Coerência nos detalhes

Uma das coisas que mais me irrita é como degringolamos dos planos antigos de arborização da cidade. Se hoje temos túneis verdes uniformes e alamedas de jacarandás, é porque se teve um cuidado especial de plantar fileiras de árvores da mesma espécie uma ao lado da outra.  Atualmente, quando morre uma árvore,  ou ela é atingida por um carro, ao invés de plantarem a mesmíssima espécie ali, planta-se outra coisa qualquer completamente diferente. Sei que isso não tem tanta importãncia no grande esquema das coisas, mas me irrita muito.

A Rua Santa Teresinha é uma ruazinha extremamente charmosa com velhos Jacarandás em ambos os lados. De repente, em um vão entre um Jacarandá e outro, há alguns meses plantaram duas… argh… palmeiras. Qual o sentido??? Porque quebrar a harmonia de uma ruazinha excepcionalmente linda com suas fileiras de Jacarandás floridos com duas palmeiras? Como não plantaram duas mudas de Jacarandás?

Clique para ampliar

Uma fileira harmoniosa de belos Jacarandás

Abruptamente corrompida por palmeiras…QUE??

Segundo caso. A rua André da Rocha, que possui uma fileira de Ipês. Em uma lacuna entre dois Ipês, me plantaram meses atrás dois Ficus. Ficus são árvores monstruosamente grandes que crescem crescem crescem e ocupam tudo ao redor. Como não se plantaram Ipês ali?

Posso citar outros exemplos como duas palmeiras plantadas num corredor de Jacarandás na Rua da República enfrente ao restaurante Via Imperatore.

Sei que esse assunto é de relativamente pouco interesse, mas são detalhes aqui e detalhes ali que fazem uma cidade ficar bonita. Ou podem imaginar o Champs Elysees tendo uma de suas árvores aleatoriamente substituidas por uma éspecie diferente? ;- )



Categorias:Arquitetura | Urbanismo

Tags:

21 respostas

  1. também estou ficando preocupada-acho que a SMAM está às moscas- estão havendo atrocidades com nossas árvores!

    Curtir

  2. Eu andava decepcionado com o plantio da terceira perimetral até chegar em Porto Alegre no mês de Agosto e ver os ipês rosa todos floridos. Quando eles crescerem e florescerem adultos, duvido que alguém diga que não ficou bom…

    Curtir

    • Pedro, não plantaram ipês por toda a Perimetral, apenas em algumas partes. Aliás, até onde eles foram plantados, foram intercalados com outras árvores de porte e aparência diferentes (sim, essa lei de intercalar espécies existe). Mas o pior nem é isso, o pior são os jerivás, que, aliás, ainda estão minúsculos enquanto as árvores ao redor crescem, quebrando completamente o eixo que eles deveriam formar. Ipês ficam bonitos quando são o padrão do canteiro e possuem um certo espaçamento entre eles, como no trecho da Érico Veríssimo perto do Tesourinha.

      Curtir

  3. Em Campo Grande/MS, existe na Av. Afonso Pena, uma sequência de figueiras de dar inveja. Em Porto Alegre, nem tudo está perdido. Tenho observado que plantaram fileiras de jacarandás, intercaladas por fileiras de ipês rosa, há alguns anos, ao longo do canteiro central da Protásio Alves. Quando começarem a florir vai ficar lindo.
    Eu não gosto das alamedas podadas. Acho que o charme da cidade está justamente nas árvores que crescem em direção ao céu formando túneis verdes.
    No interior de São Paulo fazem plantios de arvores de médio porte e prá piorar as mantém sempre podadas em formato de guarda chuva… acho isso terrivel. Acho que não se deve podar o crescimento das árvores.
    Existem árvores tropicais belíssimas, vejam por exemplo no google imagens – a erythrina velutina ( a exemplo do ocorre na descida da serra de São Francisco de Paula até Taquara ). É uma árvore extraordinária de floração cor de laranja, que parece estar pegando fogo quando em flor… O Jacarandá é nativo do sul do Brasil, Uruguai e norte da Argentina, estendendo-se até a Bolívia. Fileiras de Flamboyant também são maravilhosas.
    Outra árvore belíssima que poderia ser plantada em alguns locais isolados em razão de seu tamanho é a sapucaia ( árvore nativa da mata atlântica cujas folhas ficam cor de rosa e as flores liláses ), existe também a erythrina Crista Galli ou Corticeira do Brejo, nativa dos nossos campos e uma das mais belas árvores que conheço. Os Guapuruvus, citados aqui, na minha opinião são extraordinários em altura e sua floração amarela. Basta observar como é linda a composição de Guapuruvus e Jacarandás na Praça da Matriz.
    Os Cinamomos de Petrópolis, cheios de bromélias e samambaias dão um show a parte, mesmo frágeis e de vida curta em razão de serem exóticos, deveriam continuar a serem plantados ainda que em menos quantidades do que antes em razão da beleza com que nos presenteiam em seu tempo de vida…
    Volto a falar das Palmeiras da Califórnia que possibilitam fileiras imponentes e elegantes, assim como as Tamareiras das Canárias ( caríssimas quando adultas ), mas acessíveis se plantadas ainda pequenas ( são palmeiras de alta qualidade paisagística ao meu ver e ficam ainda mais bonitas quando plantadas próximas a fileiras de Palmeiras da Califórnia ).
    Outra árvore magnífica é a Paineira. Basta ver o efeito que elas fazem na Churrascaria Barranco nos meses de fevereiro e março quando florescem.
    Existem ainda as Espatódeas, Quaresmeiras ( Roxa e Cor de Rosa ), Manacás da Serra, etc…
    Temos na nossa flora nativa e exótica espécies de admirar. Porque não pesquisar para plantar além das espécies convencionais, outras que também sejam adequadas e bonitas para compor o paisagismo urbano da nossa cidade ?
    Para quem gosta de árvores, vai a dica.. procurem uma espécie chamada Abricó de Macaco ( Couropita Guianensis )… é fora de série…

    Curtir

  4. As árvores exóticas tem um problema, a erva de passarinho, que as suga até a morte. A SMAM não toma a providência necessária contra isso e a consequência é uma quantidade imensas de árvores tomadas pela erva de passarinho e condenadas a morte. Os Plátanos são vitimas da erva de passarinho, bem como os cinamomos, os ligustros, as extremosas e outras que não me ocorrem agora.
    O Jacarandá não pode ser plantado isolado, pois fica bifurcado e morre facilmente em poucos anos, devem ser plantados em fileiras.
    Uma coisa importante deve ser dita, as árvores devem ser podadas, se vocês observarem a foto de Paris verão que as árvores estão todas podadas formando um corredor em direção ao Arco do Triunfo formando assim uma bela perspectiva…
    Os Ficus devem sido plantado por algum morador para se tornar um problema no futuro.
    Os Jerivás na Rua Sta. Terezinha foram plantadas pela Lancheria Subway que se instalou naquela esquina.
    A SMAM não tem pessoal suficiente para resolver todos os problemas, a as terceirizadas fazem o que querem.
    Na Venâcio Aires, algum morador anda plantando no canteiro central uma série de plantinhas, um horror, mas, quem fiscaliza, quem faz manutenção. Gentem, a coisa ainda vai ficar pior.

    Curtir

    • SMAM, por favor, procure a SUBWAY da Sta Terezinha e os comunique que devem tirar os jerivás e substitui-las pela mesma espécie de árvore que se encontra sistematicamente plantada na rua.
      É INCRÍVEL como todo mundo nessa cidade está optando por esta saida rápida, simples, rasteira, descomprometida de “plantar árvore” colocando jerivás a torto e a direito em tudo que é lugar ao invés de se preocupar com sombra, mudança de estações, beleza, floração que uma árvore frondosa pode proporcionar.

      Curtir

  5. Eu concordo com muita coisa. Na minha opinião os jacarandás estão entre as mais belas árvores que existem. Discordo de quem diz que as árvores de frio são mais bonitas. Contudo os plátanos e ácer são realmente magníficos.
    Acho que fica muito bonito as sequências de mesmas árvores, inclusive as sequências de plátanos da boa vista são realmente maravilhosas. Contudo sequências de jacarandás, ou ipês rosa ou amarelos ou até mesmo de cinamomos são também muito bonitas.
    Gosto muito também a exemplo do bairro Petrópolis, do plantio de frutíferas em meio a estas sequências. Na rua Eça de Queiróz, Dario Pederneiras, Carlos de Carvalho, Corte Real, Ferreira Viana, tem diversos exemplares de pitangas, amoras e nésperas, além de araças e goiabas, em meio a jacarandás, velhos cinamomos e até mesmo ipês, plantados recentemente, que além de atrair pássaros acabam agradando até a nós mesmos…
    Discordo totalmente do plantio de palmeiras gerivás. Acho elas frágeis e sem valor paisagístico. Temos o butiá por exemplo, que é uma palmeira belissima e também nativa. Mas em matéria de palmeiras, mesmo sendo exótica, nenhuma tem mais a ver com nossa cidade, na minha opinião, do que as extraordinárias palmeiras da califórnia ( washington robusta ) que povoam a av. Osvaldo Aranha ou a João Pessoa formando fileiras imponentes como jamais vi em outro lugar.
    Aliás , gostaria de ver novas fileiras de palmeiras da califórnia sendo plantas em novas avenidas.
    Acho a compsição de palmeiras da califórnia intercaladas por jacarandás ( como na Osvaldo Aranha) uma das mais belas idéias de composição entre palmeiras e árvores…
    Outra coisa, como sugestão, porque não plantar bouganvileas ao longo do Arroio Dilúvio ? Elas são extremamente resistentes e tem uma floração de cores intensas e flores abundantes, quase que permanentemente ao longo do ano… e além disso poderiam servir embelezar as cabeceiras das pontes do Dilúvio…

    Curtir

  6. Assunto muito pertinente, não tem como não concordar contigo. Não vejo sentido nas leis ditatoriais, funcionalistas e anti-estéticas da SMAM. Me parece que eles querem transformar Porto Alegre numa reserva ambiental, e não numa cidade onde o verde deve conviver em harmonia com a estética e a paisagem urbana. Pra começar, eles tratam árvores exóticas como bichos maldosos e invasores, destruindo completamente os plátanos da Boa Vista, por exemplo, que formam os mais belos túneis verdes da cidade na minha opinião. Essa repulsa por árvores não-nativas de locais frios – muito mais bonitas e interessantes que as nativas, já que são uma vitrine viva das estações do ano – e a exclusividade de plantio de três ou quatro espécies nativas, feias, desinteressantes (incluindo o horripilante Jerivá) é muito desnecessária, já que essas árvores pouco ou nada influirão no meio-ambiente dos arredores da cidade e funcionam tão bem contra a poluição quanto qualquer outra. Paris, Londres, Montevidéu, Buenos Aires e centenas de outras cidades são lotadas de plátanos, que são árvores não-nativas fora da América do Norte, e ninguém reclama, simplesmente porque lá eles sabem que a arborização urbana é, além de amenizadora da poluição, um equipamento estético, e, quanto mais bonitas as árvores escolhidas, mais bonita fica a cidade. Veja a Perimetral, especialmente a Carlos Gomes, que tinha tudo pra ser lindíssima, mas não consigo gostar dela simplesmente porque imagino, no futuro, aquelas árvores nativas enormes, tapando os prédios, cada uma de tamanhos diferentes, sem padronização nenhuma e ainda com jerivás horrorosos e tortos no meio. Minha esperança é que ainda tem certas ruas bem áridas, sem árvore nenhuma (principalmente no Centro e Cidade Baixa) e lá daria pra plantar vários plátanos e liquidâmbar(e)s antes que a SMAM encha de Guapuruvus e Jerivás.

    Curtir

    • Minha expectativa (a longo prazo) é ver a Assis Brasil com árvores. Aí sim! hahah

      Curtir

      • Walter, não dá idéia que eles enchem de jerivás. Psssssssiu!

        Curtir

      • Verdade, tem que esperar uma nova gestão da SMAM, senão vão encher de árvores chochas. O maior pecado foi o que fizeram na Farrapos, onde simplesmente trocaram álamos (aliás, achei fotos onde eles aparecem, questão levantada em outra postagem) por jerivás. E a SMAM tem a cara de pau de dizer que “preza por árvores nativas, mas mantém as árvores tradicionais de determinadas áreas da cidade mesmo sendo exóticas”, de acordo com um mapa ridículo em que meia dúzia de bairros possuem essa arborização característica que deve ser mantida. Porque, então, não voltar ao costume da cidade desde o século 19 de plantas palmeiras californianas, jacarandás e plátanos?

        Curtir

  7. Bom…a solução seria cortar essas árvores, mas isso é impossível em Porto Alegre.

    Curtir

  8. São muito importantes estes posts sobre a arborização da cidade. Ainda sonho com a fiação elétrica subterrânea para que Porto Alegre deixe de ser a capital mundial das arvore em “Y”.

    Curtir

  9. Marcelo, compartilho da sua irritação.
    Sempre falo que é nos detalhes que está a diferença.
    Não adianta fazer obras extrambóticas, se há descuido nos pequenos detalhes.,

    Curtir

  10. Por vezes é a própria população, moradores da região, que plantam aleatoriamente as árvores.

    Curtir

    • Bem nessas, e a SMAM não plantaria ficus. Até porque eles são um tipo de figueira (exótica) que depois destroem a calçada com as raízes enormes deles. Acho que as pessoas acabam plantando ficus porque é o mais fácil de encontrar a venda no zaffari e nas floriculturas… Mas concordo com o post!

      Curtir

  11. Existe uma lei que impede o plantio de árvores da mesma espécie juntas. É por isso que na III Perimetral e na Osvaldo, por exemplo ao invés de ter fileiras de jacarandás ou fileiras de palmeiras há um jacarandá, uma palmeira, um jacarandá uma palmeira….

    Sinceramente, ficar alternando essas duas espécies é muito pior que plantar uma só, qualquer que seja.

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: