Um retrofit para o Edifício Guaspari

Recebemos uns dias atrás um trabalho de conclusão de curso de Arquitetura da UFRGS, da formanda Alessandra Paim.

Desenvolvido sob orientação do Prof.  Luis Carlos Machi, ela idealiza um interessante retrofit de um dos mais prejudicados prédios do nosso centro histórico, justamente por estar coberto por uma “armadura” de metal sujo, oxidado, feio, horroroso, há muitos e muitos anos, impedindo de se ver sua arquitetura art-déco. Isso é lamentável!

Bom, aqui vocês vão ter uma ideia do trabalho da Alessandra, que explica muito bem, com exclusividade para o Blog Porto Imagem, o que ela propõe para este importante patrimônio da nossa cidade.

polo-guaspari-moda-alessandra-paim

EDIFÍCIO GUASPARI – RETROFIT

POR ALESSANDRA PAIM

O quê?

RETROFIT EDIFÍCIO GUASPARI /PÓLO GUASPARI DE MODA

Por quê?

guaspari-antigo-02Visando colaborar com o processo de revitalização do Centro Histórico e com a requalificação de espaços existentes subutilizados, o presente trabalho de conclusão de curso visa a reutilização do Edífico Guaspari, de 1936, projetado pelo arquiteto Fernando Corona para a sede das Lojas Guaspari – tradicional loja de alfaiataria, marco na indústria têxtil de Porto Alegre, ícone da Moda e da Alta costura em seu tempo de vigência, que durou até 1988. O edifício está listado no Inventário do Patrimônio Cultural desde 2008.

A proposta é devolver ao edifício Guaspari o uso e o caráter original através da reinterpretação das suas atividades como casa de criadores, espaço para desenvolvimento, confecção, comércio atacado e de varejo, tornando-o novamente um pólo de criação, um pólo de moda, o PÓLO GUASPARI DE MODA.

Hoje, a moda brasileira consagra-se como um grande negócio, reconhecido internacionalmente. No Brasil, o setor é considerado pelo Ministério da Cultura como uma expressão da diversidade cultural do país e detentora de grande potencial econômico.

Pessoas de diferentes níveis sociais, culturais e econômicos se interessam pelas mesmas tendências e lançamentos regidos pelo mundo da moda.

O QUE SIGNIFICA O TERMO RETROFIT?

Designa o processo de modernização de um equipamento já considerado ultrapassado mantendo as características intrínsecas do bem retrofitado.

Revitalizar e atualizar as construções para aumentar a vida útil do imóvel, através da incorporação de modernas tecnologias e de materiais inovadores acarretando no Renascimento da edificação .

SOBRE O EDIFÍCIO GUASPARI

guaspari-antigo-03Projetado por Fernando Corona em 1936;

Influências arquitetônicas do expressionismo alemão, art déco tardio, engenharia naval; época da industrialização das grandes cidades;

Busca traduzir arquitetonicamente as leis do movimento, como se flutuassem no mar do fluxo das pessoas e carros ;

Contraponto volumétrico do térreo envidraçado com a massa superior;

Forte ar de modernidade – transparência do térreo permite antever a planta livre , estrutura independente da fachada;

Continuidade das esquadrias , esquinas arredondadas;

Fluidez através das esquinas arredondadas;

Ausência de decoração;

Analogia náutica da máquina como símbolo da nova arquitetura.

guaspari-antigo-04Centro Histórico de Porto Alegre – Década de 50/60

Referências de retrofit:

referencia-retrofit-01

referencia-retrofit-02

MARCO NA ARQUITETURA MODERNA DE PORTO ALEGRE

O PROJETO:

a partir de uma planta original de 1936,

guaspari-planta-original-1936

onde posteriormente foram feitos 2 anexos sem importância histórica

guaspari-planta-1948-1958

Tomou-se a seguinte diretriz de projeto: manter o volume histórico respeitando a arquitetura pré-existente, contrapondo-o com a parte nova da edificação, que assume uma linguagem moderna que fica evidenciada pela diferenciação dos volumes através de um recúo envidraçado que separa o novo do antigo. A fim de aumentar a circulação interna e de criar espaços de convívio e de contato com a paisagem do centro, são criadas passarelas envidraçadas externas na parte nova da edificação.

Como coroamento do conjunto, uma grande pérgola traz unidade ao novo e ao antigo amarrando-os os entre si e marcando o retrofit da edificação.

teoria utilizada:

“Restaurar um edifício não é mantê-lo, repará-lo ou refazê-lo, é re-estabelecê-lo num estado completo que pode não ter existido nunca” Viollet Le-Duc

Volume original:

volume-01

Negativo envidraçado:

volume-02

Volume posterior:

volume-03

Passarelas envidraçadas:

volume-04

Adição de um pavimento:

volume-05

Pérgola marcando a intervenção:

volume-06

RESULTADO FINAL:

retrofit-guaspari-por-alessandra-paim (1)

Na cobertura situa-se um restaurante com vista panorâmica, terraços e um memorial do edificio narrando a sua trajetória ao longo dos anos

retrofit-guaspari-por-alessandra-paim (6)

retrofit-guaspari-por-alessandra-paim (7)

No interior da edificação, é criado um vazio central, com elevadores panorâmicos, que permite um contato dos usuários em seu interior, bem como exterior, através de um rasgo na fachada central

retrofit-guaspari-por-alessandra-paim (8)

retrofit-guaspari-por-alessandra-paim (5)

O programa/ distribuição de usos e de fluxos

programa-distribuicao

Atualizar não só a forma, mas também a função original do edifício

Incubadora de moda

Edificação histórica conhecida como ferramenta para transformar marcas desconhecidas em ícones de estilo

MAIS IMAGENS:

retrofit-guaspari-por-alessandra-paim (4)

retrofit-guaspari-por-alessandra-paim (2)

retrofit-guaspari-por-alessandra-paim (3)

Alessandra Paim – formanda em arquitetura

Email: arq.alessandrapaim@gmail.com

Fone (51) 9751 2730

Anúncios


Categorias:Arquitetura | Urbanismo, Restaurações | Reformas, Retrofit, Revitalização do centro

Tags:, , , ,

55 respostas

  1. Muito legal! Daqui uns 10 anos, se o prédio ameaçar desabar, quem sabe.

    Curtir

  2. Muito bonito mesmo! Ótima notícia.

    Esse prédio tem um estilo meio modernista que não agrega muito. Essa reforma é muito bem vinda

    Veja a foto do “Centro Histórico de Porto Alegre – Década de 50/60”. Tinha um padrão de calçamento muito bonito. Hoje em dia é tão sem graça.

    Curtir

  3. Excelente trabalho!

    Muito bom mesmo!

    Mas olhando as fotos antigas fico me perguntando (sempre me pergunto): que m#$%# fizeram com o centro cara? olha como era na frente da prefeitura, e olha como é agora! (foto 4)

    Fico indignado com isso!

    Curtir

    • Tudo que eu vejo na foto da década de 50/60 é um mar de carros e ônibus. Nesse sentido o centro melhorou.

      Curtir

      • Se hoje não é um mar de carros e ônibus tô loco então!

        O que fizeram foi é dar uma escondida nos ônibus, mas os carros continuam lá!

        Mas me refiro mesmo é o tipo de calçamento, as próprias calçadas, etc.

        Curtir

      • Pra mim hoje é um mar imensamente maior de carros, andando por menos ruas. Não foi feito nada de efetivo pra retirar os carros/ônibus do centro. Espero que o BRT resolva parte disso.

        Curtir

  4. Uma pena a fonte Talavera de La Reina ter de ficar cercada, ao invés de livre ao público como na foto…

    Curtir

    • Lastimável mesmo. Mas sem as grades a fonte não dura 1 mês.

      Curtir

    • Estavam me contando o história do cercamento da fonte:

      Houve um protesto grande no centro de PoA. A polícia saiu baixando o cassetete em todo mundo e na correria um maluco subiu na fonte, que na época tinha um peixe em cima. A polícia tentou tirar o cara, o cara se segurou na fonte e quebrou o peixe. Depois disso cercaram e está assim até hoje.

      Curtir

  5. Seria bom demais… aquelas placas são horríveis. Imagina aquele entorno com isso e uma finalização do esqueleto.

    Curtir

  6. Bah, dimóóóóis….

    Curtir

  7. A foto histórica dos anos 50/60 prova o nível de degradação sócio-cultural que varreu Poa como um tsunami. É o fiel panorama da involução da nossa civilidade.

    Curtir

  8. Espetacular o projeto. Adorei. Pena que é bom demais pro centro de POA e jamais veremos sair do papel, afinal, as cabeças que decidem essas coisas não são tão brilhantes como a da aluna que fez o trabalho. Imagina essa obra incrível ficar ali há poucas quadras do esqueletão?

    Curtir

  9. A gente opina, a gente sonha, a gente deseja.
    Mas infelizmente, a realidade é que no dia que uma grande sugestão de criativos projetistas for aproveitada em Porto Alegre, o Kojack vai se pentiar, o Luxa vai exacalar titulares em Grenal, o Renam Calheiros provara inocência.
    Enfim….Isso não nos pertence

    Curtir

  10. Nao gostei do predio modernizado!!!
    Se ele voltar a forma ogrinal, vai ficar parecido com o predio da Paqueta/Gaston, fazendo um conjunto lindissimo,, e classudo e imponente, do qual tambem o predio da Uniao Seguros participa.
    Um predio moderno ali ficaria totalmente deslocado! E chamativo (sem nem ao menos ser grande coisa)

    Curtir

    • Mas ela manteve a forma original dele!
      Reparou nas plantas? Ela nem fez adição de novas partes, ela acrescentou paredes envidraçadas justamente pra edificação restaurada continuar em evidência.

      Inclusive ela mesma diz isso:

      “Tomou-se a seguinte diretriz de projeto: manter o volume histórico respeitando a arquitetura pré-existente, contrapondo-o com a parte nova da edificação, que assume uma linguagem moderna que fica evidenciada pela diferenciação dos volumes através de um recúo envidraçado que separa o novo do antigo”

      Curtir

  11. Maravilhoso este projeto. Tomara que se torne realidade…
    Voçes notaram o calçamento em paralelepípedo polido e colorido formando desenhos no Paço da Prefeitura, como é que tiveram coragem de destruir uma coisa assim, agora tem aquele pavimento horroroso lá. Não dá para acreditar….

    Curtir

  12. O problema que eu vejo nesses trabalhos de faculdade e’ que os alunos parecem nao trabalhar com clientes em situacoes reais, eles simplesmente pegam um predio escolhido a esmo e fazem um projeto bonito em cima, sem grandes preocupacoes financeiras e de viabilidade. Serve como treinamento tecnico, talvez, mas a realidade, a gente sabe, e’ diferente. Sera’ que, ao menos, foi feita uma estimativa de custo dessa obra? Ou projeto de viabilidade economica futura? Ou isso nao e’ preocupacao dos arquitetos, que apenas devem saber operar o cad?

    Curtir

    • O papel da academia é propor, estudar. O papel da academia é o debate.

      Existem cadeiras onde os estudantes levam em consideração fatores financeiros sim, existe cadeiras de orçamentos, de habitação de interesse social, enfim.

      Mas o trabalho de conclusão do aluno é o momento em que aluno faz um trabalho autoral, onde ele prova que aprendeu algo de linguagem arquitetônica.

      Você questiona se um projeto no ponto mais movimentado da capital, o Largo Glênio Peres tem viabilidade econômica, sério??Você nunca observou o Mercado Público, ou o chalé da Praça?

      Curtir

    • Os estudos e projetos são elaborados em situações reais, mesmo para estudantes, tem que ter a viabilidade técnico-econômica. Pq tu acha q nao sai do papel? Pq não tem viabilidade econômica? Tu já viu algum projeto do Oscar Niemayer? Tu sabe quantas obras de vulto este arquiteto brasileiro implantou no Brasil e no exterior? Se dependesse da tua opinião, nenhuma delas teria saído do papel. Essas coisas podem não irem para frente em porto Alegre por causa do provincianismo de alguns. Quer que faça plebicito para implantação do retrofit também? É difícil uma cidade entrar na era moderna desse jeito, sem emperrar nos conservadores irracionais.

      Curtir

  13. Me pergunto como deveria se sentir um arquiteto que projeta um prédio e anos mais tarde vê o seu trabalho envolto em uma carapaça metálica. Qual foi a razão para enclausurarem o Guaspari? E a propósito, achei sensacional essa proposta, quem me derá que ela e a proposta de reforma do esqueleto que surgiu aqui no blog à algum tempo se concretizassem. Bem que algum grupo de investidores e/ou empreiteiras poderiam acessar mais o blog, rsrsrs.

    Agora lembrei, aqui em Canoas (esta triste cidade onde resido que destrói casas históricas para construir farmácias) um lugar que poderia receber um retrofit é a “Vila Nenê” na Av. Santos Ferreira. É um prédio de 1928, e não é muito grande, aliás, é uma era uma residência. Mas mesmo tendo sido “restaurado” pela prefeitura (jogaram uma tinta nele) ele ainda está mal cuidado e enfeia a paisagem naquele ponto da avenida. Algo assim seria realmente interessante alí. Ou então a fundação cultural, no centro, após o rebaixamento do metrô.

    Curtir

    • Bem legal essa casa mesmo, pena que está atirada a sorte. A farmácia essa que tu fala, é a que construíram na esquina da Santos Ferreira com a Santa Maria e a Inconfidência? Não lembro o que tinha ali antes..

      Curtir

      • Essa mesmo, anteriormente havia uma padaria alí. Funcionava em uma casa antiga, não muito grande, mas que ocupava todo aquele espaço que agora é estacionamento e o novo estabelecimento. Não se destacava pelo tamanho mas tinha uma arquitetura bonita.

        Curtir

    • Bah, Canoas precisa de uma reurbanização urgente na beira da 116. É muito feio aquilo ali. Só prédio sujo e degradado. Parece a Farrapos, só que pior.

      Curtir

      • È feio mesmo, mas quem vai querer fazer alguma coisa na beira de uma rodovia assim? Não deve ser muito agradável morar por ali hehehe.
        Cara eu adoro Canoas, claro que tem muitos problemas, mas eu só trocaria por POA ou Novo Hamburgo na RM.

        Curtir

      • Nem digo pra morar, mas o próprio comércio dali é muito feio. E se não é pra morar, podiam derrubar os prédios mais mal conservados e fazer alguma coisa nova e que combine mais com aquela zona. Infelizmente a BR é uma coisa que Canoas vai ter q conviver pra sempre, provavelmente. Então, ao invés de ignora-la, podiam melhorar ali.

        Curtir

      • De fato, é uma das piores zonas de Canoas visualmente falando. Mas os prédios mais recentes construidos ou reformados alí até que estão melhorando o aspecto visual do lugar. Mas ainda é bastante bagaceiro chegar de Porto Alegre e ver aquele outdoor de sex shop na beira da BR.

        Aliás, eu ja disse e repito, Canoas é uma cidade que não soube crescer. Poucos prédios pelo centro ou em demais localidades podem realmente ser considerados bonitos, e os principais eixos da cidade, como a Santos Ferreira, a Inconfidência, a Victor Barreto e a Liberdade, são extremamente estreitas. Todos os dias por essas avenidas passam inúmeros carros e ônibus e devido a pouca largura é impossível implantar um sistema de BRT por exemplo, seriam necessárias inúmeras desapropriações.

        Curtir

      • Mas Canoas vai ter aeromóvel antes de POA (tenho fé) e dará um tapa na cara da capital. Bem dado! =)

        Curtir

      • Na Alemanha, para não deixar as rodovias agradaram muito há paredes com vasos formando uma espécie de jardim vertical que reduz o barulho e melhora muito o aspecto.

        Curtir

  14. Muito bom parabéns… temos que pensar criar e apresentar para as pessoas um dia entenderem…

    Curtir

  15. Parabéns pelo projeto, muito bacana. Seria um grande investimento para Porto Alegre.

    Curtir

  16. “Tudo o que um sonho precisa para ser realizado é alguém que acredite que ele possa ser realizado.” Roberto Shinyashiki
    Acredito que cada pessoa deve fazer a sua parte para termos uma cidade melhor.
    Desejo muito ver o centro de Porto Alegre revitalizado e seguro, para que possamos apreciá-lo como fazemos no centro histórico das cidades europeias.
    Espero que o projeto maravilhoso de retrofit do Guaspari seja acreditado por alguém e se torne um sonhor realizado.

    Curtir

  17. Entusiamante para os arquitetos e para a população da nossa cidade a maneira como um tema tão complexo como o Guaspari foi tratado! Um projeto realista, que abraça o passado e o futuro, com muita poesia e respeito a cidade! Parabéns Alessandra!

    “O papel do arquiteto na sociedade é agir como intérprete dos seus movimentos. Escutando as suas tendências, mutações históricas, culturais, sociais e ambientais. A sua missão é transcrevê-las para uma linguagem poética”.
    Jean Nouvel

    Curtir

  18. Meus parabéns, Alessandra Paim! Genial! O Guaspari é uma das coisas que mais me incomodam no Centro e me impedem de chamá-lo de “bairro agradável”, junto com o Esqueleto, calçadas, asfalto, meio fio, fiação aérea, prédios mofados, insegurança, lojas de baixo nível, pouca arborização, vandalismo, mobiliário urbano tosco, excesso de ônibus e veículos, porto abandonado, muro da mauá e arquitetura histórica degradada e em risco. Se for ver, nada disso é difícil de ser corrigido.

    Curtir

    • Pô VOP, fiação aérea é uma das poucas coisas que o centro tem de bom, justamente por se quase toda subterrânea.

      Curtir

      • Verdade, cgasparetto, tenho que reconhecer que é o bairro com maior quilometragem de rede subterrânea na cidade, mas é longe do ideal. Acho que não está presente nem em 50% do bairro. E é muito mal-cuidada, em toda nova obra retornam a fiação para cima, a ponto de botarem postes de metais no meio da Rua da Praia pra trazer luz pra bancas e orelhões. Mercado Público, Sepúlveda, Viaduto da Borges e até as palmeiras da prefeitura são outros exemplos de locais onde a rede teoricamente é subterrânea mas está lá, bem no alto, chamando a atenção e estragando alguns dos ângulos mais legais de Porto Alegre.

        Curtir

  19. Parabens pelo projeto….nao custa sonhar!

    Curtir

  20. Achei o projeto show de bola. Pena que não é uma possibilidade concreta mas apenas uma quimera.

    Curtir

  21. Lindo e clean o projeto. Queira Deus possa ser colocado em pratica. Parabéns Ale. Bjks

    Curtir

  22. parabéns alessandra! adorei! muito bonito e elegante o seu projeto… bacana demais.

    Curtir

  23. Adorei o teu projeto. Sou do tempo em que o prédio era um ícone de Porto Alegre. No teu projeto deixas o antigo prédio podendo ser apreciado através da modernidade. Parabéns.

    Curtir

  24. parabéns alessandra! particularmente adoro esse prédio. sou fã do estilo art deco, e porto alegre tem (teve) muitos prédios com este estilo. portanto, ao contrário de “palavras ao vento” vamos lutar para a retirada daquela couraça no guaspari já!
    (não sou arquiteta, ou engenheira, ou administradora, sou apenas uma cidadã que nasceu, cresceu e ama porto alegre. se o projeto da alessandra é acadêmico ou não, isso é o que menos importa. o que realmente INTERESSA É QUE TODOS QUEREM A REMOÇÃO DA CARCAÇA DO GUASPARI!!!!!!!

    Curtir

  25. esse projeto comete o mesmo erro que a “modernização” do milênio passado cometeu: cria uma imagem do edifício ligada ao tempo do projeto atual, não do original. sendo assim, não demora mais de uma década para o projeto se tornar datado e ultrapassado.

    o projeto de se colocar chapas de metal em volta do edifício era coerente para a proposta de se adaptar o prédio para sua época. esse projeto atual também é coerente para a adaptar o prédio para época atual. porém, o único projeto que é coerente para o prédio e que o torna atemporal, é o projeto original.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: