Imagem ruim nos ônibus afasta usuários

Má qualidade do serviço prestado pelas empresas de ônibus desestimula uso do transporte público e piora o trânsito, diz especialista

Serviço ruim dos ônibus afasta usuário créditos: Júnior Santos/ Tribuna do Norte

Parte dos problemas de trânsito pelos quais passa o Brasil se deve à falta de preocupação das empresas de ônibus em cuidar da qualidade do serviço prestado. A imagem ruim afasta usuários e sobrecarrega as cidades devido à opção pelo transporte individual, segundo avaliou hoje (29) o presidente da Embarq Brasil, Luís Antônio Lindau, durante o seminário A Nova Mobilidade Urbana, promovido pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU).

De origem norte-americana, a Embarq é uma entidade que auxilia governos e empresas a desenvolverem e implantarem soluções sustentáveis para problemas de transporte e mobilidade. Ela é parte do Instituto de Recursos Mundiais (WRI, do inglês World Resources Institute), com sede em Washington, Estados Unidos.

Para Lindau, as empresas têm, de fato, responsabilidade por, ao deixar de trabalhar uma boa imagem de seus serviços – o que inclui, além de melhor qualidade dos veículos, boas condições de trafegabilidade e pontualidade – acabar desestimulando as pessoas a usarem transporte público.

“Ônibus preso no trânsito também traz má imagem ao usuário. [Para incentivarmos o uso de transportes públicos] precisamos em primeiro lugar dar velocidade aos veículos. Depois, para haver confiabilidade, são necessários, ainda, melhores espaços e equipamentos”, disse.

Taxar o carro

Ele defende a adoção de estratégias para fazer com que as pessoas troquem o carro pelo ônibus. “Para favorecer essa migração de veículos particulares para o transporte público é fundamental a implantação de tarifas de estacionamentos e taxação de ganho de tempo”, complementou. Segundo o especialista, no entanto, essa cobrança só pode ser aplicada após os cidadãos identificarem que, de fato, já há melhorias no sistema. “É necessário antes mostrar algo positivo para, depois, cobrar a taxa”, justificou.

Durante o painel, o especialista apresentou diversas experiências positivas de uso do Bus Rapid Transit (BRT), um sistema de corredor exclusivo para ônibus criado em Curitiba que se espalhou por diversas cidades do mundo. “Antes de tudo, BRT não é ônibus. É sistema de transporte”, disse. “Mas, apesar das vantagens desse sistema, há grandes desafios aos quais o Brasil precisa se preparar para que consiga implantá-lo de forma positiva nas cidades”, acrescentou.

Entre os desafios, Lindau destacou o enfrentamento de lobbies pelo uso dos automóveis; a questão da segurança, em especial para a travessia das faixas exclusivas de pedestres; controle operacional, para evitar engarrafamento nas faixas destinadas aos ônibus; pavimentação adequada; construção de garagens próximas aos terminais; comunicação entre executores de obras e operadores; e criação de manuais de procedimentos.

“Há que se ter cuidado também com a politização do BRT, de forma a evitar críticas durante as eleições e a rejeição [a esse tipo de transporte]”, acrescentou. “Além disso, vale lembrar o significado da letra R, da sigla BRT. Ela significa rápido. Portanto, se não tiver rapidez não será BRT”, completou.

Autor: Pedro Peduzzi | Postado em: 29 de agosto de 2012 | Fonte: Agência Brasil

mobilize.org.br – mobilidade urbana sustentável

 



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:, ,

61 respostas

  1. Além dos meios do transporte publico há o gerenciamento das permissões para que tudo possa funcionar a contento, atendendo expectativas do povo e previsões da engenharia. Hoje ás 7:30hs da manhã no início da Av. Farrapos esperei por 25 minutos uma lotação que fosse ao Hospital Conceição. Indignado pelo atraso, liguei para EPCT para reclamar e fui informado que a EPCT somente fiscaliza horários do transporte coletivo e que as lotações que pertencem ao trasnporte seletivo, não são fiscalizadas para cumprimento do horário previsto em sua linha/trajeto. Ou seja, é uma zorra, se você quiser substituir seu automóvel pelas lotações seletivas, vai correr o risco de chegar atrasado em seu compromisso. Com certeza, se nossos recursos atuais fossem melhor gerenciados, muito seria melhor nossa viva em Porto Alegre!

    Curtir

    • Alguém entende por que essa separação entre ônibus e lotação, se o objetivo – mobilidade urbana – é o mesmo? E o que é “seletivo”? Está selecionando o que? Gente com tempo, paciência e dinheiro sobrando?

      Curtir

  2. Adorei ver essa publicação!

    Quem puder dar uma lida, recomendo: http://trilhos.maodupla.org/2012/06/20/trem-mobilidade-eficiente/

    E esse vídeo: http://youtu.be/soUBGH4nS2Q

    Curtir

  3. Existe uma confusão nessa história de que a passagem é subsidiada.
    1. A infra-estrutura viária é toda fornecida (subsidiada) pelo governo. A iniciativa privada nem se coça;
    2. O vale-transporte é pago pelo empregador, mas com o dinheiro que ele subtrai do salário do empregado. Explico: a decisão de contratar um empregado leva em o conta seu custo. E este custo inclui o vale-transporte. Logo, na verdade, quem está custeando o “subsídio” é o próprio empregado.
    3. O óleo diesel, se tiver subsídio cruzado com outros combustíveis, é pequeno.
    4. Deveria haver sim um subsídio maior, e que seria pago pelos usuários de automóveis. Isto incentivaria muitos a utilizar ônibus, desafogando as avenidas. Mas, em nossa cultura tacanha e burra, muitos preferem pagar mais caro por viadutos que pagar parte da passagem do vizinho.

    Curtir

    • Gostei do raciocínio do Aldo no que tange ao Transporte Social, e lembro do sistema Inglês(Londres) onde você paga uma taxa única para usar do sistema de transporte seja mensal ou da diária. Quem precisa andar mais diariamente, paga o mesmo de quem anda diariamente pouco, quem usa eventualmente paga a diária mais porque não usa o sistema mensalmente. Ou seja, há uma tarifa social ao transporte coletivo.

      Curtir

  4. Se for pelo título da matéria, então os usuários de carros também seriam negativamente afetados pela visão das rodovias, avenidas e ruas congestionadas, assim como os ciclistas seriam desmotivados pelas imagens de violência do trânsito e pela falta de ciclovias. Moral: esta é a realidade, não existe a melhor opção, no máximo a menos pior em determinada circunstância.

    Curtir

    • Aline

      O problema não é só a qualidade dos ônibus, o problema principal é o preço da passagem!

      Curtir

      • Ou o problema é o preço da passagem de ônibus pela qualidade de transporte que se recebe em troca.

        Curtir

      • Concordo com vocês na questão do custo x benefício das passagens, por isso mesmo o título da matéria está incompleto, já que menciona apenas a imagem ou impressão e não de outros fatores como o custo x benefício, ao menos não diretamente.

        Curtir

  5. O transporte coletivo é ruim, mas lesar o cidadão que vai de carro também não resolve nada, o Estado sempre transfere suas responsabilidades ao cidadão…Já se paga IPVA para ter o carro, mais estacionamento se precisar. Mas é certo que o brasileiro é muito acomodado, a ponto de sair de carro para realizar trajetos curtos de 2, 3km, quando poderia por bem fazê-lo de bicicleta. O que eu vejo é uma montanha de carros, 90% com apenas 1 pessoa dentro, o resto com duas, tremendo egoísmo, preguiça, sei lá como qualificar, mas é absurdo. Se não for pensado algo em conjunto, as cidades estão fadadas ao colapso, SP é a cidade teste que mesmo em colapso todas imitam! Precisamos melhorar o transporte público?sim. Criar novas modalidades como o metrô, aeromóvel? sim. Aumentar as ruas? sim, mas não basta aumentar o nº de pistas, vai aumentar o nº de automóveis e trancar novamente. Tem que criar opções para que as pessoas possam escolher, tem que ter ciclovias e ruas de qualidade, ônibus pontuais de qualidade e em quantidade suficiente, metrô, aeromóvel, enfim, descentralizar o transporte.

    Curtir

    • 100% correto! O que mais ocnheço é gente que vai de carro até para comprar pão ou cebola.

      Curtir

      • Sim, e daí?Não pode ir de carro só porque tu não gosta/pode/quer? Que falta de respeito.

        Curtir

        • Como assim? Tu já faz isso que tu quer, mas achas que ciclovias são “inúteis”. Quem acha que eu não mereço segurança nas minhas preferências é tu.

          Curtir

  6. Engraçado a embarq falar de lobby. eles sao um dos maiores promotores do brt

    Curtir

  7. “Entre os desafios, Lindau destacou o enfrentamento de lobbies pelo uso dos automóveis”

    E ele é um lobista de ônibus.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: