A falta que faz o trem

O maior problema logístico do Brasil é a a falta de ferrovias para transportar a produção. E por isso toda comparação com outros países fica prejudicada. É quando se compara, por exemplo, o Brasil com os EUA.

O Rio Grande do Sul gasta 18% de tudo o que produz – do PIB – para transportar a produção. Os EUA só 8,5%. E o gasto maior é com o transporte de longa distância. Nos EUA e Europa é feito por trem. Aqui pelo caminhão. Um trem carrega sozinho mais de 3 mil toneladas de produtos em uma única viagem. Ele substitui quase 100 caminhões. Outro desperdício é o pouco uso dos rios e lagoas, onde o Rio Grande do Sul tem a maior malha navegável do país, hoje um pouco menos abandonada porque usada por embarcações do polo petroquímico. Mas os calçados e outros produtos exportados vão ao porto de Rio Grande, levados ao longo da Lagoa dos Patos em caminhões.

Affonso Ritter



Categorias:ferrovias, Meios de Transporte / Trânsito

Tags:, , , ,

17 respostas

  1. Compartilho da opinião sobre a necessidade de investimento na infra hidro e ferroviária.
    Na realidade é difícil nominar qual é o maior problema logístico do Brasil.
    Se pudesse opinar sobre o estilo da redação eu diria que matérias que começam com “o maior”,”o melhor”,”o pior” acabam por cair em descrédito por não citar a fonte.
    Temos vários outros problemas logísticos no Brasil. Falta de ferrovias e hidrovias é apenas um deles.

    Curtir

  2. 1% do PIB investidos anualmente em trens e metrôs, tenho certeza, revolucionariam o sistema de transporte brasileiro em 20 anos.

    Curtir

  3. E ferrovias e hidrovias pra passageiros? Também fazem falta, apesar de provavelmente não movimentarem tanto dinheiro.

    Curtir

    • Movimentam dinheiro sim, Fernando, se esse é o objetivo. Só deixa de movimentar o dinheiro que poderia ser investido em educação e urbanismo, por exemplo, o que contribui positivamente no grau de felicidade da população (algo que o PIB não mede, infelizmente).

      Curtir

  4. O lobby rodoviário é forte no país, como já foi abordado nos comentários. O transporte ferroviário além de mais econômico garante uma melhor manutenção de nossas estradas pois retira destas os pesados caminhões e bitrens que contribuem (juntamente com a péssima qualidade construtiva de nossas rodovias) para a sua deterioração. Ademais, acredito que o transporte rodoviário não morreria, pois a principal característica deste é o deslocamento porta a porta, coisa que não é possível com as ferrovias. Assim, os dois modais são complementares e se tivéssemos um mínimo de planejamento estratégico (ausente há cerca de 30 anos no país), investiríamos em trens, na educação, em metrôs, rede de esgotos, e outros setores nos quais estamos carentes. O problema é que investimentos deste tipo damandam tempo e não são visíveis para serem utilizados em campanhas eleitorais.

    Curtir

    • Lenilton, permita-me ir ainda mais longe em tuas lúcidas opiniões. Precisamos urgentemente de atitudes governamentais fortes, com foco na nação como um todo e não somente em contentar alguns setores em detrimento do país. Necessitamos planejamento estratégico de longo prazo e investimentos em ótimas ferrovias, hidrovias e também rodovias. Optamos pelo transporte rodoviário e nem mesmo temos estradas de qualidade. O transporte aéreo também é um desafio a ser encarado com coragem. Obrigado pela oportunidade. Abraço!

      Curtir

  5. É o medo de perder votos dos caminhoneiros, ja que um trêm iria tirar o emprego de algumas dezenas…

    Curtir

  6. E nos projetos que desenvolveram para acabar com os “gargalos” da infraestrutura de transportes na região sul, são R$15 bilhões em investimentos, e apenas UMA ferrovia.
    Parece que não aprendem…

    Curtir

  7. Enquanto formos uma sociedade que pensa nossos problemas buscando soluções imediatas, conjunturais e fantasiosas (ou atalhos) não investiremos em trens (nem em educação, como outro exemplo), porque seus efeitos, apesar de altamente resolutivos, são a longo prazo.

    Curtir

  8. Revolta do sindicato dos caminhoneiros em 3, 2, 1…

    Curtir

  9. Isso começou com o cartel rodoviário no Brasil, agora vêm os problemas…sucatearam as ferrovias que tinham e por quê? Caminhões “eram o futuro”, agora vão ter que rever os conceitos…Ótimo tópico esse!

    Curtir

  10. A prioridade dada ao transporte rodoviário no Brasil, a partir dos anos 1920, foi um erro. O lobby rodoviário é uma barreira, mas já passou o tempo de defendermos interesses: agora, precisamos defender necessidades.

    É sobre isso que escrevo aqui: “Trem: mobilidade rápida, eficiente e confiável” – http://trilhos.maodupla.org/2012/06/20/trem-mobilidade-eficiente/

    Curtir

  11. Ótimo tópico! Vamos considerar ainda a grande quantidade de acidentes envolvendo caminhões e os problemas de saúde causado pelo rebite (droga que os caminhoneiros usam para não dormir).

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: