Vídeo: Dietas de ruas

Muito bom este vídeo que sugere uma readaptação das ruas e avenidas a um novo tempo, para maior segurança de todos e uma maior eficiência dos transportes.

O vídeo sugere que, tranquilamente, de 30 a 40% das ruas e avenidas poderiam receber estas adaptações.

Vídeo em inglês, mas com legendas em português.

_______________________

Vídeo sugerido pelo leitor: Ricardo Gonçalves



Categorias:Bicicleta, Ciclofaixas, ciclovias

Tags:, , ,

13 respostas

  1. Será que o trecho da av. Paraguaçu, em Xangrilá (trecho entre Atlântida e Xangrilá) teve a intenção de ser uma “dieta de rua”? Se a idéia foi esta, precisaria haver maior divulgação, pois, para quem anda por lá, fica confuso: tem uma pista + meia pista. E esta meia-pista não é para estacionamento, nem ciclovia. Então, fica realmente confuso, ainda mais quando motoristas de diversas cidades e estados circulam por lá.

    Curtir

  2. As idéias apresentadas no vídeo são muito boas, e eu já tive a oportunidade de praticá-las na Califórnia. Lá funciona muito bem. Acredito que além da adequação das leis de trânsito necessária para pôr em prática esta idéia no Brasil (basta comparar nosso CBT com as leis da Califórnia para perceber uma grande diferença entre elas) a principal dificuldade será a cultura da população (do motorista ao pedestre, passando pelos ciclistas) de respeito às leis e às pessoas. Mas vamos lá, vamos divulgando estas boas idéias, quem sabe nossa “engenharia de tráfego” da EPTC tome conhecimento, assimile e estude para uma boa solução de nosso trânsito. Porque do jeito que está…

    Curtir

  3. “Criar as ruas para quem mora aqui, para quem trabalha aqui, para quem compra aqui… e não para aqueles que passam por aqui” – Fantástico!

    Curtir

  4. Haaahhh se fizessem aqui..

    Curtir

  5. No Brasil preferem engordar as ruas.

    Curtir

  6. Será que no Brasil cola. Vocês viram ali ruas cheias de Jerivas, será que o Brasil esta exportando Jerivas….

    Curtir

  7. Pois é, eu vejo várias oportunidades de aplicação disso em Porto Alegre. Pena que a carrolatria instalada não deixa.

    Pra ficar em um rascunho só, deixo aqui uma aplicação de road diet para a Rua José do Patrocínio. Hoje ela tem estacionamento dos dois lados e três faixas bastante bagunçadas, que acabam perturbadas pelos motoristas estacionando e pelos ônibus saindo e entrando nas paradas. No meu rascunho, ela fica com duas pistas ininterruptas e uma pista auxiliar de baixa velocidade para estacionamento, tráfego local, compatível com o uso por ciclistas e pedestres. O embarque do ônibus também fica mais rápido, com estações com o piso nivelado em relação ao ônibus.

    https://dl.dropbox.com/u/5946888/jose_do_patroc%C3%ADnio.png (exemplo de um cruzamento)

    Curtir

    • Eu gosto destas pistas centrais para conversão compartilhadas entre as duas vias. Elas facilitam bastante a vida de quem vai dobrar ou fazer retorno.
      Além dito, permite colocar canteiro central em ruas mais largas e compridas.

      Nossos eng. de tráfego aqui já estão saturados de idéias e ou são muito conservadores para mudar. Está na hora de importar idéias…

      Outra coisa que eu acho legal é a conversão livre a direita em semáforos. Na Califórnia é assim, o motorista só precisa cuidar o pedestre para dobrar a direita. Sei que tem gente que dirá que aqui não daria certo… mas enquanto pensarmos assim, as coisas nunca mudarão. É preciso dar mais responsabilidades para o motorista e fiscalizar, para que no futuro as coisas mudem.

      Curtir

      • Eu tenho minhas dúvidas sobre essas faixas de conversão a esquerda. Eu até vejo fundamento de elas existirem junto aos cruzamentos, mas em toda extensão da via (como se pode ver nesse vídeo), ao meu ver, seria um convite pros apressadinhos usarem como pista de ultrapassagem.

        Curtir

      • Quanto à conversão livre à direita: sou meio cético quanto à possibilidade de isso funcionar no Brasil. Ouvi falar que nos EUA já têm algumas câmeras que detectam (e filmam) quando o motorista não para o carro nessas conversões. Talvez isso ajudasse por aqui.

        Curtir

      • Sem fiscalização, nenhuma lei jamais funcionará, nem a lei seca atualmente em vigor.

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: