Transporte lata de sardinha

A crítica ao transporte coletivo nas recentes manifestações ficou demais focada no custo da tarifa. Pouco tem se falado das péssimas condições nele existentes com pessoas sendo espremidas como “em lata de sardinha” quando vão e volta do trabalho, na expressão do governador Tarso Genro durante almoço da Câmara de Comércio Brasil-Alemanha de Porto Alegre.

Aliás, também o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, reconheceu nesta segunda (24) que durante 30 anos, enquanto aconteceu o fenômeno da urbanização, que hoje atinge 84% do País, não se investiu nada em mobilidade só retomando isso em 2011. E o resultado foi que, enquanto a tarifa subia nas regiões metropolitanas, a qualidade dos serviços caía.

Affonso Ritter



Categorias:onibus

Tags:, ,

14 respostas

  1. Já começaram os tradicionais e aproveitadores políticos.
    Perguntem ao Tarso porque ele não paga o piso nacional do magistério, mesmo tendo assinado quando era ministro da justiça e dizendo que esse era seu compromisso político, formal e MORAL…!!!
    E ontem a Dilma foi patética no seu pronunciamento. No ano passado ela falou que iria “reformar”, “melhorar” e “não sei o que mais” 800 aeroportos regionais. Aí o assessor da presidência foi lá riscou a palavra “aeroportos” do texto e escreveu a caneta: “hospitais”. E ela disse: vamos “reformar”, “melhorar” e “não sei o que mais” 800 hospitais.!!
    Acho que 800 é o número mágico do governo.
    Falando sério agora: eu não acredito em nada do que os políticos dizem, do todos os partidos. Pra mim são todos canalhas, com raríssimas exceções. Que legislam em causa própria, dos partidos e dos grandes grupos econômicos e f…-se a população. que de vez em quando ganha algumas migalhas, para ser “mantida sob controle”.

    Curtir

  2. É verdade. Sou estudante e tenho renda de adulto. Não me importaria em pagar tarifa de lotação para poder ficar sentado em uma poltrona confortável, além de o ônibus oferecer wi-fi e ar condicionado FUNCIONANDO, o que é raro hoje em dia. Espero que os políticos não sejam tão demagogos a ponto de dar isenção para pessoas como eu, que podem pagar pela passagem integral e idosos “bem aposentados”.

    Quem pode pagar, deveria pagar até mais dos que 2.85, talvez até R$4.00. O que precisamos é de transporte coletivo de qualidade, confortável e acessível a todos.

    Curtir

  3. Só quem pega ônibus sabe o que é. Vai para a perimetral, e tenta pegar um T11 as 18h. Apesar de existir muitos ônibus para essa linha, vem um atrás do outro com lotação máxima! Perdi as contas de quantas vezes as pessoas dentro do ônibus se olhavam, e outras até falavam: “como vai caber mais gente?” enquanto o motorista se RECUSA a partir da parada, enquanto tem uma fila de 10-15 pessoas querendo entrar, todos com “cara de bunda” (desculpe o palavreado) esperando o cobrador mandar as pessoas darem passinho acima. Isso é um absurdo! Sou multado por não usar cinto no carro, mas tudo bem andar num ônibus onde diz “lotação máxima 45 pessoas” – onde há 45 sentados e outros 45 de pé??? Para mim não faz sentido algum!
    Também ja perdi a conta de quantas vezes peguei o T2A na perimetral próximo desse horário e desci sem pagar, pois era impossível cruzar a roleta e sair pela porta de trás. Dá vontade de se pendurar naqueles canos e ir que nem um macaco, tamanha selvageria…

    Curtir

    • A culpa não é do motora, e sim da regra que não se pode sair da parada sem atender a todos os passageiros.

      Claro, ela é levada ao pé da letra, pois ele mesmo sabendo que não entra mais um fio de pentelho ali no ônibus ele não pode simplesmente arrancar senão denunciam pois “não parou na parada”.

      Tem que acabar com essa superlotação com dimensionamento correto e modais adequados a cada trecho. Tem lugares (a própria perimetral com o T11) é um excelente exemplo de que ônibus comuns ali não dão conta. Ou metrô, ou pelo menos um BRT de verdade.

      Mas a prefeitura só quer saber de fazer trincheiras e viadutos na perimetral…. dá nisso!

      Curtir

      • Com toda essa lotação nos horários de pico, não sei se um BRT solucionaria isso. Acho que depois dessa linha 2 do metrô, deveriam ser feitas uma linha sob a 3ª perimetral, saindo da zona sul e indo até o aeroporto (quem sabe até a Arena, assim atende à futura demanda que haverá na região do Humaitá com os futuros empreendimentos e diminui ainda mais a quantidade de pessoas que vai de carro para a Arena, afinal, não escoará somente pessoas para a RM mas também para a ZS) e talvez podendo até se estender futuramente à Nova Santa Rita.

        E outra deveria fazer o itinerário da linha D43 (só que sem fazer aquela voltinha pra chegar até o mercado, indo somente até a estação Rodoviária), podendo futuramente se estender à Guaíba passando por baixo do Guaíba e do outro lado podendo ir até Viamão. E poderiam se fazer linhas de BRT e aeromovel para alimentar essas duas novas linhas de metrô.

        Por um momento até esqueci que estava em Porto Alegre, onde atualmente essas ideias são totalmente inviáveis.

        Curtir

      • Certo, entendo que a culpa não é nem um pouco do motorista. O que me indigna é que a ordem vem muito provavelmente de pessoas que apenas observam essas cenas ao passar com seu carro importado ao lado. Odeio generalizações mas todos sabemos que é assim. Mandar todo mundo pra dentro do ônibus, sem se importar se cabe ou se você não consegue nem chegar na porta de trás é uma atitude, para mim, desumana e que visa somente o lucro.
        Mais indignação me traz, saber que nada ou pouco se faz para tentar solucionar isso. A medida atual é “cabe todo mundo”. Não pensam em “será que tem pessoas que passam mal?; será que estamos oferecendo um transporte condizente com o que cobramos e o que se é esperado por quem o utiliza?; será que podemos fazer alguma coisa, por menor que seja, para melhorar o nosso transporte?”.

        Curtir

  4. ENLATE LIVRE!

    Curtir

  5. Ontem, ao pegar a linha T2, que devido a dois pontos, chuva e manifestação, ao invés dela chegar as 17:55hs, passou às 18:20hs, resultado, chegou num ponto na perimetral, que foi impossivel por mais gente dentro do onibus, sendo que, eu fui de pé, da avenida Brasil, até o cruzamento da Aparício com a Bento, senti bem na pele o termo “lata de sardinha”, fico imaginando, se for colocado passe livre para todos, o que pode ocorrer por aqui.

    Curtir

  6. Alguém sabe se situação parecida pode ser aplicada em Porto Alegre?

    Link: http://www.diariosp.com.br/n/52691
    MP cobra de empresas de ônibus R$ 30 milhões, valor é para cobrir danos morais coletivos causados à população paulistana.

    Curtir

  7. Ótimo tópico! Não é só preço… é qualidade também. Além disso as obras da copa estão mudando quase nada o perfil do transporte, no fundo só estão reformando os velhos modelos.

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: