Isto não é uma ciclovia

Placa à esquerda da foto recomenda aos pedestres que usem o passeio do outro lado da via (clique na imagem para ampliá-la)

Placa à esquerda da foto recomenda aos pedestres que usem o passeio do outro lado da via (clique na imagem para ampliá-la)

A Prefeitura Municipal de Porto Alegre confirmou o que já suspeitávamos, que a faixa de asfalto pintada de vermelho sobre o Parque Marinha não é uma ciclovia, mas um passeio de pedestres. A nossa suspeita tinha dois motivos:

a) Se aquilo fosse uma ciclovia, não haveria então espaço para os pedestres caminharem senão por cima da grama;

b) O asfalto está pintado com uma tinta vermelha IMPRÓPRIA para a circulação em bicicletas por ser de baixa aderência, especialmente quando úmido.

Agora nossas suspeitas foram confirmadas por uma placa colocada no local pela SMOV (Secretaria Municipal de Obras e Viação), informando aos pedestres para não transitarem por aquele lado da via, mas utilizarem o “passeio” do outro lado da via. Bom, do outro lado da via, no Parque Marinha, o único passeio, caminho é o de asfalto vermelho. Damos razão à SMOV, aquilo não é uma ciclovia.

Deixando a ironia de lado, gostaríamos de saber por quê não há um passeio para pedestres sobre o Parque Marinha junto à Avenida Ipiranga, nem que seja de saibro, para manter a permeabilidade do solo – importante numa cidade com cada vez mais cobertura asfáltica. Junto à ciclovia da Restinga, a desculpa da EPTC para não haver um passeio público decente é que a responsabilidade por isso seria dos proprietários dos imóveis que dão frente para a calçada. Esse não é o caso no Parque Marinha, que é público, e portanto a responsabilidade é da Prefeitura Municipal. Certamente não é por falta de recursos, já que acabaram de remover um pedaço do Parque Marinha ali mesmo em frente para criar mais uma faixa de asfalto, e estão construindo uma nova ponte. A única conclusão que consigo imaginar é porque a administração atual inverteu a prioridade prevista em lei – Capítulo II do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental – que diz que em relação à mobilidade, devem ser priorizados o pedestre, o transporte público e a bicicleta. Bom, em Porto Alegre a sensação que temos é que está tudo de cabeça para baixo. Em primeiro lugar está o automóvel particular, que ganha cada vez mais espaço e infra-estrutura e por último vem o pedestre, cada vez mais encurralado e marginalizado.

Gostaria de ter uma resposta dos nossos administradores e planejadores urbanos, sei que alguns freqüentam este blog, e aí, qual é a justificativa? E aí Fortunati? E aí EPTC? E aí, SMOV?

Blog Va de Bici



Categorias:Ciclofaixas, ciclovias

Tags:, ,

10 respostas

  1. Pois é. Eu ando bastante de bicileta, mas quando chego naquele trecho é uma verdadeira briga entre ciclista e pedestres.. eu sempre achei que era uma ciclovia, visto que é uma continuidade da Ipiranga, mas ao mesmo tempo fico pensando, se as pessoas não caminharem por alí, vão andar por onde? por cima da grama? A ciclovia deveria ter continuado no mesmo lado da avenida e não pelo parque. Faltou só uma quandra pra concluir em linha reta e não precisaríamos atravessa a via de bicicleta.

    Curtir

  2. A propósito: eu li esses dias aqui que instalariam até o fim de abril novas estações de bicicletas públicas, inclusive um ponto na rua Dr.Barros Cassal. Onde está? Até agora não fizeram! Autoridades: qual a explicação?

    Curtir

  3. Esse é mais um caso que retrata a maneira como as obras são feitas na cidade. Quando terminar a obra, talvez vá se pensar em arrumar os espaços para pedestres e ciclistas (o lugar sagrado pros carros está lá sempre arrumadinho). Antes de começar qualquer obra viária deveria ser obrigatório garantir estruturas para passagem de pedestres e ciclistas (calçadas e ciclovias) e depois começar o asfalto dos carros.

    Curtir

  4. Como já falei lá no Vá de Bici, perfeito o artigo! Inclusive ontem (1o de maio) eu pedalei por ali e era impossível andar numa velocidade de cruzeiro pois tinha muita gente caminhando. O brabo é que se tu vai para o asfalto os trogloditas se acham no direito de te atropelar.

    Calçada para pedestres já!

    Curtir

  5. resposta facil.

    Se for calçar, vão falar que vai alagar tudo, que precisa do areião e da grama e bla bla bla, ja vi esse papo.

    Sobre o asfalto, bom, sempre reclamam da qualidade do asfalto, no centro reclamaram que ele não tava 100% liso, na Ipiranga falam que ta muito liso e que a tinta escorrega, ai complica.

    hahaha.

    A prefeitura deveria usar aqueles esquemas em que o asfalto sai vermelho, tipo um corante, não sei como se chama…. mas se reclamarem disso tambem, ai larga de vez e para de fazer ciclobia por que nada vai estar perfeito.

    Curtir

    • Eu concordo que a permeabilidade do solo é importante, mas também é importante um espaço para as pessoas caminharem. Acredito que existam diversas soluções tecnológicas que aliem as vantagens dos dois. Hoje em dia existem pavimentos perfurados que permitem a absorção de água, mas mesmo um caminho de “areião”, lisinho e bem drenado, já era melhor do que ser obrigado a caminhar em cima da grama.

      Curtir

    • Guilherme, asfalto escorregadio não é o contrário de asflato irregular 😛

      Curtir

  6. Prefeitura porca fazendo porquice… com esse péssimo planejamento, aquela verba de 20% da EPTC vai ser dinheiro jogado fora.

    Curtir

  7. Pena que desfizeram-se os links do artigo original: http://vadebici.wordpress.com/2013/05/01/isto-nao-e-uma-ciclovia/

    Curtir

Trackbacks

  1. Portoimagem – Isto não é uma ciclovia | Clipping
%d blogueiros gostam disto: