Aumenta custo da reforma do Beira-Rio

Valor das obras do estádio do Inter registrou crescimento de 75%

Valor das obras do estádio do Inter registrou crescimento de 75%  Crédito: Site Inter / Divulgação CP

Valor das obras do estádio do Inter registrou crescimento de 75% Crédito: Site Inter / Divulgação CP

O Inter assiste aos custos da reforma do Beira-Rio subirem às alturas. Segundo a estimativa atual da Andrade Gutierrez, o obra deve consumir cerca de R$ 350 milhões. Ou seja, 75% a mais que os primeiros cálculos da própria construtora, feitos em 2010, que projetavam investimentos de R$ 200 milhões. Mas o acréscimo não atinge o clube.

O Inter assinou um contrato com valor fechado. Ou seja, toda e qualquer diferença, pelo motivo que for – até novas imposições da Fifa para a realização da Copa do Mundo – deve ser inteiramente bancada pela AG. A única exceção à regra trata de materiais importados, que possam vir a sofrer um vertiginoso aumento devido a uma crise cambial, hipótese muito improvável na atual conjuntura econômica do Brasil.

Para custear a obra, a Brio, empresa criada para a administração do Beira-Rio, foi autorizada no final de fevereiro pelo seu conselho de administração a buscar um empréstimo de R$ 275 milhões junto ao BNDES, ao Banrisul e também ao Banco do Brasil. O valor será suficiente para finalizar a obra até 31 de dezembro, prazo máximo concedido pela Fifa. Como garantia de pagamento, o Brio vai empenhar seus direitos de exploração do próprio Beira-rio e também o estacionamento que está sendo construído.

Acima de tudo, o contrato celebrado pelo Inter há praticamente um ano – foi assinado em 19 de março de 2012 – dá tranquilidade ao clube. Atualmente, até alguns dos mais ferrenhos detratores da parceria já reconhecem que foi um bom negócio aliar-se à AG para reformar o Beira-Rio, pelo menos considerando o exíguo prazo imposto pela realização da Copa do Mundo, em 2014.

Gigantinho em pauta na proposta

Até a próxima terça-feira, a Brio entregará ao presidente Giovanni Luigi uma proposta para reformar e assumir a administração do Gigantinho. A empresa tem a preferência do negócio até justamente esta data. “Estamos finalizando os cálculos, mas com certeza vamos exercer a nossa preferência. Até terça-feira, a nossa proposta estará com o Inter”, disse o CEO da Brio, Marcelo Flores.

Correio do Povo



Categorias:COPA 2014, Reforma do Estádio Beira-Rio

Tags:,

23 respostas

  1. O Píffero disse que ia fazer a reforma para a Copa do Mundo com R$ 150 milhões. O projeto “Gigante para sempre” foi apresentado oficialmente á FIFA em jul/agosto de 2007, ocasião em que o ex-presidente disse que esperava estar inclusive com a cobertura pronta para abril de 2009 (tudo isso está na internet-ZH, UOL, Globo, Terra, ESPN; é só pesquisar).
    E disse mais o Sr. Píffero, que com a venda de 100 camarotes á 1 milhão cada, mais a venda do Estádio (terreno) dos Eucaliptos por R$ 50 milhões, estava tudo resolvido…
    Venderam os Eucaliptos por R$ 24 milhões, e menos de 10 camarotes. Foram em 10-11 bancos e não obtiveram dinheiro em nenhum.
    Resumindo: conta de budegueiro não faz reforma.
    Em princípio, ou até agora, parece que o negócio foi bom para o Inter. Ao longo dos anos, veremos se foi ótimo, bom, razoável ou péssimo.
    Como sou Colorado há quase 50 anos, e ainda espero levar meus filhos muitas vezes ao Gigante, espero que o negócio se revele pelo menos bom.

    Curtir

  2. Que coisa boa hein? As festas ao longo do ano para alguns serão bem fartas.

    Curtir

  3. Vao economizar nos custos e na qualidade. Nao ha’ Papai Noel no mundo do capitalismo empresarial.

    Curtir

  4. Desde a assinatura do contrato a AG sempre trabalhou com este valor. Não tenho certeza se era R$310mi ou R$ 350mi, mas sempre acima de 300 milhões. Apesar de ter acompanhado de perto, inclusive li o contrato, não me liguei muito no valor. Foi um contrato “porteira fechada” onde a AG asumiu todos os riscos com a variação do valor.

    Acredito que esta discrepância de valores que são anunciados seja me função da inclusão ou não das isenções fiscais. O Píffero imaginava construir por conta própria (depois se mostrou inviável financeiramente) por 200mi e contava com 75mi de isenções, tendo o Inter que desenbolsar 125milhões.

    Curtir

  5. Internacional dando exemplo de como ter um estádio TOP, moderno e lindo sem ter dores de cabeça e com as contas em dia, livre de qualquer risco de falência.

    Curtir

  6. Na época muito comentou-se sobre a demora do Inter em assinar o contrato, na enrolação dos colorados, etc…

    Hoje estamos vendo que foi tudo bem planejado e o Inter não submeteu-se às cláusulas impostas pela AG.

    (a nível de comparação, hoje o Grêmio está tentando diminuir os custos do contrato com a OAS e todo o embróglio financeiro que está entrando)

    Curtir

  7. E o inter queria reformar com recursos próprios.

    Imagina a gambiarra que iria ficar.

    Curtir

  8. Se a Andrade Gutierrez orçou errado, o problema é dela!

    Curtir

  9. me indigana só aquele estacionamento…

    Curtir

  10. Enquanto isso, a reforma do Maracanã está custando R$ 1 bi, e quem tá pagando é o governo. Ê Brasil.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: