Greve no Beira-Rio: Reunião entre AG e sindicato termina sem acordo sobre salários

Empresa deverá responder nesta quinta-feira ao pedido de reajuste de 15%

Funcionários da obra reclamam por melhores condições de trabalho  Crédito: Tarsila Pereira

Funcionários da obra reclamam por melhores condições de trabalho Crédito: Tarsila Pereira

Os operários que trabalham nas obras de reforma do Beira-Rio afirmam que pretendem permanecer em greve por tempo indeterminado. Uma reunião encerrada no final da tarde desta quarta-feira entre representantes da construtora Andrade Gutierrez e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Construção Pesada do RS (Siticepot-RS) terminou sem acordo sobre o reajuste de 15% nos salários, reivindicado pelos trabalhadores. “A empresa atendeu alguns itens, mas ficou de dar uma resposta amanhã sobre o salário, que é quando vão ter um retorno de São Paulo (sede da empresa)”, disse o presidente do sindicato, Isabelino Garcia.

A empresa aceitou atender algumas reivindicações da categoria. A cada três meses, os trabalhadores terão nove dias para retornar às suas cidades. Hoje são apenas cinco dias. Os funcionários oriundos de estados do Nordeste alegavam não ter tempo suficiente para viajar. Também foram concedidos pagamento quinzenal e reajuste no cartão-alimentação, de R$ 160 para R$ 180.

Os trabalhadores estimam que entre 85% e 90% dos mais de 800 trabalhadores tenham aderido ao movimento. De acordo com eles, os serventes recebem R$ 740 por mês, menor faixa salarial entre os trabalhadores da obra. Os trabalhadores também reclamam da qualidade da comida que é servida, dos colchões disponibilizados nos alojamentos e do atendimento médico. “Tem gente que passa mal e o médico nega atestado. Não dão convênio médico”, relatou o servente Dever Carvalho Fagundes, que está há dois meses na obra.

“O que eles alegam é que o salário na carteira dá R$ 1.020, mas para ganhar isso eu tenho que trabalhar quatro sábados”, afirmou um pedreiro que não quis se identificar. Outro funcionário, que cobria o rosto com uma camiseta para não ser identificado, disse que a greve foi deflagrada após reunião realizada com a direção da AG, na manhã desta quarta. “Quando perguntamos a eles sobre o salário, eles viraram as costas e não deram explicações”, contou.

Policiais do Batalhão de Operações Especiais (BOE) e do 1º Regimento de Polícia Montada (RPMon), da Brigada Militar, foram chamados ao Beira-Rio para garantir a segurança, mas não houve incidentes.

AG diz que não haverá atraso

Pouco antes das 20h, a Andrade Gutierrez se manifestou oficialmente e classificou a paralisação de “pontual”. A construtora garantiu que o cronograma não será afetado. A previsão de conclusão das obras é dezembro deste ano. A crise, conforme a empresa, está sendo administrada.

Correio do Povo



Categorias:COPA 2014, Reforma do Estádio Beira-Rio

Tags:, ,

4 respostas

  1. Vergonha!

    Os operários do BR tem mais é que pararem as obras e reivindicarem seus direitos mesmo, afinal estão sendo completamente explorados pela AG. A mão-de-obra está muito escassa no país inteiro, quero ver a AG demitir e contratar novos. Vai ser muito mais oneroso.

    E convenhamos, a “greve” já vem desde o ano passado, afinal de contas não se vê praticamente nenhuma mudança no BR. As obras estão à passos de tartaruga. Acho muito difícil eles cumprirem esse cronograma de entregar o estádio em Dezembro.

    Ainda falta construir todo o estacionamento, mais da metade das arquibancadas inferiores, reformar toda arquibancada superior, cobertura e gramado, etc, etc.

    Não sei ao certo quantos funcionários existem no BR, mas na Arena eram mais de 2.000 operários em 3 turnos desde janeiro de 2012. No BR deve ser uns 600 funcionários em 2 turnos.

    Tá feia a coisa!

    Curtir

  2. Usando a Brigada, de novo, para um acontecimento particular, e a segurança do inter?Enquanto isso, segurança nas ruas não se vê.

    Curtir

  3. Sou a favor da demissão deles e ponto.

    Curtir

  4. Trinta funcionários e seu sindicato querem falar em nome de todos os operários da obra, mentindo que mais de 90% aderiu à greve e ainda ameaçam trancar o acesso ao Beira-Rio para quem for trabalhar. Sou a favor da greve, se a empresa não cumpre o contrato com os trabalhadores, mas a maneira como esses funcionários estão fazendo essa greve é completamente rasteira…..

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: