Diplomata canadense vem conhecer obras de mobilidade de Porto Alegre

Diplomata elogiou o sistema viário e a implantação das ciclovias na cidade  Foto: Divulgação/PMPA

Diplomata elogiou o sistema viário e a implantação das ciclovias na cidade Foto: Divulgação/PMPA

O secretário Municipal de Obras e Viação (Smov), Mauro Zacher, recebeu nesta segunda-feira, 18, o vice-cônsul do Canadá, Todd Barrett, para apresentar as obras e os projetos da prefeitura na área de mobilidade urbana. Acompanhado da gerente de Planejamento de Trânsito da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Carla Meinecke, foram mostrados os avanços que Porto Alegre terá com as obras da Copa do Mundo. Foi explicado que a cidade ficará interligada com a conclusão dos Corredores de Trânsito Rápido de Ônibus.

O vice-cônsul elogiou o sistema viário de Porto Alegre e a iniciativa de implantação das ciclovias nas ruas e avenidas ampliadas ou alargadas em função da Copa. Todd Barrett relatou que, no Canadá, os trabalhadores, incluindo executivos, utilizam a bicicleta para ir ao trabalho. “Lá o uso da bicicleta é uma política de mobilidade urbana”, relatou. O titular da Smov saudou o encontro e disse que Porto Alegre mantém uma estreita e antiga relação com o Canadá. Mauro Zacher lembrou que foi a Montreal conhecer o Escritório de Consulta Pública, uma instância de consulta popular semelhante ao Orçamento Participativo.

Na exposição, foram detalhados os projetos que estão sendo executados para qualificar a malha viária da cidade, tais como as obras de arte (viadutos e trincheiras) da Terceira Perimetral; os avanços da duplicação da Edvaldo Pereira Paiva; o “X” da Rodoviária; a duplicação da rua Voluntários da Pátria e até a integração do sistema de transporte com o futuro Metrô e o Catamarã.

Prefeitura de Porto Alegre

 



Categorias:COPA 2014, Obras da Copa 2014

Tags:, , , ,

22 respostas

  1. Ele veio aprender com a gente. Vai levar todo o nosso know how e a nossa capacidade de planejamento para o Canadá, que é um país ainda em desenvolvimento, precisando beber na sabedoria e retidão de uma nação de primeiromundista como a nossa.

    Curtir

  2. Apenas complementando, se tiverem oportunidade de visitar museus onde há projetos dessa época, prestes atenção aos detalhes. Há cálculos matemáticos junto à desenhos artísticos. É muito interessante! A ciência, a técnica e a arte(beleza) estavam intimamente ligadas.

    Curtir

  3. O sujeito é um lorde canadense, gente. Não nos ia xingar.
    Onde a Smov pode mostrar a ele uma só “trincheira”, coisa comum em qualquer cidade que se preocupa com mobilidade.
    No Canadá é frio, como Amsterdam tb, logo é fácil circular de bicicleta. A Secretária de Transportes de Nova Iorque faz sua pedalada diária. Mas aqui nos dias de calor de 40° sem uma ducha no local de trabalho, como será esta pedalada?
    Sou defensor das ciclofaixas e ciclovias. Quero meus 400 km planejados para Poa, mas quero banheiro para me banhar. Ninguém pensa nisto?

    Curtir

    • Sabe quando que eu ia tomar banho no trabalho? Nunca.

      Curtir

      • Porque essa revolta toda?

        Curtir

        • Eu não estou revoltado, só acho que não tem nada a ver tomar banho no local de trabalho.

          Curtir

          • Tu deve ser único nos 7 bilhões de habitantes do planeta a pensar assim… qual o problema em tomar banho no trabalho Lucas? Reflete um pouco. Talvez a tua imaturidade esteja pesando um pouco aí.

            Curtir

        • Realmente, Gilberto? Mas é sério mesmo que tu acha que o que me faz diferente do resto do mundo inteiro é a minha preferência por manter meus banhos privados dos meus colegas de trabalho? Pois se isso é uma preferência única minha no mundo inteiro eu devia ficar extremamente orgulhoso dela, seria isso o que me faz único? Obrigado por ressaltar isso em mim, eu nunca tinha percebido o quão especial esse meu gosto era.
          E então, o que tu tem a me dizer sobre a minha preferência diferente da tua é simplesmente imaturidade? Pois eu acho que tu, mais que muita gente, devia concordar que as pessoas podem pensar diferente das outras sem serem julgadas ou consideradas imaturas. Eu não esperava uma resposta dessas de ti, sinceramente, tão superficial e generalizante.

          Curtir

    • A questão do calor tem muito a ver com condicionamento também. A pessoa que está acostumada a pedalar sua muito menos (as vezes nem precisando de um banho). Num país com o clima do Brasil realmente é dificil começar a pedalar com muito sol, mas com roupas adequadas e um bom condicionamento é possível sim a adaptação. Falo issso por experiência própria, pois pedalo com sol de 40º.

      Curtir

    • Adeli, eu pedalei o verão inteiro, e como diz o Diego, é questão de preparo.

      A questão dos chuveiros é importante mesmo. Por sorte trabalho em uma empresa que me provê isso.

      Curtir

  4. Não notaram a sutiliza da manchete, só sendo diplomata para elogiar a zorra que está a nossa cidade!

    Curtir

  5. Nunca vi uma resposta dedente sobre isso… porque chamam viadutos de obras de arte????

    Curtir

    • Ja explicaram no blog, mas não lembro direito.

      Foi uma boa explicação, logo mais alguem deve por a resposta ai.

      Curtir

    • Eu acho que o termo causa mais confusão do que ajuda, mas é usado mesmo na engenharia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Obra_de_arte_(engenharia)

      Curtir

    • Achei uma explicação melhor para o termo obras de arte em francês:
      De tels ouvrages sont qualifiés « d’art » parce que leur conception et leur réalisation font intervenir des connaissances où l’expérience joue un rôle aussi important que la théorie. Cet ensemble de connaissances constitue d’ailleurs ce que l’on appelle l’art de l’ingénieur.

      Curtir

      • Tradução galdéria:

        Tais obras são ditas de “arte” pois para sua concepção e sua construção é necessário utilizar tanto o conhecimento ou experiência como também a teoria. Este conjunto de conhecimentos constituem também o que se chama a arte do engenheiro.
        .
        Nota: O projeto de pontes no séculos XVII e XIX levavam em conta também o aspecto estético, coisa que se perdeu (infelizmente) no século XX.

        Curtir

  6. Será que ele não achou estranho que a maioria das obras são duplicações, viadutos e trincheiras? Ou conseguiram enganar ele com nosso brt de meia tigela?

    Curtir

  7. Para que ser tão demagogo? Todo mundo sabe sobre o transporte público e ciclovias… tanto que até os políticos (politiqueiros) estão usando isso politicamente. Mas por que raios não fazem p. nenhum? Onde estão as ciclovias nas trincheiras? E os viadutos?

    Curtir

  8. No papel as ciclovias devem ser ótimas mesmo…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: