Trensurb quer ir até Sapiranga

Licitação em novembro pode abrir caminho para extensão da linha do Trensurb até Sapiranga

Recurso de R$ 2 milhões está disponível para análise de viabilidade técnica do projeto

Até o fim de novembro, a Trensurb deve publicar o edital da licitação para a escolha da empresa que vai fazer o estudo de viabilidade técnica para expansão do Trensurb até Sapiranga, no Vale do Sinos. A estimativa foi definida em reunião na tarde de hoje entre o diretor-presidente da Trensurb, Humberto Kasper, o secretário executivo do Ministério das Cidades e presidente do Conselho de Administração da empresa metroviária, Alexandre Macedo, e o deputado federal e coordenador da bancada gaúcha na Câmara, Renato Molling.

O valor investido no estudo, de R$ 2 milhões, já está no orçamento da empresa, conforme o diretor de Administração e Finanças, Leonardo Hoff. Ele ressaltou a importância da expansão da Linha 1 para moradores do Vale do Sinos, que terão acesso a um meio de transporte econômico e sustentável.

A ideia, segundo o deputado Renato Molling, é a criação de mais quatro estações, duas delas ainda em Novo Hamburgo, no bairro Canudos e na Universidade Feevale, uma em Campo Bom e a última em Sapiranga.

A prefeita eleita de Sapiranga, Corinha Molling, projeta uma espécie de volta ao passado, mas com tecnologia. Ela relembrou a época em que havia uma linha de trem ligando Porto Alegre a Gramado, na Serra, julgou a Trensurb competente para assumir o desafio e, com isso, reduzir o trânsito nas rodovias federais. Já o prefeito reeleito de Campo Bom, Faisal Karam, lembrou que a expansão da Trensurb até a estação Santo Afonso, em Novo Hamburgo, levou quase três décadas. Ele salientou que o projeto está na fase de estudos e defendeu que seja acelerado.

Ainda segundo o prefeito, toda a comunidade do Vale do Sinos sai ganhando se a expansão for aprovada. Conforme Karam, os usuários da BR-116 terão o fluxo reduzido e as empresas da região poderão deslocar os funcionários por um custo menor e com maior qualidade. O deputado Renato Molling salientou que o transporte é seguro e barato. Já a prefeita eleita de Sapiranga lembrou que o projeto vai encurtar distâncias e que estudantes serão beneficiados.

A expectativa é de que a linha seja estendida em mais 16 ou 17 quilômetros, a um custo de cerca de R$ 2 bilhões. Os 9,3 quilômetros da expansão da linha entre Porto Alegre e a Santo Afonso, em Novo Hamburgo, custaram metade desse valor. Segundo Molling, o valor deve variar conforme o método escolhido, subterrâneo ou aéreo, por exemplo. O parlamentar salientou que a passagem é subsidiada pelos governos por conta da importância social. Por isso, o custo do transporte é barato e o projeto só se torna lucrativo, para a Trensurb, no longo prazo.

Rádio Guaíba / Correio do Povo



Categorias:Trensurb

Tags:, ,

39 respostas

  1. O trensurb poderia ir até Taquara. Poderiam reativar antigas locomotivas e refazer o percurso Taquara-Canela, no mesmo estilo da Ferrovia do Vinho. Para evitar inconvenientes para os cidadãos, aproveitar o percurso da RS-239, sem prejudicar o centro das demais cidades.

    Curtir

  2. Acho interessante e acho que não sobrecarregaria, por uma principal razão: o movimento de Campo Bom/Sapiranga é basicamente pra Novo Hamburgo e, menos, pra São Leopoldo. Não é pra ligar Sapiranga a Porto Alegre.

    E nesse sentido pode acabar sendo complementar. Justamente em SL/NH onde os trens vão esvaziando, tem-se um movimento extra pra Campo Bom e Sapiranga.

    Curtir

  3. Isso aqui já seria fantástico: http://i.imgur.com/uSAIP.jpg
    Vermelho é o Trensurb que existe, verde é o trecho até Sapiranga que querem construir e azul são as minhas ideias de linhas férreas partindo de Novo Hamburgo, servindo de hub de operações de trens no RS.

    Curtir

    • Interessante tua ideia lucas, mas não sei se concordo. Quero dizer, sem dúvidas as cidades abrangidas na tua ideia fazem sentido num contexto de trem regional de passageiros, mas tenho impressão que a topografia favoreceria mais algo como:

      1) Uma linha Porto Alegre-Osório, saindo ali pela Fiergs com uma bifurcação para Tramandaí e outra para Capão da Canoa. O terreno até o litoral é praticamente plano, e poderíamos interconectar a praia com trens menores (estilo bonde), a exemplo do De Kusttram da Bélgica[1]. Essa linha obviamente bombaria no verão, e ajudaria a reativar as praias, hoje contaminadas pelos condomínios fechados de luxo.

      2) Uma linha saindo de Porto Alegre para Pelotas e Rio Grande. A ponte nova do Guaíba poderia também ter trilhos para os trens cruzarem o rio, isso é supercomum mundo afora. Essa linha teria fortes oportunidades de carga, em função do porto de Rio Grande.

      3) Uma linha saindo de Porto Alegre para Santa Maria via Rio Pardo, cruzando o Guaíba também pela ponte.

      4) Em algum ponto da história, já existiu uma linha de trem conectando Porto Alegre à Caxias, via São Leopoldo e Montenegro. Seria fantástico se tivesse um jeito de reativá-la.

      [1] http://en.wikipedia.org/wiki/Belgian_coast_tram

      Curtir

      • É que isso implica em ter o hub em porto alegre, eu só falei de NH porque é mais longe e vazio.

        Curtir

      • Mas é óbvio que ir de POA pra Osório é muito mais barato e rápido, seguindo paralelo à free-way…

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: