CEEE investe R$ 81 milhões em energia eólica no RS

A parceria inclui as unidades já em operação e as ampliações previstas nos dois parques Foto: Gilberto Simon – Porto Imagem

A Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) assinou nesta quarta-feira (22), em Osório, no Litoral Norte, um contrato de parceria com a holding do grupo espanhol Elecnor Renováveis, responsável pelos complexos eólicos de Palmares do Sul e de Osório. Em um investimento que inclui um aporte de R$ 81 milhões, a empresa passará a ter 10% do capital da holding.

A parceria inclui as unidades já em operação e as ampliações previstas nos dois parques. Sob o controle da holding estarão os 300 MW resultantes da duplicação do Parque Eólico de Osório, os 122 MW que estão sendo implantados em Palmares do Sul e mais 78 MW que deverão ser disputados nos próximos leilões de energia do governo federal.

Presente no ato, o presidente do Grupo CEEE, Sergio Souza Dias, afirmou que o maior potencial energético do Rio Grande do Sul e o que mais cresce é o eólico. Segundo ele, incluindo as novas parcerias recentemente fechadas em consórcios de linhas de transmissão que possibilitarão uma melhor integração do Estado ao sistema interligado de energia do Brasil, o plano de investimento das empresas do Grupo CEEE já alcança o valor de R$ 2,5 bilhões, no período 2012-2014.

Já o presidente da Enerfin, Guillermo Planas Roca, considera que a parceria é uma demonstração de aceitação desses empreendimentos. “Nosso projeto é ter 500 MW até 2015 e ao iniciarmos esta nova fase, reafirmamos o nosso compromisso com o cumprimento de responsabilidades que já foi exercido e comprovado até hoje”, afirmou, segundo nota divulgada pela assessoria de imprensa.

Jornal do Comércio



Categorias:Energia Eólica, Formas alternativas de energia

Tags:,

5 respostas

  1. Bons ventos as trazem 🙂

    Curtir

  2. Antes de tudo leiam a seguinte notícia:

    http://www.udop.com.br/index.php?item=noticias&cod=1083808#nc

    Agora dá para se entender porque no último leilão de investimentos para pequenos aproveitamentos as eólicas chegaram a preços compatíveis com as PCHs. No projeto elas prometem, na operação elas não cumprem.

    Curtir

    • Como regras do leilão eólico, se não for entregue a quantidade de energia contratada, o governo paga bem menos por essa energia. No caso oposto, se o parque entrega mais energia que o contratado o governo também paga menos, mas não tão pouco quanto com o fornecimento abaixo do contrato.

      Curtir

  3. No RS principalmente e também no Brasil acontece uma coisa interessante…

    No verão o litoral lota de pessoas demandando grande quantidade de energia em eventos esportivos, shows, ar condicionado e refrigeração de alimentos. Essa energia vai para o litoral via grandes linhas de transmissão que no inverno ficam subutilizadas, ou seja, é uma grande quantidade de dinheiro investido para usar durante 25% do ano.

    Usando os ventos do litoral para produzir energia, essas linhas de transmissão passam a ser utilizadas inclusive no inverno transmitindo energia do litoral para grandes centros como a região de Caxias ou metropolitana de Porto Alegre.

    Curtir

  4. Esse parque já é o segundo maior do mundo, com essa ampliação se aproximará do Horse Hollow no Texas, mas não chegará a ultrapassá-lo. Interessante notar que o Texas também é grande produtor de petróleo.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: