Manifestantes finalizam redação de projetos de lei na ocupação da Câmara de Porto Alegre

“Não temos disposição de sair antes desta reintegração, ainda mais porque o presidente rompeu o diálogo” | Foto: Ramiro Furquim / Sul21

“Não temos disposição de sair antes desta reintegração, ainda mais porque o presidente rompeu o diálogo” | Foto: Ramiro Furquim / Sul21

Samir Oliveira

Os manifestantes que ocupam a Câmara de Porto Alegre desde a tarde de quarta-feira (10) promovem diversas atividades ao longo deste domingo (14). Pela manhã, os integrantes do Bloco de Lutas pelo Transporte Público se dividiram em diversos grupos para elaborar a redação final de dois projetos de lei que eles exigem que sejam aprovados pelos vereadores: o passe livre municipal para estudantes e desempregados – que não seja mediante isenção de impostos; e a abertura e auditoria das contas das empresas que operam o setor.

Durante a tarde, os manifestantes realizam uma plenária para promover as últimas modificações nos textos dos projetos. Em seguida, também estão previstas atividades culturais no plenário ocupado.

Por fim, no início da noite os militantes se organizam para a resistência à reintegração de posse que deverá ocorrer na manhã desta segunda-feira (15). No sábado (13), o presidente da Câmara, Thiago Duarte (PDT), decidiu solicitar a reintegração à Justiça. O pedido acabou sendo deferido, mas só poderá ocorrer em dias úteis, a partir das 6h da manhã.

Os manifestantes qualificaram a atitude do presidente como “falta de vontade política” e “incompetência” para dar prosseguimento ao diálogo. O pedido de reintegração de posse ocorreu poucas horas após o Bloco de Lutas já ter garantido publicamente que desocuparia o plenário na segunda-feira.

Agora, os manifestantes afirmam que não possuem condições de deixar a Câmara antes das 6h e temem que a reintegração possa ser efetuada neste período – com o apoio da Brigada Militar. “Não temos disposição de sair antes desta reintegração, ainda mais porque o presidente rompeu o diálogo com esta ação. É uma covardia e uma falta de vontade política de continuar o debate”, afirma Lorena Castillo, militante da Federação Anarquista Gaúcha (FAG) e integrante do Bloco de Lutas pelo Transporte Público. Ela avisa que é preciso, ainda, acompanhar o protocolo dos projetos que o grupo está redigindo na Câmara – o que deverá ser feito na segunda-feira.

SUL 21



Categorias:Invasão

Tags:, ,

7 respostas

  1. Assista à agressão teatral!

    Curtir

    • ahhahahahhha

      Tri fronha o gordinho! agora tá explicado porque fizeram um drama em cima da situação!

      Como diz um comentário do video: “o presidente da Câmara agrediu a própria cueca depois disso” hehehe

      Curtir

  2. Só falta eles serem eleitos para terem esse poder.

    Curtir

  3. Eles vão as acabar conseguindo o que querem… E se não conseguirem, ao menos vão queimar vários vereadores supérfluos.

    Curtir

  4. Passagem grátis pra estudantes e desempregados…ELES ESTÃO LOUCOS.???querem falir a cidade, com um projeto descabido desses…mas a abertura das contas das empresas JÁ…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: