Greve dos servidores do DNIT pode parar obras no RS

br-448-03

 

br-448-01

 

br-448-02

 

Jornal Metro – Porto Alegre – 30/07/2013

 

Lembrem de comentar na área do post e não na área das imagens. 
Do contrário, o comentário não participa da discussão geral, fica separado…



Categorias:Rodovia do Parque

Tags:, ,

7 respostas

  1. Dnit e Daer só atrapalham, órgãos totalmente incompetentes.
    Se amanhã alguém implodir o prédio do Daer não fará diferença ALGUMA.

    Curtir

  2. É pouca pá pra muita m&rd@!

    Curtir

  3. Off topic: Falta mão de obra

    http://wp.clicrbs.com.br/trabalhador/2013/07/29/governo-inicia-campanha-para-ocupar-vagas-de-emprego-abertas-no-estado/?topo=52%2C1%2C1%2C%2C186%2Ce186

    Vocês viram isso aqui? Estamos com sérios problemas na educação e está faltando mão de obra. Interessante isso!

    Curtir

    • Eu acredito que nunca falte mão-de-obra. O que ocorre é uma disparidade entre o que o mercado está disposto a pagar e o que os trabalhadores estão dispostos a receber. Pessoalmente, o papo “falta mão-de-obra qualificada” não me diz nada. Já reparou que quem vive proferindo essa mesma ladainha são os mesmos players de sempre?

      – RBS, CDLs, FIERGS, etc.

      Sou cientista da computação, mas acho que com algum treinamento eu posso fazer uma centena de coisas diferentes. O mesmo vale para um sociólogo ou um técnico de enfermagem. Quando se ouve “falta mão-de-obra qualificada”, o mercado na verdade está dizendo: “não conseguimos mão-de-obra qualificada a salários baixos”. Em outras palavras, a mão-de-obra está cara.

      A mão-de-obra estar cara não é necessariamente um problema. Para a sociedade, pode significar indícios da queda nas desigualdades. Para as empresas, representa queda no lucro. Queda no lucro não pode ser visto sempre como um problema. Tem que olhar com lupa essa questão do lucro. Precisamos aprender a viver com menos luxo e a nos alimentar com cultura.

      Viram essa nova manchete da Le Lis Blanc? A grife de shoppings metidos a chiques fazia suas roupas de mil reais com mão-de-obra escrava boliviana quarterizada. Um artigo de mil exposto na loja remunerava um empregado na outra ponta com R$5,00-10,00 ou menos de 1%. As jornadas de trabalho chegavam a 12h, sem descanso remunerado. Procurem no Google.

      Não falta mão-de-obra qualificada, falta vergonha na cara, ética e aprender a viver consumindo cultura em vez de luxo pasteurizado. Para mim, quem compra Le Lis Blanc, não tem moral para dar lição de moral no mais pornográfico, machista e escroto funk carioca. A futilidade é a mesma ou até pior.

      Curtir

      • Ótimo comentário…
        Eu me lembro que na década de 90 se falava-se muito em “conquistar o emprego dos sonhos”, “super-carreira”, “o emprego está difícil”… Com isso muitas pessoas se dedicaram muito e procuraram entender como é que funciona essa lógica de trabalho e emprego. O resultado é que hoje em dia as pessoas não tem mais amarras nenhuma. Se o chefe é um pé-no-saco ou se a empresa não valoriza, sai e vai para outra.

        Um alto gerente da cadeia automotiva havia falado que hoje em dia os trabalhadores estão exigindo de mais.

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: