Mudança na licitação prorroga obra do aeromóvel em Porto Alegre

Nova alteração no cronograma elevará valores para conclusão do projeto

Conclusão da obra está prevista para primeiro semestre de 2013 Crédito: Paulo Nunes

A inauguração do primeiro aeromóvel comercial do Brasil, que deverá fazer a ligação entre a Estação Aeroporto do Trensurb e o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, foi novamente prorrogada. A conclusão das obras prevista inicialmente para ocorrer em janeiro deste ano, depois adiada para a metade de 2012, agora está prometida para o final do primeiro semestre de 2013 e com custo de R$ 5 milhões além do orçado, que era de R$ 29 milhões.

Conforme o diretor-presidente da Trensurb, Humberto Kasper, que coordena o empreendimento, a mudança em uma das licitações gerou o atraso. A obra é composta por quatro contratos: o primeiro com a Aeromóvel Brasil, empresa gaúcha responsável pela tecnologia, pelo projeto e pelo sistema de propulsão, com todos os controles em funcionamento. A empresa carioca T’Trans ficou responsável pela produção de dois veículos, um com capacidade para 150 e outro para 300 passageiros, ao custo de R$ 2,81 milhões. A Premold, de Sapucaia do Sul, venceu a licitação da construção da via por R$ 7,22 milhões. A Rumo Engenharia deve finalizar as duas estações por R$ 3 milhões.

Segundo Kasper, a licitação da empresa dos dois terminais causou os atrasos. Inicialmente, a vencedora foi a Arcol Engenharia, que ofereceu o serviço por R$ 2,27 milhões, assinou o contrato em novembro de 2011, mas depois desistiu. A nova empresa contratada, a Rumo Engenharia, assinou o contrato quase um ano depois, em junho de 2012, e teria que entregar a obra em seis meses, até dezembro deste ano. Além disso, o custo do projeto subiu dos R$ 2,27 milhões proposto pela Arcol, para R$ 3 milhões.

A T’Trans Sistemas de Transportes deveria entregar os veículos em outubro do ano passado, já que assinou o contrato em abril de 2011 com prazo de seis meses. A Premold firmou a empreitada em maio do ano passado, com previsão de oito meses para construir a pista, mas o prazo venceu em janeiro de 2012. Somando os valores dos três contratos citados, chega-se à cifra de R$ 13 milhões, quase a metade dos R$ 29 milhões orçados para o projeto no ano de 2011. Hoje, o investimento previsto alcança a casa dos R$ 34 milhões. ‘Estamos com todas as etapas sendo finalizadas simultaneamente e, na metade do ano que vem, estaremos com os testes concluídos e poderemos começar as viagens’, declara Kasper.

Correio do Povo



Categorias:Aeromóvel

Tags:,

40 respostas

  1. 2,81 milhoes? por dois trens?duas estações…3 milhões….vão ser feitos de que…ouro?é impressão minha ou ninguém está notando que estes preços estão fora da realidade….

    Curtir

  2. concordo Pablo..o blog piorou muito em termos de qualidade de comentários..antes os comentários eram mais propositivos e atualmente viraram richas ideológico partidarias. é uma pena, pois admiro muito a qualidade do blog e do Gilberto em mante-lo

    Curtir

    • Obrigado pela parte que me diz respeito. Mas depende de nós mesmos aumentarmos a qualidade das discussões. Vamos tentar aumentar então?

      Curtir

    • Caro Sebá.
      .
      Não acho que piorou, tentar comentar assuntos pertinentes à evolução de uma cidade sem ter que tocar em assuntos ideológicos é tanto impossível como uma mentira (não estou falando que as pessoas que tentam isto são mentirosas, que fique bem claro!). Não podemos separar a concepção urbana da ideologia que a sustenta, isto é conhecido a mais de 2 séculos.
      .
      Nota-se isto principalmente na arquitetura de países totalitários, que sendo de extrema direita ou esquerda são muito semelhantes.

      Curtir

  3. Cara…to achando que tem assessor de politico e também de partidos comentando aqui no blog…

    Curtir

  4. O aumento dos custos até não me assustou muito… Já vi casos muuuito mais graves em PoA. Por outro lado o atraso me parece muito maior que costumamos ver em obras de porte médio, como essa.

    Curtir

    • Só para embasar o que eu digo:

      “Duplicação Tronco Mantido R$ 133,6 milhões 5 obras na 3a Perimetral De R$ 120,4 milhões para R$ 194,1 milhões (+61,2%) Corredor da Padre Cacique De 78,2 milhões para R$ 119,2 milhões (+52,4%) Controle corredores Mantido R$ 13,7 milhões BRT Protásio Alves De R$ 53 milhões para R$ 77,9 milhões (+46,9% ) BRT João Pessoa (substituiu Assis Brasil) De R$ 28 milhões para R$ 64,5 milhões (+130,3%) Duplicação Voluntários De R$ 30 milhões para R$ 95,3 milhões (+217,6%) Extensão Severo Dullius De R$ 24 milhões para R$ 83 milhões (+245,8%) Complexo rodoviária De R$ 21 milhões para R$ 31,5 milhões (+50%) BRT Bento Gonçalves De R$ 23 milhões para R$ 52,7 milhões (+129,1%) O valor passou de R$ 524,9 milhões para R$ 865,5 milhões, variação de 64,8%”

      Fonte: http://www.controlepublico.org.br/index.php?option=com_content&view=article&Itemid=54&id=2320:ajustes-elevam-em-65-custo-das-obras-da-copa-em-porto-alegre

      Curtir

  5. Quem já fez reformas em casa sabe que qualquer obra sempre custa mais caro e mais demorado que o planejado.

    Curtir

    • Ou seja, um pouco de atraso em obras é normal. O que não é normal é uma obra pública demorar mais de 3x o tempo previsto, como por exemplo a duplicação da BR-101.

      Curtir

    • Mas nunca ao ponto de ficar algumas centenas de milhões, como é o caso da maioria das obras publicas do nosso pais.

      Curtir

    • Acabei comentando algo parecido ali em baixo… A variação de preços não me parece tão exorbitante. O atraso sim, esse me parece grande.

      Curtir

  6. São orangotangos que tão construindo essa merda? Tanto tempo para fazer 900m de uma coisa tão simples.
    Na China isso seria feito em menos de seis meses.
    Por que só assinaram o novo contrato depois de um ano? A empresa que desistiu não será penalizada?

    Desculpem, mas é de se indignar a demora para fazer as coisas por aqui.

    Curtir

    • Perceba, a construção da via do aeromóvel – os 900m que referes – está em ritmo aceleradíssimo, praticamente entregue. O que vai atrasar o projeto é a construção das estações. O diabo é que justamente a construção da estação deveria ser a parte mais fácil de todo o projeto; em termos de engenharia, basicamente construir um prédio de dois andares, qual é o mistério nisso?

      Curtir

      • Claro, me referi aos 900m no projeto como um todo.
        Infelizmente quando várias empresas estão envolvidas, a falha de uma reflete no projeto inteiro. Aos olhos dos maiores interessados que são as pessoas que vão usar, o que importa é que comece a operar logo.
        Pois bem como esse é um projeto piloto, espero que as falhas não se repitam nas futuras linhas.

        Curtir

    • Seis meses? Acho que na china fariam em 3 meses…

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: