Finalmente um projeto para o Pontal do Estaleiro

Segundo a Zero Hora de hoje, 7 de agosto, finalmente há um projeto para a área do antigo Estaleiro Só

Após um plebiscito/referendo realizado em 2009, que rejeitou prédios de 12 andares, composto de torres residenciais, comercial e hotel, o novo projeto terá estabelecimento comercial e uma torre que pode chegar a 26 andares.

O estabelecimento comercial teria uma base com cinco pavimentos, estacionamento, praça de alimentação, supermercado e cinemas, além da torre. Haveria ainda uma alameda e um parque, que deverá ser construído em frente ao Guaíba. Os prédios não poderão ficar a menos de 60 metros da orla.

A presidente da Comissão de Análise Urbanística e Gerenciamento (Cauge) e assessora especial do prefeito José Fortunati, Rosane Zottis, informou que o projeto está sob análise e, certamente, sofrerá adequações. Sobre a torre de 26 andares, Rosane afirma que as duas leis complementares — 470/2002 e 614/2009 — que versam sobre a região não estipulam altura máxima.

— A altura será definida conforme o Estudo de Viabilidade Urbana. A gente tem tido cuidado com isso porque é uma área nobre. Mas imaginamos que a questão já tenha ficado clara para a comunidade, pois ela se pronunciou que não queria uso residencial ali. Vedado o uso residencial, as demais atividades previstas na lei são permitidas — afirma Rosane.

O parecer deverá ser conhecido em 15 dias e após virá o estudo de impacto. Ainda vai levar meses até sair do papel. Os responsáveis pelo projeto são os mesmos do anterior, o escritório Debiagi.

Por causa do desgaste sofrido em 2009, a BM Par Empreendimentos e o escritório Debiagi preferem não dar detalhes, agora, sobre o novo projeto. Aguardam, para isso, as diretrizes que a Comissão de Análise Urbanística e Gerenciamento (Cauge) formulará.

Ao lembrar da mobilização contra a construção de imóveis residenciais na orla em 2009, o vereador Beto Moesch (PP) comentou sobre a oportunidade perdida, no início dos anos 2000, de se impedir outras construções no local. Na época, foi aprovada lei que criava regras próprias para a região do pontal. Devido à preocupação com os trabalhadores herdeiros da massa falida do Estaleiro Só, o texto tramitou em regime de urgência, não teve audiência pública nem passou por comissões, observou o vereador:

— Árvore que começa crescendo torta, fica torta. Agora, pode construir. A sociedade vai ter de encarar isso, querendo ou não. Claro, há pré-requisitos que eu espero que a Cauge tome, vai ter praça, preservação ambiental. Só se impediria com um projeto de lei alterando a norma de 2001. Ou com desapropriação da área pela prefeitura.

Retirado do Jornal ZH, com alterações.

Pra quem não se lembra ou não conhece, este era o projeto anterior para a área do Estaleiro Só:



Categorias:Arquitetura | Urbanismo, Arranha Céus, ORLA, Pontal do Estaleiro, Prédios, Reurbanização

Tags:, , ,

85 respostas

  1. E nenhuma novidade sobre o novo projeto do Pontal?

    Curtir

  2. Aos oportunistas e faraonistas de plantão que postam varias ideais ridiculas seguidamente: a população vetou RESIDENCIAIS. E vetará qualquer residencial que vier. Não comerciais, que é o caso agora. E neste caso nao só eu como muitos outros são A FAVOR inclusive os que voces chama de eco-chatos.

    Curtir

  3. Os ingleses têm argumentos muito bons na área de urbanismo, e conceitos muito elevados a respeito de pessoas que têm o hábito de pensar, perguntar e questionar …

    Curtir

  4. Eu queria entrar com uma ação contra esses eco-xiitas. Será que teria como ? A ação seria simplesmente para eles pararem de impedir o crescimento da cidade.

    Curtir

  5. Vejam esta notícia que saiu na ZH de hoje:

    http://www.skyscrapercity.com/showpost.php?p=94002519&postcount=1355

    Curtir

    • A consulta popular contrariou a Constituição?

      Mas a constituição protege o direito de propriedade e tem na livre iniciativa um dos fundamentos da República.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: