peitou a questao estaleiro só, sobre esse assunto do centro de eventos. Queria saber se haveria um levante pró niemeyer/tarso como houve contra uso misto no estaleiro. Sei lá, pode parecer bobagem, mas suspeito as vezes de pura polarização política pra explicar esse bate boca improdutivo que transformou o estado no mais “politizado” (e retrógrado) do país. E nao, nao quero plebiscito. Quero concurso.
    No mais, achei ótima a carta ao governador, mas penso que a grita do iab tem que ser mais contundente.

    Curtir

    • Posso falar por mim. Votei contra o projeto do estaleiro e sou totalmente a favor de concurso nesse caso do centro de eventos. Não vejo relação de uma coisa com outra. Infelizmente ainda existem pessoas que apoiam (ou não) as ações de determinados governantes baseado no partido a que pertencem. Na maior parte das vezes os que fazem isso são petistas ou anti-petistas. Nos dois casos são patéticos.

      Curtir

  5. iniciativa bacana, porém achei a carta mal redigida, ainda mais se tratando do governador, poderia ter uma escrita mais formal pra quem sabe assim o governador realmente entender que a coisa é seria

    Curtir

  6. Boa iniciativa.
    Se quiser, o Niemeyer participa do concurso! Hehe.

    Curtir

  7. Oscar niemeyer já tem projeto pra Porto Alegre, est´na hora de dar chance pra outros. Concurso seria mais que o ideal. O Niemeyer há tempo não faz projeto de qualidade.

    Curtir

  8. Aposto que se manifestaram de tando que questionamos aqui.

    So uma pergunta, quem serao os eleitores dos projetos?
    E que na vença o que é feito de material reciclado e afins, durabilidade da ciclovia da ipiranga batendo palmas.

    Curtir

  9. Gostei de ver agora o IAB. E’ por ai.

    Curtir

  10. Uma ajudinha ao “camarada” comunista eletizado!

    Baita hipocresia, gastar milhões com o tal Niemeyer.

    O cara já ganhou o suficiente, está com mais de 103 anos, deixem pros estudantes da UFRGS, e de outras universidades brasileiras um concurso.

    Bem de qualquer jeito o dinheiro vai pra burguesia mesmo, onde vimos pobres cursando universidades públicas neste país?

    Os filhinhos de papais vão para todos os vestibulares que os tais podem bancar, aqui em Santa Catarina, por exemplo, nos vestibulares os ricos mandam seus filhos de todas as do país pra cá!

    Dissseram-me uma vez, a UFSC deveria ser chamada, não de Universidade Federal de Santa Catarina, mas Universidade Federal em Santa Catarina.

    É só entrar no campus, carrões de todos os lugares, a nata da sociedade cursando de graça o que deveria ser para o povo pobre, só em tese.

    Se eles podem pagar, que pagassem as universidades particulares e deixassem as públicas para quem não pode pagar, mas como aqui também é Brasil, os pobres não tem vez, viva o capitalismo, e o Genro dando dim dim para um comunista de carteirinha, que contradição!

    Curtir

    • Todos pagamos pela universidade pública na forma de impostos, ninguém estuda de graça.

      Curtir

      • Todos? Estás brincando! Em tese seria se a realidade fosse outra.

        Quem investe em educação neste país, é pra quem pode.

        Os pobres passam mal para sobreviverem, hipocresia dizer que é pública.

        Fosse assim, pra quê vestibular?

        Fizessem como nos EUA, as notas do ensino médio serviriam, tanto fariam se fossem de escolas públicas ou privadas, mas dessem prioridade para as públicas e da cidade e estado ue residem, para depois os de fora.

        Tente fazer vestibular numa federal sem cursinho pré-vestibular.

        Tente competir como os super-preparados dos cursinhos.

        Se não cursar, e conseguir esta proeza respondas depois, a realidade é outra, quem votou contra, não importo-me, com certeza não residem em Floripa, e não sabem o que acontece na UFSC.

        Não acovardo-me com estes, devem fazer parte da elite que pode pagar os citados e usufruem gratuitamente, enquanto quem não pode competir tem que ir via ENEM, ou pagar via Caixa as pagas.

        Por isto as tais cotas a citadas “minorias”, como afro-descendentes etc.

        Agora o tal do ENEM, todo ano tem rolo, quem não tem recursos pra pagar cursinhos nem passa nos vestibular aqui e “nem” em qualquer outra federal, fica na mão, parem com esta hipocresia!

        Em tempo, o meu filho ralou, falo por experiência, ele passou em duas públicas, é a pura realidade, aqui ao menos, sem cursinho só se for crânio!

        Curtir

        • “mas dessem prioridade para as públicas e da cidade e estado ue residem, para depois os de fora”

          Você só pode estar brincando. Como uma instituição FEDERAL poderia discriminar os cidadãos baseados em seu estado de nascimento?

          Curtir

      • Fui mal interpretado.

        Vou simplificar as coisas.

        Quem pode$$$, coloca seus filhos em que tipo de escolas primarias e secundária ou ensino médio, particular ou público?

        Claro que em colégios particulares.

        Por quê?

        Qualidade de ensino é claro!

        Quando chega a hora de escolherem o ensino superior colocam seus filhos onde? Em nenhum lugar? Não!

        Num lugar que haja ensino mais qualificado e com reforço é claro!

        Onde? Num colégio particular e também num CUSO PRÉ-VESTIBULAR, e com terceirão é evidente!

        Tudo mundo gostaria de fazer isto não é verdade?

        Por quê?

        QUALIDADE E COMPETIVIDADE para a hora do VESTIBULAR!

        Onde? Universidade paga? Não! Universidade GRATUIÍTA!

        Por quê?

        Além de ser gratuita é de qualidade!

        Bem, após este raciocínio chego a questão.

        Quem pode PAGAR e que NÃO pode PAGAR por isto.

        Se o ensino PARTICULAR É TÃO BOM, por quê não fazem numa faculdade paga?

        Ah! É muito cara! Todos dirão!

        Mas dinheiro para pagar bons colégios particulares e cursinhos, os que podem tem, então falar de barriga cheia é fácil!

        Queria ver é não ter as memas condições, aí seria disputa por igual!

        Instituição FEDERAL?

        Desde quando ela é para o povão?

        Por causa das distorções é que criaram cotas, à afro-descendentes.

        Mas cotas aos filhos de pobres, mesmo brancos, por que não?

        Deveriam criar critérios iguais para selecionar quem pode ou não pagar para ter ensino superior público.

        Engraçado.

        No ensino médio colocam nos melhores colégios particulares, por quê não o fazem quando na hora do superior?

        O governo deveria criar normas para verificar se a pessoa tem ou não condições de pagar pelo ensino superior, o contra-cheque dos pais por exemplo, só pra começar.

        Os carentes teriam prioridade, este seria método ideal, mas começam os problemas, quem ensina nas universidades públicas quer ver seus filhos onde? Numa particular? Claro que não!

        Quer de graça, mas na hora de reclamarem pelos salários, greves em cima de greves, grande revolução cultural!

        Falar em política do nosso país?

        Não é bom exemplo nesta área.

        Nossos políticos?

        O que vemos?

        Só corrupção!

        Prefiro não entrar nesta seara.

        Não critico quem pode pagar para seus filhos poderem ter acesso às Universidades Públicas, mas sim ao critério que o govêrno tem feito por dezenas de décadas, do jeito como está, elas ficaram elitizadas.

        A culpa não foi ou é das elites.

        Foi e é do governo mesmo.

        Nunca deu prioridade ao ensino público médio de qualidade, e assim os que concluem os mesmos enfrentam a desigualdade de qualificaçãol

        Aí a questão que refiro-me, o mal está aí, quem pode pagar sempre são os da mesma classe, assim a continuação, a classe superior com os recursos financeiros perpetua-se no poder$$$$!

        Nosso país?

        Das desigualdades, infelizmente, queiramos ou não, é isto.

        Nada contra as elites,os riocs sempre no poder por poderem $$!

        Curtir

      • Falando em Impostos, segundo o Impostômetro chegaremos em poucos dias ao primeiro TRILHÃO arrecadado… Para onde vai esse OCEANO de dinheiro??????????????

        Curtir

    • É, esqueceu das cotas?
      E outra, a universidade pública deve valorizar os mais capacitados, se as pessoas de baixa renda não conseguem se capacitar tanto quanto os outros, o problema é do ensino prévio, não dá universidade pública!
      E qual é o problema com pessoas de outros estados e seus carros na UFSC?
      Nada a ver!

      Curtir

    • Eles pagam impostos igual a todo mundo, tambem tem o direito de estudar numa faculdade federal.

      Sem contar que parcelar um carro de até 50 mil é muito mais facil do que pagar 1500 numa faculdade, ou mais….

      E tambem existem as cotas….

      Curtir

    • Ricardo, sou de família pobre, filho de pai operário. e passei na UFRGS (na época em que não havia cotas), onde fiz duas graduações e mestrado na mesma universidade. Não é fácil, mas é possível.

      Aviso aos navegantes: existem cursos populares (normalmente com mensalidades simbólicas de R$ 10 a R$ 20) com excelentes índices de aprovação (conheço um que teve 50% de aprovação no último vestibular da UFRGS), principalmente após o advento das cotas.

      Curtir

      • Fernando, há exceções, mas falei da UFSC, em Florianópolis, SC.

        Quem vem pra cá vê e sabe, cursos competitivos, os alunos tem carrões do
        ano, conclui-se que os pais tem poder aquisitivo, placas de Brasília, Rio, São Paulo, etc.

        Não sei daí, falei daqui, há exceções também, meu filho é uma delas.

        Escrevo o que acontece aqui, fora daqui não citei nada.

        Não ofendi ninguém, quem ofendeu-se, não culpem-me, o sistema é este.

        Queiramos ou não, todos somos livres para testemunharmos o que vemos, ou então este canal deixa de ser livre para expressarmos o que existe na vida real.

        Sem brigas e ressentimentos, saudações!

        Curtir

        • Nos Anos 70, cursei Veterinária na UFSM, onde tínhamos doze (12) colegas cotistas – Lei da Enxadinha – MILHARES foram contemplados em todos os Brasis…!!!… Hoje, reclamam das cotas para os negros, esses mesmos que, sustentaram a ECONOMIA DA COLôNIA, por trezentos (300) anos, nos ombros, nas costas, debaixo do chicote… quanto aos colegas-colonos, tinham à época, boas notas, e nosotros seus colegas, não tínhamos esse pre-conceito todo… Se você for bom, não terá medo de cotas…

          Curtir

        • Ao Carlos A,

          Parece que estou falando GREGO!

          Mencionei a UFSC, Florianópolis, SC.

          Não mencionei nenhuma universidade federal do resto do país.

          Todos comentários de outras que não sejam da mencionada, não faz sentido, a realidade daqui é a que eu vejo e posso falar.

          Se falarem da universidade fereral de Rio branco no Acre, não tenho nada haver!

          Curtir

    • ELETIZADO não existe. O correto é ELITIZADO.

      HIPOCRESIA não existe. O correto é HIPOCRISIA.

      Curtir

      • Escrevi rápido, nem consultei o dicionário, mas a correção é pertinente.

        Curtir

      • De agora em diante consultarei o Google Dicionário de Português on-line.

        Para certificar-me que cada palavra esteja correta.

        Por causa da frase que a professora disse: “VOCÊS É MINHA ESPERANÇA”, mencionado num comentário.”Dois erros sintáticos.

        Sem querer ofender quem comentou, pois foi a pessoa que disse o que a professora falou para ela, não que a pessoa realmente escreveu errado.

        Em cima desta frase comentei.

        Como o ensino básico e médio público, em algumas regiões de nosso país são precárias!

        Curtir

  11. Agora sim…
    Muito bom.

    Curtir

  12. Espero que o texto acima saia na ZH, CP, etc….

    Curtir

  13. Ahhhhhhhhhhhh…….ate que enfim!!

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: