Secretário diz que prefeitura irá processar manifestantes

Protesto contra aumento da passagem de ônibus no Paço Municipal deixa pelo menos dois feridos

Secretário Busatto foi agredido durante protesto  Crédito: Mauro Schaefer

Secretário Busatto foi agredido durante protesto Crédito: Mauro Schaefer

Com a roupa manchada de vermelho devido à tinta jogada durante o protesto contra o aumento da passagem em Porto Alegre e levemente ferido no incidente, o secretário municipal de Governança Local, Cézar Busatto, afirmou que a prefeitura irá levar o caso de depredação e agressão ao Ministério Público. “Vamos denunciar isso aos órgãos competentes e esperar que eles nos ajudem a fazer justiça e que aqueles responsáveis sejam punidos pelos que fizeram”, afirmou.

Conforme Busatto, a agressão partiu dos manifestantes que tentaram invadir a sede da prefeitura. “A Guarda Municipal estava parada ao meu lado, conversando sobre como nós iríamos resolver isso no diálogo. Eles vieram de uma forma absolutamente fora do controle para a agressão”, relatou. “Eles não têm nenhuma moral para se colocar como vítimas deste processo.”

Durante o momento mais tenso do protesto, que se iniciou por volta das 18h, pelo menos três bombas de efeito moral foram jogadas para dispersar os manifestantes. Antes das 19h, parte do grupo tentou forçar a entrada no prédio da prefeitura, quando ocorreu o confronto que envolveu também a Guarda Municipal.

Dois feridos, um detido e vandalismo

No protesto, pelo menos duas pessoas se feriram – uma manifestante e um guarda municipal, que foi levado ao Hospital de Pronto Socorro. Uma estudante de enfermagem da UFRGS foi detida e encaminhada ao Palácio da Polícia, para onde o grupo se dirigiu após deixar o Paço Municipal, passando pelas avenidas Borges de Medeiros e João Pessoa. O grupo faz manifestação para que a universitária seja solta.

O protesto causou uma série de prejuízos ao patrimônio público. Diversas vidraças do prédio da prefeitura foram quebrados, além de danos na porta da edificação e uma pichação ao lado da entrada com crítica ao preço de R$ 3,05. Pelo menos uma viatura da Guarda Municipal teve o parabrisa totalmente destruído.

Protestos (e apoio) nos ônibus

Por volta das 19h, o grupo de manifestantes deixou a Paço Municipal e subiu a avenida Borges de Medeiros, após uma parada com gritos de ordem na Esquina Democrática. A subida da Borges, no sentido zona Sul, congestionou o trânsito na região. Muitos coletivos foram pichados com protestos como “R$ 3,05 é roubo”, “Pula Catraca” e “Passe Livre Já”. Alguns motoristas de ônibus chegaram a buzinar e aplaudir a manifestação.

Em vigor desde segunda-feira passada, o novo valor da passagem de ônibus de Porto Alegre – que passou de R$ 2,85 para R$ 3,05 – causou revolta em boa parte da população. De segunda para cá foram ao menos quatro protestos: dois na segunda (em frente à PUCRS e à UFRGS) e outros dois nesta quarta, sendo o primeiro pela manhã. Na sexta-feira da semana passada, houve outro.

Reajuste polêmico

O reajuste da passagem em Porto Alegre gerou polêmica neste ano. Isso porque análise feita pelo Ministério Público de Contas questionou a base de cálculo usada para calcular a tarifa. Assim, segundo decisão do Tribunal de Contas do Estado (TCE), a análise não poderia levar em consideração a frota de reserva só a operante. O sistema foi adotado pela Prefeitura na análise do Conselho Municipal de Transporte Urbano (Comtu), que chegou ao reajuste final. Mesmo assim, o MPC requereu ao TCE uma auditoria complementar sobre o valor da passagem analisando outros fatores, como a limitação da frota reserva e a qualidade dos serviços.

Para Busatto, o valor é resultado de dois meses de discussão e de atenção às determinações do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que interferiu no processo depois do pedido dos empresários, que queriam o valor de R$ 3,30. “Se querem questionar este valor, que o façam junto ao Tribunal de Contas”, disse o secretário.

Correio do Povo



Categorias:Outros assuntos

Tags:

42 respostas

  1. Sou contra o aumento, claro, mas só eu não entendo porque picham nos ônibus “Passe Livre Já”? Afinal, esse é um dos drivers que pode ser usado como justificativa para o aumento dp preço da passagem.

    Curtir

  2. http://www.acpa.org.br/?p=575

    As promessas do político Busatto para os ciclistas.

    Curtir

  3. Depois do vandalismo de ontem, e que muitos apoiaram aqui, sejam coerentes e apoiem as pichações na cidade também… 😛

    Curtir

  4. O Fortunati esta viajando?

    Curtir

    • Deve ter viajado para a privada depois desse protesto.

      Curtir

    • Pergunta besta: alguém já VIU o Fortunatti indo trabalhar? Tipo, estacionando na prefeitura, descendo a pé e indo pro gabinete?

      Quero dizer, não é difícil de ver ele né? O cara tem 5 metros de altura!

      Curtir

  5. O Povo que deveria processar a Prefeitura.

    Curtir

  6. Tem mais é que processar.
    Eu apoio manifestações, até mesmo com quebra pau, mas sair depedrando o que é da população?

    Ai ja nao da… não concordo…

    O problema é que muitos vão se ferrar por culpa de meia duzia.

    Curtir

  7. As manifestações podem sim ter chegado a um ponto exagerado… mas temos que refletir em tudo que acontece na nossa volta ao invés de culpabilizar essas pessoas….em um país que a educação não é valorizada com certeza acaba gerando muita violência….. estas atitudes são frutos do momento que estamos vivendo…. corrupção para todos os lados, descaso com a população, manifestos não ouvidos e assim por diante… infelizmente nem todos conseguem manter o equilíbrio, até as pessoas mais calmas estão perdendo a cabeça … a população clama por um basta em tudo que está errado e como consequência acontece o que aconteceu!!! Agora trazendo para o cotidiano … estudantes trabalhadores que desde cedo estão nas paradas esperando ônibus, extremamente lotados, muitas vezes dormindo em pé, pois não temos nem tempo para dormir direito, sai do serviço e pega novamente um ônibus lotado para ir para aula e para fechar o dia vai para casa com um ônibus lotado! Tratamento desumano ….sem contar que muitas vezes deixam de fazer um lanche porque tem que sobrar para passagem… e para completar chegam na aula e não tem professor! Estamos vivendo em um vulcão em erupção….

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: