Com desempenho positivo, RS apresenta aumento de 6,7% no PIB em 2010

Setores de maior destaque foram o industrial, agropecuário e de serviços

Porto Alegre – O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou hoje pela manhã o Produto Interno Bruto (PIB) dos Municípios 2010, resultado de projeto desenvolvido em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais e a Superintendência da Zona Franca de Manaus – Suframa.

A pesquisa traz dados sobre as variações na participação dos municípios no PIB nacional entre 2009 e 2010, os municípios que concentraram a geração de renda e os destaques no valor adicionado da agropecuária, indústria e serviços. Em evento em Porto Alegre, a Fundação de Economia e Estatística (FEE) divulgou os dados do Rio Grande do Sul.

Em termos de volume, o Estado apresentou, em 2010, um desempenho positivo, com crescimento de 6,7% no PIB. O setor industrial foi o destaque principal, com 9,3%, seguido pelo agropecuário, com 7,9% e pelo de serviços, com 5%.

Entre os dez maiores municípios, segundo o PIB total do RS 2010, estão Canoas, em 2.º lugar, com 6,55% de participação, Gravataí, em 5.º, com 2,80% e Novo Hamburgo, em 7.º, com 2,14%.

Com informações do repórter Amilton Belmonte

Distribuição da riqueza

O PIB brasileiro está concentrado em poucas cidades. Seis capitais são responsáveis por 24,9% de tudo o que o País produz em riquezas. São Paulo detém 11,8% do PIB nacional, seguido por: Rio de Janeiro (5%), Brasília (4%), Curitiba (1,4%), Belo Horizonte (1,4%) e Manaus (1,3%). Somadas, as riquezas dessas seis cidades, que abrigam 13,7% da população, correspondem a um quarto da geração de renda nacional.

Em todo o Brasil, com 5.565 municípios, metade de toda a renda nacional é produzida por apenas 54 municípios. A outra metade do PIB é dividido entre os demais 5.511 município.

De forma geral, as capitais concentram especialmente atividades do setor de serviços, como bancos, financeiras, comércio e administração pública, exceto o caso de Manaus, onde existe uma participação maior do setor industrial, por causa da Zona Franca.

Fora as capitais, 11 municípios se destacam na participação do PIB, todos com equilíbrio entre serviços e indústria, agregando 8,6% da renda do país: Guarulhos (SP), com 1%; Campinas, 1%; Osasco, 1%; São Bernardo do Campo (SP), 0,9%; Betim (MG), 0,8%; Barueri (SP), 0,7%; Santos (SP), 0,7%; Duque de Caxias (RJ), 0,7%; Campos dos Goytacazes (RJ), 0,7%; São José dos Campos (SP), 0,6%; e Jundiaí (SP), 0,5%.

A concentração de renda é um fenômeno presente em todo o País, com maior ou menor grau. Na Região Norte, com 449 municípios, 50% da renda é produzida por apenas seis municípios. No Nordeste, o fenômeno da concentração também é evidente, com 21 dos 1.794 municípios responsáveis por agregar metade da renda regional.

No Sudeste, 50% da renda é produzida por apenas 15 dos 1.668 municípios. No Sul, com 1.188 municípios, 27 deles respondem por 50% da renda. No Centro-Oeste, com 466 municípios, somente Brasília responde por 42,8% do PIB.

Diário de Canoas



Categorias:Economia Estadual

Tags:,

7 respostas

  1. Bah é mesmo, tens razão, está ali no texto. Mas pq o IBGE só divulgou agora? Pq no texto diz “divulgados hoje”.

    Que viagem… Essa informação vai se espalhar por todo o Brasil e todo mundo vai achar que o PIB do seu estado ou município cresceu fazendo contra-informação com o crescimento vergonhoso do Brasil nesse ano.

    Curtir

  2. Obrigado YEDA por este crescimento. Em compensacao, 2012 tera “crescimento” negativo, devido ao desastre que e’ Tarso.

    Curtir

  3. 2010?? Estamos quase em 2013…

    Curtir

    • É que é sempre em relação ao ano que passou. Devem ter compilado os dados de 2011 só agora daí ficou o crescimento de 2010 até 2011.

      Curtir

      • Não, isso aí é 2010 em relação a 2009. Foi o ano que o Brasil bombou. Esses 6,7 são bastante mas abaixo da média do país, que foi 7,5.

        Curtir

  4. Só falta saber para onde vai esse dinheiro…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: