Perguntas que ficam sobre nosso transporte público

Com o (novo) aumento de passagem, que fez a tarifa de Porto Alegre ultrapassar – até onde sei, pela primeira vez – a de São Paulo, tornando-se a segunda passagem mais cara do Brasil – aumento que, como sempre, foi recebido com vários protestos – que, também como sempre, não vão servir para nada – ; alguns questionamentos fazem-se necessários:

– Se um dos motivos alegados para aumentar o preço é a queda no uso do transporte público pelo porto-alegrense, que cada vez mais troca os ônibus pelos carros, porque não são feitas políticas para mudar isso?  Uma razão pelas quais se prefere o transporte individual é o alto tempo de espera na parada e a necessidade de fazer baldeações devido ao desenho das linhas. É comum estar em uma esquina entre duas avenidas onde passam mais de 5 linhas e todas em frente, nenhuma dobra à direita. Disso, então, surgem mais duas perguntas:

– Por que não é feito um estudo de demanda para diminuir o intervalo entre ônibus em algumas linhas?

– Por que não são redefinidos o traçados de linhas, já que o que acontece é apenas a criação de novas linhas na medida em que a cidade se expande, gerando cada vez mais linhas sobrepostas que congestionam os corredores de ônibus, com vários deles indo todos para o mesmo lugar enquanto outros lugares são carentes e implicam a necessidade de baldeações? Muitas vezes, temos que pegar 2 ônibus para trajetos de 10 minutos cada um. Cada um desses ônibus requer 15 minutos de espera na parada. Total: 50 minutos de deslocamento, sendo 30 apenas de espera na parada, sendo possível percorrer o mesmo destino de carro em 15 minutos. Nessa situação, é natural que se fuja do transporte público. Então porque não se redefine o traço de linhas, aproveitando-se para integrar e se adiantar à conclusão das obras do BRT que está sendo feito para a Copa do Mundo?

Em outras palavras, porque não se 1) reorganiza o traçado de linhas, diminuindo a necessidade de baldeação e as linhas sobrepostas e 2) diminuindo o tempo de espera na parada?

– A grande diferença entre o transporte público e  demais atividades econômicas é que aquele é de uso comum do povo, uma atividade feita sobre o espaço público e que deve ser gerida para atender aos interesses da sociedade. Então, porque não temos acesso às contas das empresas de ônibus para que o cidadão saiba o custo que ele mesmo gera com o transporte? Por que isso não é divulgado, e fica uma caixa preta em que não temos a menor ideia do custo e da arrecadação que as empresas possuem?

– Por que não se aumenta o fluxo de ônibus no domingo, para que o cidadão possa utilizar os ônibus nos finais de semana? A oferta cria sua própria demanda. Não há demanda porque não há oferta. Dizem que não há ônibus nos domingos porque não são utilizados, mas não são utilizados porque não há ônibus.

Então, alguém da prefeitura poderia fazer a gentileza de responder porque não se resolve o problema do preço da passagem tornando o ônibus mais atrativo para o usuário e fazendo com que a população tenha a opção de deixar o carro em casa, ao invés de nos lançar num ciclo vicioso de oferecer um sistema insuficiente e inadequado que afasta o usuário e compensa a falta de arrecadação com tarifas predatórias?

Anúncios


Categorias:BRT, Meios de Transporte / Trânsito

Tags:, , , , ,

93 respostas

  1. Aos que me deram alguma resposta eu digo, é claro que a maioria que anda de ônibus não tem opção, isto é o óbvio, mas tem muitas pessoas que usam o ônibus porque não querem mais dirigir e eu sou uma delas. Caso todas as pessoas em Porto Alegre tivessem e usassem o carro cotidianamente nós nem conseguiríamos sair de casa….
    Desde que me conheço por gente existe a meia passagem para estudante e o cobrador esta ali para cobrar quem não tem o tri. Esta ali também porque no Brasil as pessoas não tem respeito, no início do passe livre que acontecia um domingo por mes e que agora só existe em datas especiais turmas entravam no ônibus e promoviam arruaças então a figura do cobrador se tornou necessária….
    Dia 25-03-2013 esperei o T1 na Assis Brasil para vir para o Jardim Botânico das 19:40 as 20:45hrs. porque havia uma manifestação na frente da Puc por causa do preço da passagem. Quantos eram os manifestantes, garanto que nem andam de ônibus, porque os que trabalham durante o dia e estudam à noite não tem tempo para estas coisas….

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: