Um projeto para a ESEF-UFRGS

Complexo Esportivo ESEF | UFRGS

A ESEF/UFRGS, localizada em Porto Alegre, é a mais antiga escola de educação física do Rio Grande do Sul e oferece hoje 4 cursos de graduação: Educação Física Licenciatura e Bacharelado, Fisioterapia e Dança, além de pós-graduação, mestrado e doutorado. Formando profissionais de uma das mais prestigiadas universidades do país, dotados de conhecimentos práticos e teóricos compatíveis com tal importância, a ESEF dispõe de uma infra-estrutura precária e insuficiente para seus padrões. Falta de manutenção por diversos motivos e falta de verba para grandes reformas resultaram em um estado de urgência por uma reformulação.

As universidades de maneira geral, com relação a todos os cursos, tem procurado se modernizar oferecendo o melhor no que diz respeito a equipamentos e espaços físicos. Nas públicas, que sempre contam com recursos escassos, o crescimento é comumente dificultado. Entretanto, tem-se hoje uma situação diferente: um recente Estudo de Viabilidade Urbanística prevê a construção de novas edificações no campus da ESEF, ampliando seu alcance e a modernizando.

Além disso, há atualmente o contexto esportivo em que o Brasil está inserido, sediando em 2014 e 2016 os dois maiores eventos esportivos do mundo, a Copa do Mundo de Futebol e os Jogos Olímpicos, respectivamente. Porto Alegre, como cidade escolhida para receber jogos da Copa, deverá dispor de instalações esportivas adequadas para servirem como centro de treinamento para todas as equipes que nela disputarão jogos.

Assim, surge uma oportunidade única de colocar a ESEF/UFRGS no mapa das grandes instituições de ensino com infra-estrutura à altura de seu porte e plenas condições de sediar importantes competições e eventos esportivos. É nesta circunstância que este projeto se desenvolve: o objetivo da proposta é proporcionar à escola um ambiente adequado à prática esportiva e ao aprendizado, qualificando um espaço com imenso potencial que hoje é subutilizado. O programa, portanto, compreende não apenas os usos decorrentes do caráter universitário do projeto, mas também visa à possível exploração do potencial de um campus dotado de uma infra-estrutura completa e com excelente localização para atividades externas.

Compõem o programa do projeto: quadra poliesportiva com dimensões oficiais, servidas de arquibancadas para público de até mil pessoas, camarotes e cabines de imprensa, quadra poliesportiva para treinamento/aquecimento, espaços modulares multifincionais para dança, artes marciais e pilates, tablado de Ginástica Ritmica Desportiva com dimensões oficiais, sala de musculação, centro de fisioterapia, amplos vestiários, sanitários e áreas de apoio, auditório, restaurante universitário (refeitório) e café. Além disso, reforma total no campo de futebol, equipando-o com pista oficial de atletismo e instalações para receber os demais equipamentos do esporte. Sob este espaço, estacionamento para 960 veículos.

Autora: Arq. Marta Kessler

Orientador: Luis Carlos Macchi

Anúncios


Categorias:Arquitetura | Urbanismo

Tags:, ,

16 respostas

  1. Feio, mto feio. Não que o atual seja bonito. Mas equipamentos esportivos são sempre uma oportunidade de inovação maior, principalmente numa universidade que hoje com a estrutura sucateada já promove todas as modalidades olímpicas, e mais diversas de atividades comunitárias.

    Curtir

  2. Gostei da vista “ao comprido”, parece um origami. Mas a fachada menor não gostei, parece um galpão.

    Curtir

  3. Não gostei muito… lembra uma centopeia. Além disso essas formas retas, ângulos e pontas é bem comunista. Veja

    http://nalinamoses.tumblr.com/image/27552135470
    Communist Architecture, Dresden

    Curtir

    • Apesar de característicos de um “movimento” ligado ao comunismo, não quer dizer que são feios. Aliás, os dois exemplos que tu colocou julgo bem interessantes…

      Curtir

    • Cara, será que em …sei lá Cuba se houvesse grana iam deixar de fazer um projeto porque é arquitetônicamente muito…capitalista? E se fizessem isso não seria uma justificativa boba ?
      E daí que tem referencias que também foram usadas durante o movimento comunista? . Plásticamente os dois exemplos citados são muito bons em minha opinião. O que talvez não achemos bom é o movimento politico. Tira a estatua do Lenin e do Stalin e deu. Acho que as referencias estão muito mais ligadas ao interesse pela papiroflexia – dobradura de papel que por um movimento político. Cada um que aparece!

      Curtir

  4. Muito ousado, interessante e pertinente para a cidade e para a universidade. Se construído, será uma referência na área.

    O efeito de origami torna leve a aparência da estrutura de grandes vãos e a resolve muito bem, ao contrário do que quase sempre se vê em ginásios em geral, principalmente os de instituições de ensino. Excelente estratégia!

    Parabéns à arquiteta.

    Curtir

  5. Independente de gostar ou nao, gostaria de saber quando e “se” vao construir?..e da onde saira a grana??

    Curtir

  6. isso ficaria localizado aonde???

    Curtir

    • Creio que em frente ao Jardim Botânico… É ali onde fica atualmente a ESEF… Estou certo?

      Curtir

  7. Muito bom gosto.

    Curtir

  8. O projeto é incrível. Já estava na hora de alguém nesta cidade sugerir algo novo, sem se ater às correntes comerciais em voga, como os horripilantes edíficios neoclássicos. Parabéns pela iniciativa, espero que construam.

    Curtir

  9. É esse tipo de projeto que deveria ser eleito em concurso público, e nao os feitos de material reciclado, garrafas pet e afins.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: