Na década de 70, a Rua da Praia tinha flores e era limpa

Vejam esta foto digitalizada de um material institucional sobre Porto Alegre, de 1976, na época do prefeito Guilherme Socias Vilella. A publicação era para divulgação da gestão do prefeito e de empresas que patrocinaram.

O calçadão da rua dos Andradas (Rua da Praia) possuía grandes vasos com flores, e era relativamente bem organizada, limpa.

rua-da-praia-dec-70-02

Outra foto do mesmo material mostra também o piso, sem remendos.

rua-da-praia-dec-70-01

Os quiosques esféricos de bancas de revista e os ‘orelhões’ em acrílico, de certa forma modernos e ousados para a época, ficaram somente na lembrança…

Mais uma foto da mesma época, retirada da capa de um guia antigo da CRT.

rua-da-praia-dec-70-03

 

Mais uma foto em preto e branco aparecendo bem os quiosques de jornais e revistas esféricos (retirada do livro Porto Alegre, a Cidade e Sua Formação, Clovis Silveira de Oliveira):

rua-da-praia-dec-70-04



Categorias:Arquitetura | Urbanismo, Revitalização do centro

Tags:, , ,

39 respostas

  1. Votem nos DEM. Eles pelo menos nao sao contra-tudo-contra-todos!!! E provavelmente apoiariam ideias que o pessoal deste blog apoia.

    Curtir

    • pior que é verdade, é o efeito orloff da Europa, a esquerda quebrou a Espanha e agora a direita tem que consertar. não sou maior fã da direita, mas ela sempre prioriza os melhores ao invés dos cumpanheiros

      Curtir

  2. Tempos em que a cidade pensava como uma cidade grande.

    Hoje somos contra tudo… hahaha

    Curtir

  3. Essa é da época em que Porto Alegre representava o que é Curitiba hoje, a cidade mais desenvolvida do país. A grande decadência de Porto Alegre começou nos anos 80 com Collares e se agravou profundamente nos 16 anos do PT. Fogaça fez pouca coisa, a não ser retirar os camelos do centro e Fortunatti anda a passo de tartaruga…

    Curtir

  4. Vendo essas fotos somente reforço o meu sentimento de que o nosso centro (assim como toda cidade) tem um potencial enorme. Com um pouco mais de organização poderíamos ter uma bela cidade. Belas fotos!

    Curtir

  5. Mobiliário urbano de péssimo gosto… Melhor que hoje em dia, mas prefiro modelos mais discretos e menos coloridos. Mas é inegável que a cidade era muito mais aprazível naquela época. Tudo muito bem cuidado, e o melhor: nada de containers com catadores ocupando mais da metade da calçada com seus carrinhos, nada de lixo no chão, lojas decentes, flores, prédios bem cuidados (porque eram novos) etc.

    Curtir

    • VOP, é necessário se dirigir a 40 anos atrás para analisar o mobiliário. E não há dúvidas que era ousado, para uma cidade como Porto Alegre, principalmente comparando-se com os de hoje.

      Curtir

  6. Semana passada eu vi um carro forte GIGANTESCO, sério nunca tinha visto daquele tamanho, andando pela andradas, bem ao lado de onde estão nivelando o calçamento de pedras portuguesas. Pena que eu não tinha uma camera pra tirar foto, parecia um caminhão daqueles do exército.
    Dai eu me pergunto, do que adianta uns arrumarem se continuam passando com esses caminhões ali? Aquela coisa blindada deve ter no mínimo umas 10 ton.

    Curtir

    • O problema é que não teria o que fazer, como iriam levar dinheiro para os bancos?
      A pé?
      Seria loucura….

      Ainda mais que os bancos ajudam muito a manter nosso centro com um bom nivel… ja que são muitas lojas de 1,99 né…
      Claro, tem varias outras, mas os bancos são importantes sim…

      Curtir

      • Na verdade o banco “mata” o local no qual ele está inserido porque ele só funciona das 10h as 16h.Se dependesse só do banco,só haveria circulação de pessoas nesse horário.O importante para uma região é trazer as pessoas para seu entorno,consequentemente trazendo vida para o local a qualquer hora do dia.

        Curtir

        • Os caixas não funcionam nesses horarios, mas dentro dos bancos ficam pessoas trabalhando como em qualquer outro trabalho.

          Para dar vida, precisa de prédios residenciais, segurança e higiene, e isso tudo o centro não tem.

          Curtir

      • Acho que deveriam tirar os Bancos da rua da Praia,e por em outras ruas, pra poder ter canteiros com flores como tinha antigamente, afinal nossa rua da Praia sempre será istórica para PORTO ALEGRE.

        Curtir

    • Todos os dias pára um carro-forte ao lado do Café do Mercado do Largo Glênio Peres. Um dos motivos que me fizeram parar de frequentar o local foi o clima pesado de seguranças com armas pesadas ao lado do café, além do cheiro de diesel queimado que toma conta de tudo. Sem falar no risco de um erro de interpretação do guarda levar a um acidente com morte.

      O dinheiro tem que se digitalizar de vez – mas aí a sonegação e a evasão de divisas acabam, então vai demorar…

      Curtir

      • Eu trabalho no prédio onde fica o Sicredi na Andradas, então todos os dias eu vejo o carro forte aqui na frente. Esses dias quando os guardas tavam trazendo o dinheiro uma lampada caiu no chão (parece coisa do filme “premonição” mas foi verdade), com o estouro os guardas todos puxaram as armas, não sei como não aconteceu uma tragédia.

        Curtir

  7. Olha o “orelhao” como era. Na ultima foto a esquerda. Ate’ que era legal!

    Curtir

  8. Caraca! Veja o chão! lisinho! Sem uma rachadura ou cimento!

    Curtir

  9. Se bem que era no tempo do Vilela, sempre achei que ele não tem o reconhecimento que merece. Provavelmente por ter sido bioônico.

    Curtir

    • Sim Felipe, nessa época todas as capitais do país e outras “áreas de segurança nacional” (como Canoas e Santa Maria, devido as bases aéreas) tinham seus prefeitos nomeados pelo governo estadual.

      Curtir

  10. Meu deus, o que aconteceu de lá pra cá??

    Curtir

    • 16 anos de PT. Isso foi o que aconteceu.

      Curtir

      • ISSO FOI ANTES DO PT. “Agora” ja se passaram 16 anos deste cancer. Aparelharam a prefeitura, so’ esperando esta gente desgracada morrer ou se aposentar.

        Curtir

        • Lógico que foi antes do PT, tu não entendeu o q quis dizer?. Quando o PT entrou tudo foi pro saco lentamente. Isso.

          Curtir

      • Sou apartidário. Devo discordar dessa afirmação. O mesmo aconteceu com o centro de Canoas (e isso bem antes do atual prefeito – que é do PT – assumir o cargo). Essa “maloqueirização” do centro é endêmico tanto em Porto Alegre quanto em Canoas. Independente do partido do prefeito, a culpa é da prefeitura que deixou chegar nesse ponto, transformando o centro de ambas as cidades numa favela.

        Curtir

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: