Dá para esperar algo lá no mirante, ou melhor, na BOCA Santa Teresa, em uma cidade que age assim ?

Esta semana este blog postou a matéria O ex-belvedere do Morro Santa Teresa, o mirante que Porto Alegre rejeita, pode ter fácil solução , em https://portoimagem.wordpress.com/2012/11/15/o-mirante-que-porto-alegre-rejeita-o-do-morro-santa-teresa-tem-solucao/

Mas, tristemente,  os atos que assistimos nesta cidade mostram somente o caminho contrário:



Categorias:Outros assuntos

114 respostas

  1. Herdeiros de sesmarias?

    Olha as conversas… kkkkkkkkkkkkkk. Esse deve ter ido colocar fogo no relógio dos 500 anos.

    Por mim que botem abaixo as mansões irregulares também, um erro não justifica o outro.

    Querem passar a mão na cabeça dos invasores infratores, depois não reclamem dos políticos corruptos.

    Curtir

    • “Por mim que botem abaixo as mansões irregulares também, um erro não justifica o outro.”

      Bora então mobilizar a remoção da aristocracia invasora, dando 50 mil para cada um construir um replacement em Alvorada.

      Curtir

      • Como?

        Essa “aristocracia invasora” estaria ainda mais falida, se não vivesse do PROSTIBULISMO estatal e cacarejando na linha de frente desses movimentos xiitas de PoA.

        Marta Suplicy Way of Life.

        Curtir

    • Exato.

      Não é porque foram cometidos erros no passado que o mesmos devem ser repetidos hoje em dia.

      Senão o caos toma conta.

      Curtir

  2. Olha, sou muito a favor de uma reforma urbanística e turística no morro Santa Teresa. Mas não vamos misturar as coisas.

    Porque não regularizar as moradias, oferecer infraestrutura urbana digna (saneamento básico, projeto urbanístico), limitar fisicamente o terreno para evitar futuras expansões sobre a mata nativa, fortalecer a segurança pública no local e, ao mesmo tempo, construir um belo mirante, de significado arquitetônico relevante, com praça de alimentação e outras pequenas atrações culturais relacionadas à cultura popular brasileira? Seria um sucesso para os turistas e ofereceria ocupação para a população local marginalizada.

    Eu acredito ser possível! Temos que pensar grande.

    Chega de segregar para “progredir”, isso é ilusório e ultrapassado. Isso só vai levar a favelização para outro local. Vai gerar um imenso transtorno para essa população que há DÉCADAS mora lá e que os governos sempre deixaram à margem (seja para despejar, seja para melhorar a vida dessas pessoas e regularizar suas situações).

    O reacionarismo desse blog chegou ao máximo. É uma pena.

    Curtir

    • Regularizar as moradias?

      Isso é oficializar as invasões, e chama-se IMPUNIDADE.

      Curtir

      • Fale isso aos herdeiros de sesmarias, aos invasores da orla que construíram clubes e mansões na mão grande criando praias particulares. Cara, não quero acabar com as sedes campestres e com a vista de meia dúzia de privilegiados, mas, caramba, se reconhecemos a posse deles, por que não reconhecer a posse de quem ocupa de fato as terras por décadas?

        Hashtags: #umpesoduasmedidas, #osreacionarios #arenavive

        Curtir

      • A questão não é tão simples assim. Nem tudo se resolve no “certo ou errado”, acredito que as coisas não são tão absolutas. Erros geram erros como consequência. Por exemplo: Escravidão. Abandono estatal e social aos ex-escravos. Estado trabalhando apenas para minorias poderosas. Essa é a maior parte da história do país. A marginalização não depende apenas da má índole, é consequência natural dos erros do passado. As coisas estão melhorando aos poucos, mas obviamente os problemas ainda existem.

        Questiono:
        Ser marginalizado no morro Santa Teresa é problema?
        Ficar em situação de marginalização num blocão de condomínio popular construído pela prefeitura no, sei lá, no Serraria, daí, não tem problema?

        Admitam… Muitos de vocês não querem a remoção daquelas pessoas para melhorar a vida delas (problema mais grave). Vocês querem a remoção delas para confortar os olhos de vocês, para melhorar “a imagem” de POA. Não os culpo. Isso é natural. Eu mesmo me pego pensando assim às vezes. Mas não dá pra ser.

        Curtir

    • Acho que vc nao sabe o que é reacionariasmo. Por definicao, reacionário é o oposto do progressitas, ou seja, quem quer voltar ao passado.
      Conservador: o presente é bom, contra mudanças
      Progressista: o passado é ruim e o presente também, precisamos de progresso
      Reacionário: o passado é bom e o presente é ruim, temos que voltar ao passado.

      Se quiser criticar, critique, mas pelo menos empregue as palavras bem.

      Curtir

      • Não acho que está errado. Depende de interpretação e opinião.

        Para mim, tirar aquele povo do morro é um retrocesso. Mantê-los ali e melhorar a vida deles é progressista. Qualquer força que atuar a favor da retirada do povo do morro é reacionária, é reação contra uma movimentação progressista (manter o povo no morro e oferecer a eles melhores condições de vida).

        Curtir

      • Remover pobres de áreas nobres para a periferia não é uma idéia nova ou progressista, é algo que acontece há séculos e não resolve nada. Progresso é eliminar a pobreza dando qualidade de vida a todos.

        Curtir

        • Progresso só ocorre quando cada um tem a certeza que não ganhará NADA de graça, sem esforço, e muito menos infringindo as leis. Só assim o indivíduo se esforçará ao máximo para estudar e assim ser produtivo para a sociedade, gerando riqueza para ele que depois ele compartilhará com outros a medida que gastar seu capital.

          Opa, usei a palavra proibida ali no final, não?

          Curtir

  3. A favela vai tomar então todos os pontos nobres de Poa? O pobres invasores querem morar bem? E não pagam iptu e muitas outras coisas tb ! Esses locais invadidos que pertencem ao governo e não ao império nas mãos dessas pessoas que querem a posse e estão lá a 50 anos, nós já sabemos como é o local, é um LIXÃO, TRÁFICO, GATOS DE ÁGUA E LUZ, ASSALTOS e seus BATISMOS de : O BURACO QUENTE e sei mais lá o que.
    VIVEMOS EM UM MUNDO CAPITALISTA, CAPITALISTA… Cada cidadão tem o que pode.Temos que melhorar a nossa cidade cada vez mais, usufruindo de coisas inimagináveis que o mundo capitalista propõe e que há décadas só podemos ver em revistas ou viajando para fora da capital que perde em vários aspectos, até para a cidade de Osório. O morro é nosso? E quem for lá vai ser assaltado ou no mínimo expulso. Engulam a seco ou procurem um País socialista, eu vou ser o primeiro a ligar a patrola as 4 da manhã e passar sobre as malocas do local mais lindo de Porto Alegre que há 50 anos é um LIXÃO.

    Curtir

    • “Polêmico” mas falou tudo!

      Curtir

    • E mandar os moradores do morro para Alvorada, por acaso, não vai fazer com que o crime chegue até lá assaltando violentamente os turistas que forem a Morro Santa Teresa versão Padre Chagas? Não vejo como uma maquiagem europeia no morro dará mais segurança à população. Parece-me que se estimulam as tensões, o ódio entre periferia x área nobre. O “eu curto, eu cuido” só vai funcionar quando mais uma oração for acrescentada ao slogan: “eu faço parte, eu curto, eu cuido”.

      Curtir

    • Ninguém quer “pena”. O que se quer é regularizar as propriedades, ponto. Por que? Porque uma pessoa não pode ter conta de água, luz, iptu e o cacete se o governo não reconhecer a posse. Sim, um preto vai lá e ergue sua casa no morro por sua própria conta e vocês aqui acusando de babaquices como “coitadismo” ou “comunismo”. Comunismo seria fazer o que muitos de vocês acham correto de expulsar as pessoas de suas vidas e mandar longe num buraco habitacional feito em bloco, tudo em nome da limpeza. Sério, se alistem no PC do B. E claro que como bons comunistas, vocês acham que essas terras que o estado nunca exerceu qualquer benefício devem pertencer só ao estado, já os cidadão que ali trabalharam devem ser enviados para um Gulag. Ligar patrola? Olha a imaginação, depois não entendem a razão das associações comunitárias terem muito mais emprenho que os leitores do blog. Vejam aquelas pessoas lutando pela posse de suas próprias casas, pois elas sim tem muito mais respaldo que a maioria de nós que por bem ou mal já esta estabelecido na vida, sem problemas graves como o risco de perder seu patrimônio. Sério, quantos aqui já precisaram de um OP, ou buscaram por vereadores, assembleias ou algo do tipo devido algum problema social? Por que vocês não levantam a bunda da cadeira? Podemos ir lá acompanhar o que os moradores tem a dizer. Eu minimamente faço minha parte pra acompanhar esses processos e sempre me impressiono com a incrível facilidade de acessar altos níveis da burocracia e conversar com os vereadores demonizados do PSOL, PT, PSTU até o tal do Fortunatti já veio apertar minha mão, e garanto que qualquer um aqui mudará sua opinião quando começar a ver o problema de dentro.

      Curtir

  4. Acho interessante que esse grupo de pessoas quer impor a ideologia socialista pela esfera municipal. Eu, apesar de ser contra esse socialismo, acredito que eles tenham direito de “lutar”, desde que seja pela esfera nacional, “lutando” por educação, saúde e transporte público de qualidade para que os pobres não precisem invadir morros, mas não, essas pessoas preferem uma política ao contrário só para mostrar que são-rebeldes-e-pixam-o-símbolo-do-anarquismo-em-qualquer-parede. Afinal, é muito mais fácil criticar a classe-média-machista-patriarcal-preconceituosa-rascista-fascista-reaça por ter aversão a pobres do que dar condições de vida dignas a esses.

    Curtir

  5. Quando se criar uma favela naquele morro ocupando-o integralmente como no RJ, ai eles ficarão felizes.

    Curtir

  6. Gilberto
    Poderiamos lançar um abaixo assinado aqui no site
    Se existe um contra, lancemos um a favor.
    Não duvido que existam muito mais pessoas a favor, o problema é que esses poucos fazem mais barulho.

    Curtir

  7. Baita Relato Lenilton… deixou às claras as coisas… tenho maior vontade de conhecer o morro .. mas vai saber se vou voltar integro.. Aquilo já está privatizado mesmo… por marginais.. Agora imagine uma rua com comércio, bares, lojas .. tal como é a Pd Chagas ou a Lima e Silva.

    Curtir

    • Eu fui mostrar o mirante para uma namorada há poucos anos atrás e tinha uma poça de sangue nele…

      Curtir

  8. Bueno pessoal. Minha família mora no morro a cerca de 35, 40 anos. Em 1997, saí de Porto Alegre em virtude de minha profissão, mas sempre que posso retorno à casa dos meus pais. Lembro que quando eu era pequeno, não existiam a quantidade de favelas que existem hoje. É aquela história: ocupam ilegalmente e a prefeitura legaliza. Coisas da terra brasillis. Já em 95, a situação começou a se deteriorar na região e a violência começou a ficar assustadora. O mirante, por exemplo, deixou de ser um ponto a ser visitado em virtude da privatização do mesmo por parte dos marginais que habitam as redondezas, que sequer te deixam em paz. Ou seja, eu, cuja família mora no morro LEGALMENTE há mais de 3 décadas não posso dizer que o morro é meu, muito menos nosso. A solução para o local é a remoção das famílias que habitam a área, fruto de invasões (com indenização, já que foram erroneamente legalizadas), e a revitalização da região que, certamente, é o ponto mais bonito de Porto Alegre, porém, não é nosso.

    Curtir

    • Perfeito comentário. Agora imagina o anúncio: VAMOS REMOVER AS FAMILIAS QUE HABITAM O MORRO ILEGALMENTE DEVIDO A INVASÕES. Como seria a repercussão! Mas depois que vi o número de adoradores de invasões, apoiando o tal “O Morro é Nosso”, a remoção e revitalização, NUNCA, vai ocorrer, infelizmente, e eu moro no bairro Santa Tereza, bem na frente do Beira Rio, e adoraria que tudo aquilo fosse removido e fazer algo que valesse a pena ser visitado e não correr risco de vida!

      Curtir

      • Sim, daí vem os defensores, o famoso “coitadismo”, dizendo que essas famílias são pobres coitadas que não tem pra onde ir, que não podem ser removidas dali porque irão para bairros distantes e tal…..

        Curtir

        • Mas obvio, eles ja tem o trabalho deles la, onde mais eles iriam vender a pedrinha de crack?
          hahaha

          Por que usar a desculpa de trabalho, a vila fica no fim do mundo, acho que não tem desculpa né?

          Curtir

    • Curti que apenas as famílias que invadiram a área devem ser removidas. Amigão, se a situação dessas famílias foi legalizada (erroneamente ou não) vocês estão no mesmo barco.

      Curtir

    • Sim, aqui esta um raro cidadão que por sorte nasceu numa família de moradores legalizados do morro. Pois bem, eu não preciso ser o Rogério Maestri para lembrar que nossas terras públicas são herança do império, isso significa dizer que elas nada mais são que uma legítima continuidade de um papel onde um rei dizia quem podia ser dono das terras do Brasil. Pois bem, uma gigantesca linhagem de escravos trazidos a força nunca teve um maldito papel. Assim, se passaram gerações de sobreviventes até chegarmos na tia Emília que trabalha de merendeira na minha escola. Muito provavelmente ela é moradora ilegal do morro. Então surge uma turma que acha que ela deve ser expulsa de sua casa para resolver a violência e embelezar o lugar, justificando que ela não tem um papel que a reconheça como dona. Eu só devo lembrar que melhorar a vida dos moradores do morro e melhorar o urbanismo do local não são coisas excludentes.

      Curtir

      • Ninguém tá defendendo que eles devem ser retirados de lá e “ser atirados a sorte do destino”.

        A prefeitura não oferece moradias? não paga pelas desapropriações?

        Curtir

      • Óbvio, sair de cima do morro e morar do lado dele ia destruir vidas. Mesmo em moradias melhores, com colégio perto e praças.

        E daí que as terras públicas são herança do tempo do império?

        Curtir

      • E essa história de que os antepassados não foram privilegiados é pura desculpa pra que tenham pena dessas pessoas.

        Minha mãe veio (junto com os outros 11 irmãos dela) de SC pra cá sem ter o que comer, passou uma infância miserável e literalmente comeu o pão que o diabo amassou.

        Mas nem por isso ela saiu por aí invadindo áreas que não eram dela. Trabalhou, batalhou para ter o que comer e onde morar até casar com meu pai, onde juntaram seus esforços para ter uma casa digna, e uma VIDA digna.

        Curtir

      • Grande Glauber. Uma coisa não exclui a outra. Quem quer que Porto Alegre se torne uma grande Padre Chagas não tem a mínima noção de pluralidade cultural.

        Isso não quer dizer que o lixo, as casas caindo aos pedaços, a falta de infraestrutura faça parte da cultura da favela. A favela agradeceria de bom grado a vinda de iluminação pública, rede de esgoto e elétrica, comércio, etc.

        Eu consigo ver beleza nessa desordem arquitetônica, só falta um pouco de incentivo para que surjam bares, artesanatos, restaurantes, pousadas, turismo e construções dignas. Se toda a cidade tivesse jeitão de Padre Chagas, seria um saco, na boa.

        Eu tenho curiosidade de frequentar uma favela urbanizada, ouvir funk, capoeira, samba, manifestações culturais a céu aberto, tudo isso com segurança. Seria uma opção de turismo em Porto Alegre para quem vive em Porto Alegre. Da mesma forma, essas pessoas poderiam aos poucos ter condições financeiras de fazer turismo na Pe. Chagas. Essa troca cultural é que me empolga. Isso é que é o verdadeiro potencial turístico da cidade. É a cantina italiana, o restaurante açoriano, o ar aristocrático do Moinhos, o bucólico dos caminhos rurais e, por que não, a favela segura e urbanizada?

        Curtir

      • A questão, claro, não é a simples remoção à revelia das famílias. Corrigindo o erro, não podemos fazer generalizações. Mas o fato é que para se prevenir este tipo de situação, seria necessário evitar as invasões. Para isso deveríamos dar mais oportunidades de emprego para a população, mas isto demanda a diminuição do tamanho absurdo do Estado e etc. Ademais, caberia a remoção com a indenização compatível para que estas pessoas pudessem obter condições de adquirir um novo imóvel. Evidente esclarecer que de nada adianta retirá-los e colocá-los em outro local, pois estaríamos transferindo o problema para outra região.
        É necessário, pois, toda uma reestruturação do Estado e dos custos que se tem de se gerar empregos neste país.
        Não obstante, é imperioso ressaltar que muitas dessas pessoas que décadas atrás invadiram as áreas do morro (e tantas outras em Poa e no Brasil) são massas de manobras (fruto de sua ingenuidade e ignorância) para que facções políticas e organizações de interesses obscuros pudessem chegar ao poder e ter nessa população seu curral eleitoral. Ressalta-se, ainda a supremacia do interesse coletivo sob o privado neste caso. Se hoje a posse da terra é privada não significa que, diante do interesse público, desapropriações não possam ocorrer. Note que não sou a favor do repasse destas terras à iniciativa privada por intermédio do poder público, se confirmado o direito de usucapião. A área deve ser revitalizada sim, mas por intermédio da construção de melhorias que atendam ao interesse coletivo, como a revitalização do mirante, centro de eventos, teleféricos, parque e etc. Porém, se a lei garante por usucapião a posse das terras aos atuais donos, nada impede uma Rossi da vida de comprar toda a região, o que, a meu ver, seria um desperdício. Concluindo, com ou sem desapropriações, o governo precisa retomar este território perdido, pois queiram ou não queiram, ele é hoje dominado pelo tráfico de drogas e refúgio de marginais que, pelo poder da violência e econômico do tráfico, acabam dominando a população inocente. A título de esclarecimento, minha família mora na contra encosta do morro em relação ao Guaíba, próximo à Cruzeiro.
        PS: Quem foi que disse que a República é melhor que a monarquia??

        Curtir

      • Por falar em Rogério Maestri … por onde anda o mestre ?

        Curtir

  9. Sério, eu desisto!

    Só fazendo transplante coletivo de cérebro nessa gente!

    Curtir

  10. Sinceramente, Porto Alegre merece a população que tem, pensam que ainda vivem nos anos 70. Nada aqui é jogado limpo, apenas são contra e pronto…..

    Curtir

    • Mais um que critica sem entender.

      Curtir

      • Marcelo, alguém discordar de ti não faz automaticamente ela “não entender”. Existem opiniões válidas diferentes das tuas.

        Curtir

        • a questão é que o post foi colocado perdido ao vento, sem contexto nem contraponto. se o cara não ler os comentários até aqui, não vai saber que isso é da época que a Yeda queria entregar o morro pras construtoras.

          E até agora ninguém disse o que isso impede de revitalizar o belvedere.

          Curtir

      • Ou é tu que não entende?
        Ja que a maioria é afavor das obras na orla….

        Curtir

        • Uma vez eu vi uma pixação excelente que dizia: “Milhões de moscas não podem estar erradas: coma merda”.

          Mas na verdade, os freqüentadores deste blog estão longe de ser a maioria da população de POA

          Curtir

    • Um crítica acertadíssima.

      Curtir

      • Se for pra fazer média por blog, pega os blogs da tua turminha e ve a diferença de acessos.
        hahaah

        É só sair na rua, conversar com o povo, tocar no assunto, é facil de ver essa diferença.

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: