ARCOWEB publica projeto de revitalização da orla de Porto Alegre

Jaime Lerner Arquitetos Associados

Parque da Orla do Guaíba, Porto Alegre

20 de Maio de 2013

parque-orla-guaiba-1

Conciliação entre o lago e a metrópole

parque-orla-guaiba-2As soluções urbanísticas que deram a Jaime Lerner projeção mundial foram implantadas, sobretudo, em Curitiba. Mas Porto Alegre também tem sido palco das concepções do arquiteto. Depois do Cais Mauá, no qual atuou em parceria com o escritório b720 Fermín Vázquez Arquitetos (leia PROJETO DESIGN 372, fevereiro de 2011), Lerner e equipe desenvolvem o projeto de requalificação de outro segmento da orla do Guaíba, lago que margeia boa parte da capital gaúcha.

Para Lerner, apesar de ser área nobre, a margem do lago não tem sido aproveitada em todo o seu potencial. A criação do Parque da Orla do Guaíba, nome dado à intervenção, “vai tornar ainda mais atraente, a partir de diversos patamares, a vista de um dos pores de sol mais bonitos do país” – sem prejudicar a visão da paisagem que encanta porto‑alegrenses e turistas, complementa o arquiteto.

parque-orla-guaiba-3Em janeiro, o secretário municipal de Desenvolvimento e Assuntos Especiais, Edemar Tutikian, acreditava que até o próximo mês seria lançada a licitação para a primeira parte da intervenção, que vai das imediações da Usina do Gasômetro até a rótula das Cuias, onde a avenida Edvaldo Pereira Paiva se encontra com a Aureliano de Figueiredo Pinto.

Nesse trecho, o parque terá a extensão de 1,5 quilômetro, e o projeto executivo para essa área já está concluído, informa Taco Roorda, da equipe de Lerner. Numa segunda etapa, o traçado deverá se estender até o arroio Cavalhada, próximo do Barra Shopping, no Cristal, bairro da zona sul de Porto Alegre, totalizando mais de sete quilômetros.

parque-orla-guaiba-4O escritório dividiu as intervenções em dois pontos: as imediações da Usina do Gasômetro e a ocupação da faixa linear de terra onde será implantado o parque, situada entre a orla e o dique construído na década de 1940 para conter as cheias (sobre essa faixa foi implantada a avenida Edvaldo Pereira da Silva).

Para o entorno da usina está prevista a implantação de um terminal turístico de barcos, com área para embarque e desembarque de passageiros, e a construção de um deque de madeira sobre pilares de concreto e as respectivas áreas de apoio (bilheteria, sanitários e área de espera).

A praça Júlio Mesquita, hoje separada da praça do Gasômetro pela avenida Presidente João Goulart, será incorporada ao projeto e fará a transição entre o centro histórico de Porto Alegre e a orla.

parque-orla-guaiba-5

Serão aumentados o trecho gramado e a arborização da praça do Gasômetro, onde haverá uma baia para o desembarque de passageiros de ônibus turísticos e táxis.

parque-orla-guaiba-6Ainda nas imediações da usina, prevê-se a construção de um bar em formato circular, sobre a água.

No percurso linear, o projeto estabeleceu três alturas de intervenção. Entre a orla e a cota 2, a primeira faixa é voltada predominantemente à preservação da vegetação ciliar, com acesso e circulação definidos para evitar uso indiscriminado.

A segunda, um patamar no nível 2 (onde a cota não for inferior deverá ser feito aterro para atingi-la), será ocupada por gramado que servirá como espaço de encontro, contemplação e lazer. Entre ambas se executará um passeio.

parque-orla-guaiba-8

A terceira faixa é composta pela estrutura do dique existente (tanto a encosta como o topo) e nela ficará a maior parte dos elementos a serem construídos.

parque-orla-guaiba-7Na parte superior do dique, a pista de caminhadas e uma ciclovia estarão separadas da avenida por um canteiro de um metro de largura, com espécies vegetais agregadas às existentes e vegetação arbustiva e de forração ordenando a circulação.

Escadas e rampas levarão da cota mais alta do dique aos patamares inferiores. Bares, quiosques, sanitários, depósitos e módulos de segurança serão implantados na transição para a faixa elevada, cujos pisos, na cota 2,5, deverão estar protegidos das cheias.

A intenção do projeto, explica Lerner, é incorporar o Guaíba ao dia a dia da população. A tarefa será, certamente, menos difícil que outra pretensão do arquiteto: “É uma intervenção para agradar gremistas e colorados”, brinca.

Texto de Adilson Melendez
Publicada originalmente em PROJETODESIGN
Edição 396 Fevereiro de 2013

Implantação - primeiro trecho do parque 1. Usina do Gasômetro / 2. Atracadouro / 3. Entorno do Gasômetro / 4. Praça Júlio Mesquita / 5. Bar / 6. Deques

Implantação – primeiro trecho do parque
1. Usina do Gasômetro / 2. Atracadouro / 3. Entorno do Gasômetro / 4. Praça Júlio Mesquita / 5. Bar / 6. Deques

Fonte: ARCOWEB, 20/05/2013



Categorias:Arquitetura | Urbanismo, Projeto de Revitalização da Orla

Tags:,

46 respostas

  1. “NAO AO PAISAGISMO ….E SIM AOS MARICAS”
    —Faixa que a Cavedon, Ruas, Faillace e o forista Marcelo vao carregar.

    hahahahahaahhhahaaaaa

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: