Possível redução do metrô frustra cidades vizinhas

metro-reducao1

 

metro-reducao2

 

metro3

 

Jornal Metro – Porto Alegre – 06/06/2013



Categorias:Metro Linha 2

Tags:,

29 respostas

  1. Já que em Canoas o Trensurb será subterrâneo http://www.trensurb.gov.br/paginas/paginas_noticias_detalhes.php?codigo_sitemap=3359 poderiamos fazer o mesmo aqui, e dai sim ligar o metro da Cairú até a FIERGS.

    Curtir

  2. Agora, para integração regional, o Trensurb é que tem esta vocação. Deveriam há muito tempo ter pensado na linha 2 do Trensurb que ligaria Canoas a EstanciaVelha/Cachoeirinha/Gravataí, sendo Canoas ou outra próxima, a conexão com a linha 1. Seria mais lógico.

    O metro deixa mesmo para a região mais problemática de POA.

    Curtir

  3. Existe uma grande diferença técnica entre metrô e trem regional. O Trensurb, por exemplo é um trem regional, a exemplo do RER (rede expressa regional) em Paris.

    O metrô, por definição, entende-se como de abrangência metropolitana, limitada a área urbana de uma grande cidade, e deve atender a regiões de grande densidade populacional, para liberar o tráfego superficial conturbado de ônibus e automóveis. Por este motivo sempre estranhei este trajeto mal pensado de ir até a FIERGS. Acho mais lógico que vá até o Triângulo mesmo e de lá opte-se por outro meio, pois fatalmente fora do horário do rush o metrô andaria vazio quanto mais para o final fosse.

    O trajeto teria que ser pensado no sentido de atravessar todo o centro indo até a Azenha talvez (Triângulo – Azenha). O fundamento seria liberar totalmente o centro histórico daqueles horrorosos e imundos terminais de ônibus.

    Como seria bacana o centro histórico limpo, organizado e sem ônibus despejando centenas de pessoas que nem teriam porque passar pelo centro para ir a outros destinos! O metrô serviria para isso.

    Curtir

    • A linha 1 da Trensurb tem abrangência metropolitana (Porto Alegre, Canoas, Esteio, Sapucaia do sul, São Leopoldo e Novo Hamburgo estão todas na microregião metropolitana de Porto Alegre), atende sim regiões de grande densidade populacional e surgiu para liberar o trafego da BR-116, que na década de 70 já estava com problemas.
      Fora que é totalmente segregado do transito externo, nos horários de pico a frequência é de 5 min ou menos entre um trem e outro, usa veículos elétricos e tem distância média entre uma estação e outra de menos de 2 km. Então porque ele não pode ser considerado metrô?

      Boa parte dessa “confusão” começou em SP, onde a empresa Metrô-SP (Companhia do metropolitano de São Paulo) opera as linhas subterrâneas (sendo que todas tem trechos de superfície e elevados) e a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) opera as linhas que antes eram de trens regionais, sendo de superfície e ligando São Paulo à região metropolitana de SP, mas estão sendo “metrolizadas”, sendo segregadas do transito ao redor e encurtando a distância média entre uma estação e outra.

      Curtir

    • Exatamente o que eu disse no post de ontem!

      Curtir

    • Outra coisa que as pessoas não percebem, nem mesmo aqui nesse blog, é a matemática envolvida num metro:

      – 200 mil passageiros por dia
      – passagem 3 reais
      – faturamento diário = 600 mil reais
      – faturamento mensal = 18 milhões
      – faturamento anual = 18*12 = 216 milhões
      – faturamento por década = 2.1 bilhões
      – suposição de futuramente líquido (bruto – despesas) = max 0.8 bi por década (40%)
      – tempo pra um metro de 3 bilhões se pagar = aproximadamente 40 anos

      Curtir

      • Mas o investimento privado não vai ser de 3 bilhões, não lembro direito mas era algo em torno de 400 milhões, não era? O resto é dinheiro público, não tem que recuperar o dinheiro que o estado investiu.
        Nesse caso em duas décadas o faturamento seria de 1,6 bilhões ( de acordo com teu calculo ), uns 400% sobre o valor investido.

        Curtir

      • de todos os metros do mundo, apenas 3 dão lucro Tokyo, Osaka e a nova linha de Sao Paulo construida via PPP. O metro é algo que os governos fazem para que a cidade nao pare.

        Curtir

  4. O que entendo das manifestações dos prefeitos: querem que suas cidades continuem -e acentuem – a condição de dormitório de Porto Alegre. Dependem da capital pra tudo. Se o dinheiro investimento em Porto Alegre visando à população a RMP, tal qual o Bourbon Wallig, fosse investido na cidade da turma, não seria melhor::

    Curtir

    • “Dependem da capital pra tudo”

      Não sei daonde tu tirou isso. Pessoal que mora na RM e trabalha em POA busca vagas de emprego que paguem melhor ou mesmo onde há vagas dos ramos deles. Mas a RM não perde em praticamente nada em termos de serviços, como comércio, shoppings, etc.

      “Se o dinheiro investimento em Porto Alegre visando à população a RMP, tal qual o Bourbon Wallig”

      Falando em Shopping, existe o Bourbon em Canoas e outras cidades, e mais recentemente anunciaram a construção de um mega empreendimento do Zaffari em Gravataí, fora outros investimentos que esse cidade está recebendo e que Porto Alegre adoraria receber…..

      Curtir

  5. Vão-se os dedos mas ficam os anéis. Apesar de tudo acho melhor algum metrô do que metrô nenhum embora desconfie de que vão ter que soltar mais grana para esta obra do que o previsto.

    Curtir

  6. Que tal convidar esses prefeitos parasitas a contribuir com a obra, ja’ que e’ tao importante para seus municipios?

    Curtir

    • Cara, sinceramente, acho que as prefeituras dessas cidades, Gravataí e Cachoeirinha carentes e Alvorada miserável, não podem se dar ao luxo de investir no metrô da capital.

      Curtir

    • Juro que eu pensei isso, mandar a prefeitura cobrar desses prefeitos o que faltar para a construção do metrô. Mas não tem a parceira privada que terá direito a explorar o metrô por 30 anos? Ela não pode colocar grana dela para a construção do metrô?

      Curtir

      • Quero ver achar uma parceira pra bancar uma obra de quase 10 bilhões de reais. Só se o metrô durar dois mil anos, e funcionando bem, para a empresa recuperar o investimento. O próprio Trensurb, com muito mais passageiros, é deficitário.

        Curtir

    • Prefeitos parasitas? essa foi pra matar….

      Curtir

    • parasitas? Pelo menos tá evitando racismo e homofobia agora. Mas até parece né, quem devia estar ponto dinheiro é o governo federal, que fica com 75% dos impostos mesmo.

      Curtir

  7. Para tornar este projeto viável a solução que melhor se adéqua é continuar com a trecho até a Fiergs e ao invés de ir até o centro que se faça conexão com a estação São Pedro da Trensurb. Como é a linha 4 do metrô de São Paulo, que é privada e se conecta com uma linha do metrô de administração pública. Porque ir até o centro se já temos metrô nesta região. Que gente burra, por favor.

    Curtir

  8. Gostaria de entender porque não leio em nenhum jornal sobre a possibilidade do metrô conectar o Trensurb próximo à Cairú.

    Curtir

    • Pablo. Acho que alguém está levando bola para não entender que esta é a solução mais inteligente.

      Curtir

    • Porque não será operado pela Trensurb, por isso. Para que ele utilizasse a linha da Trensurb ele também deveria compartilhar estações e plataformas, sendo que a ideia é que a tarifa do metrô seja a mesma do ônibus, enquanto a da Trensurb é subsidiada para ter seu preço fixo em R$1,70.

      Fora que hoje na hora do pico pela manhã, muitas vezes os trens param fora das estações a partir da São Pedro, justamente pela proximidade entre eles e a falta de um sistema mais moderno de controle. Imagine com mais trens circulando pela mesma via? Não sei dizer nem se a linha 1 está apta à receber os 15 novos trens e trabalhar com 40 composições sem dar problemas técnicos, então quem o diga receber mais 25 trens de outra linha?

      Uma opção seria fazer o fim da linha 2 na estação São Pedro, ali os passageiros descem e embarcam na linha 1 em direção à Mercado, Rodoviária ou RM. Mas aí lotariam ainda mais os trens da linha 1.

      Curtir

      • Eu li em algum lugar que as composições do Trensrub não passam de 4 vagões. Entretanto as estações são bem maiores, daria para colocar bem mais vagões, se as locomotivas tiverem força para isso, é claro.

        Curtir

    • Esta é facil de responder. Não há projeto. Não há planejamento. Somente interesses políticos. Sempre tem uma data para iniciar as obras. Agora é 2014. Também não há responsabilidade. Existe somente um traçado, nada mais que isto.

      Curtir

  9. Pena mesmo. Com essa redução, o metrô vai integrar basicamente duas zonas comerciais, mas terá pouca utilidade para transportar trabalhadores das periferias ao centro.

    Curtir

    • se fosse das cidades vizinhas ao triangulo seria mais util – com os transportes integrados pelo TEU.

      Curtir

      • Nenhum dos trechos desse traçado deveria ser suprimido, afinal, ele não deve apenas ligar a periferia ao centro, mas ele também tem como objetivo reduzir a quantidade de veículos se dirigindo até o centro.

        Curtir

    • Metro não serve para transportar trabalhadores da periferia pois ele é caro demais para isso em qualquer país. Lá existem linhas de trem (trem mesmo, não metro) mas definitivamente não é metro.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: