Arquitetura: a maior construção já levantada pelo homem abriu suas portas na China

new-century1-640x360Em que momento uma construção vira uma cidade? Com 1,7 milhão de metros quadrados, é difícil escolher uma dessas duas classificações para o Centro Global New Century.

O New Century, que começou a ser construído no primeiro semestre de 2012 (não muito tempo para uma obra dessa proporção), abriu oficialmente no dia 1º de julho. A estrutura de vidro e aço com 18 andares fica em cima da nova estação do metrô de Chengdu, uma província da cidade de Sichuan com mais de 14 milhões de habitantes e uma das megalópolis que mais cresce na China.

O que os visitantes encontram dentro dessas paredes envidraçadas? Na real, o basicão, só que em doses generosas: um cinema com 14 salas IMAX, lojas, restaurantes, escritórios, hotéis, uma reconstrução de um vilarejo do Mediterrâneo e, por fim, sua pièce de résistance — uma praia artificial enorme com pôr-do-sol e brisa artificiais, graças a uma tela LED gigantesca em uma das suas laterais. Um centro de artes com 500 mil m², projetado por Zaha Hadid, está sendo construído ao lado.

A questão não é bem o que o New Century tem, mas quanto. É difícil imaginar números como 1,7 milhão de metros quadrados, então aqui vão alguns comparativos. Daria para colocar três Pentágonos dentro dessas paredes, ou 20 Óperas de Sidney. Ele é quase 500 mil metros quadrados maior que a antiga maior construção do mundo, o Terminal 3 do Aeroporto Internacional de Dubai. A maior dos EUA, o Palazzo, em Las Vegas, é apenas a 11ª do mundo.

Vale frisar que o New Century não é a primeira megaestrutura do gênero, embora seja a maior. Arquitetos e construtores chineses são pioneiros na construção de regiões urbanas completas a partir do nada. O título de maior estrutura do mundo acaba sendo apenas uma maneira de os criadores do New Century se destacarem da massa. [ArchDaily via The Independent]

new-century2-640x426

new-century3

new-century5

new-century6

new-century7

Fonte: Gizmodo



Categorias:Arquitetura | Urbanismo

Tags:, , , ,

21 respostas

  1. Que horror. Um monumento ao mau gosto e à inconseqüência humana.

    Curtir

    • Ainda não entendi o que tu faz neste blog ! Sinceramente !

      Curtir

      • A discordância, o contraponto e o debate são o que tem de mais interessante no blog, Gilberto. E teu trabalho de selecionar os temas tem muito mérito na geração da polêmica. Pode ter certeza de que se todo mundo concordasse o tempo todo, o número de acesso seria muito, mas muito menor. Prova disso é o fato de que postagens sobre temas “unânimes” normalmente são as menos comentadas e acessadas. Pessoas com visões radicais, instigantes, questionadoras e que fujam do óbvio são as grandes responsáveis pelo sucesso do blog. Eu, no teu lugar, seria grato ao fato de que pessoas que têm tudo para sair fora ainda continuam sendo habitués do blog.

        Sinceramente.

        Curtir

  2. Enquanto isso, a engenharia gaucha e’ capaz de construir uma ponte no arroio Diluvio em 24 meses. Ja’ os engenheiros da aeronautica estao tentando terminar a tabuada do 8 para, entao, comecar a projetar a pista nova do Salgado Filho.

    Curtir

  3. Imaginem certos vereadores aqui da terrinha morando numa cidade desta. iriam ter pesadelos diariamente.

    Curtir

  4. Aos que sugerem botar o centro abaixo: imaginem Roma se o coliseu, sem as ruínas, sem o Pantheon, as igrejas, os palácios, as praças?

    “Ah, mas Porto Alegre não tem nem 300 anos de história. Não tem nada que não valha a pena ser derrubado e modernizado.”

    Bem… se querem que Porto Alegre seja uma cidade sem alma, apenas um ponto de passagem, uma escala para o Rio de Janeiro ou São Paulo, vamos em frente.

    Curtir

  5. Enquanto isso, uma ponte no diluvio demora quanto tempo mesmo pra ficar pronto?????

    Curtir

  6. Nao da pra fazerem um desses por aqui e taparem todos aqueles predios mofados e encardidos do Centro ao mesmo tempo???

    hahahahaaaaa….

    Curtir

    • Não pode Gerson, seria muita ostentação pra Província hehehehe

      Curtir

      • Ricardo.
        .
        Parece que vocês não entendem ou não querem entender, grandes obras demonstram a riqueza de um local e não ao contrário, grandes obras levam a riqueza de um local.
        .
        É simples, olhe quando a nossa cidade construiu algo de notável, foi exatamente quando a economia do estado estava no ápice, depois mais nada.

        Curtir

        • Pela amor de Deus… por isso que nada vai pra frente… Fiz uma brincadeira, a pessoa não entende e ainda afirma que não entendo ou não quero entender coisas básicas.

          Curtir

        • Nem sempre, Rogério. No caso do Empire State, a obra foi um dos motores da recuperação da economia dos EUA pós 1929.

          Curtir

        • Ricardo, a tua ironia foi tão irônica que não entendi, me desculpe, mas há varias pessoas que acham exatamente o que entendi e não de forma irônica!
          .
          Sigmund, em 1929 os USA já era a maior economia do Mundo e NY a capital econômica desta. Agora vem o mais importante de tudo, NY jamais abriu mão de sua indústria (já em outros pontos coloquei dados sobre isto).
          .
          Aqui se pensa que a cidade vive de forma autônoma puramente com o setor de serviços impulsionados por nossa “dinâmica” economia do estado.
          .
          Enquanto não for colocado planejamento neste estado nada vai para frente.

          Curtir

  7. Pablo.
    .
    Que não esqueçam, a China está mostrando ao mundo a sua pujança depois de ser a fábrica do mundo. E mais os salários estão crescendo ao ponto de algumas fábricas internacionais estarem se deslocando para outros países, mas a riqueza fica.
    .
    Parece que lema é, primeiro a produção, depois a ostentação!
    .

    Curtir

    • Pois é… tem algo de ostentação… Mas tua observação é importante. Eles demoraram muito para começar a ostentar. Durante as duas últimas décadas foi investimento interno de maneira mais ou meno silenciosa.

      Bem o oposto dos países produtores de petróleo do oriente médio que é pura ostentação.

      Curtir

      • Pablo.
        .
        Para eles é um problema de afirmação como a maior economia do mundo, é puramente político. Já no oriente médio é pura ostentação mesmo que vai acabar quando acaber o petróleo.

        Curtir

  8. Caraca! Muito diferente… Não é feio, mas vou precisar de um tempo para apreciar… mas é bem interessante.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: