“COMTU está bem representado e equacionado”, defende presidente do órgão

Samir Oliveira

Presidente do COMTU critica postura do conselheiro da CUT-RS, Luís Afonso Martins | Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Presidente do COMTU critica postura do conselheiro da CUT-RS, Luís Afonso Martins | Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

O presidente do Conselho Municipal de Transporte Urbano (COMTU) de Porto Alegre, Jaires Maciel, acredita que o órgão esteja com uma representatividade equitativa e de qualidade. Responsável por deliberar questões referentes ao transporte público da Capital, o conselho aprecia, todos os anos, a planilha de custos que a EPTC apresenta para embasar o reajuste da passagem de ônibus.

Nesta entrevista ao Sul21, Jaires Maciel rebate as informações que o conselheiro Luís Afonso Martins – representante da CUT-RS – concedeu em entrevista públicada pelo Sul21 no dia 25 de março deste ano. O presidente do COMTU critica a postura do colega, que se retirou da sessão que aprovou o aumento da tarifa por não concordar com o método de avaliação.

Jaires afirma que o conselho “tem uma responsabilidade com toda a população de Porto Alegre, que é manter o sistema funcionando” e reforça que o órgão apenas avalia a tarifa técnica, já que a atribuição de fixar o valor e a vigência da passagem é da prefeitura.

“O COMTU só se notabiliza publicamente por ocasião da tarifa de ônibus. Mas, dos 23 conselhos de Porto Alegre, é um dos mais ativos”

Sul21 – Como o senhor iniciou suas atividades no COMTU?

Jaires Maciel – Sou advogado e vinculado à categoria do transporte escolar desde 1989. Fui operador de serviço por um tempo e hoje dou assessoria jurídica e institucional ao SINTEPA. Assumi uma cadeira no conselho em 1995 e sou presidente desde os três últimos mandatos.

Sul21 – Como o senhor avalia o trabalho do conselho?

Jaires – O COMTU só se notabiliza publicamente por ocasião da tarifa de ônibus. Mas, dos 23 conselhos de Porto Alegre, é um dos mais ativos, porque funciona o ano inteiro. Toda terça-feira nós temos reunião, ou seja, são 40 reuniões por ano. Discutimos todos os problemas de mobilidade, a questão da segurança dos ônibus e da qualidade do serviço. Ninguém cai no conselho de pára-quedas para votar a tarifa de ônibus.

Leia toda a entrevista no SUL 21, clicando aqui.



Categorias:Outros assuntos

Tags:, ,

11 respostas

  1. Enquanto este sr diz que nosso super motor Euro 5 é uma das justificativas para aumentar a passagem, em São Paulo testam elétricos que são mais baratos. http://www.mobilize.org.br/noticias/3779/onibus-eletricos-tem-custo-75-menor-que-os-veiculos-movidos-a-diesel.html

    Curtir

  2. Como bom planilheiro, ele fala tudo de acordo com a planilha, diz que a votação é praticamente apenas pro forma mesmo, mas como bem indicada pelo primeiro comentário, a planilha continua secreta. Bota transparência nessa gestão hein.

    Mas achei bonitinho, o cara diz sem pudor que “fui operador de serviço por um tempo e hoje dou assessoria jurídica e institucional ao SINTEPA”, ou seja, ele tem a visão empresarial do transporte público. Tendo isso em vista, ele deve achar que o COMTU está bem representado mesmo, pelos interesses do grupo dele.

    Curtir

  3. Tem que rir pra não chorar.

    Curtir

  4. Urbano, que nome mais apropriado para um secretário de Gestão ENTERRADO na falta de planejamento urbano.

    In twitter.com/bovinenses

    Curtir

  5. Sei que não tem nada a ver com a matéria, mas as Obras da Copa agora mesmo é que não vão terminar esse ano nem com toda ajuda dos deuses vejam matéria:

    http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2013/04/alto-custo-impede-que-obras-da-copa-sejam-aceleradas-em-porto-alegre-4092119.html

    Curtir

    • Meu deus, a essa altura com problemas de desapropriação e dizendo que pra fazer rápido vai ser caro. É o que dá não planejar. Sério, chega a ser cômico.

      Curtir

  6. O nosso blog deveria ter suas próprias entrevistas, pois a pergunta que no primeiro comentário que não foi feita é a básica.
    .
    Por que as planilhas são secretas?
    .
    Esta é a pergunta básica (E me parece que o comentário foi feito pelo Pablo, aqui do nosso blog!) foi deixada de lado e quem entrevistou ficou pautado pelo entrevistado.
    .
    Muito amadorismo.

    Curtir

  7. “Tenho certeza que se fosse levado ao conselho algum encaminhamento estapafúrdio, ilegal e que não tivesse o suporte pelo menos do bom-senso, os conselheiros votariam contra.”

    Que piada. Ou foi ironia?

    Curtir

  8. Dono de van de transporte escolar quer mais é que a tarifa de bus aumente. Microeconomicamente falando, bus e escolar são bens substitutos : ou usa-se um ou o outro.
    Conclusão : esse energúmeno e a tal entidade que representa JAMAIS deveriam ter apitado sobre qualquer aumento na tarifa de ônibus ..

    Curtir

  9. Muito bom o contraponto, mas três pontos me chamaram atenção:
    a) como colocado pelo presidente do COMTU, tal órgão não precisaria opinar quanto ao reajuste da passagem, pois, tal como a questão é colocada por ele, a aplicação dos índices é quase que automática (“Nós, conselheiros, temos que atentar para a variação do preço dos insumos e do IPK, que impacta bastante na tarifa. Tenho certeza que, se você perguntar a cada conselheiro individualmente, ele diria que acha que a tarifa deveria, sim, ser mais barata. Mas, entre gostar que ela fosse mais barata, o conselheiro tem a responsabilidade de aprovar um reajuste técnico e matemático”).
    b) me pareceu que há uma rusga entre o representante da CUT e o presidente, porque este chamou aquele de moleque, comparando-o a nazistas…
    c) aparentemente, ainda que inconscientemente, o presidente faz um lobby a favor das atuais empresas, ao afirmar que eventual licitação, em princípio, não teria o condão de baixar o preço das passagens (desconsiderando técnicas de gestão, redução de margem de lucro etc. que as eventuais vencedoras pudessem ter).

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: