Ministro do Esporte admite que atraso em obras pode comprometer Copa

Aldo Rebelo ressalta importância do cumprimento do cronograma e do calendário

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, admitiu que o atraso das obras previstas para a Copa do Mundo podem comprometer o evento marcado para 2014. No caso dos estádios, há problemas em questões de acessibilidade, segurança e mobilidade. Rebelo, no entanto, considerou positivo o saldo da Copa das Confederações, disputada em junho, tanto na questão da segurança, como em relação às conquistas econômicas, em especial com a geração de empregos e renda.

A Copa das Confederações deixou lições, diz o ministro. Entre elas, a de que a antecipação de operações resulta em eficiência. “Creio que a principal [lição] é a necessidade de cumprimento do cronograma e do calendário. Quando atrasam, as obras comprometem todos eventos que [elas] antecedem. No caso, a Copa das Confederações e, no futuro, a Copa do Mundo. Comprometem a eficiência, a segurança, o conforto. E os estádios respondem naturalmente com problemas na acessibilidade, no reconhecimento dos locais, na segurança e na mobilidade”, disse Rebelo durante entrevista ao programa Bom Dia Ministro, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

“Pode parecer uma contradição ou paradoxo, mas achamos que [o resultado na área de segurança] foi positivo porque tivemos a Copa das Confederações submetida a um momento de grandes manifestações no país inteiro, nas via de acessos a estádios, nos aeroportos, na rede hoteleira. Mesmo assim, não houve prejuízo aos torcedores, delegações nos deslocamentos”, complementou Rebelo, após participar do programa.

Ele aponta como resultado positivo as conquistas econômicas. “Conseguimos atrair quase mil empresários para fazer negócios no Brasil e tivemos geração de empregos e renda. Vamos nos esforçar para que o Brasil tenha todos os ganhos. Não apenas os 3,6 milhões de empregos, mas também o ganho da imagem do nosso país e da nossa capacidade”, destacou o ministro.

Portal 2014



Categorias:COPA 2014, Obras da Copa 2014

Tags:

2 respostas

  1. EXTRA !

    Mais uma máfia é escancarada 1

    http://blogdopaulinho.wordpress.com/2013/08/06/assis-irmo-de-ronaldinho-gacho-acusado-de-mandar-matar-ex-presidente-do-rio-grande-f-c/

    Assis, irmão de Ronaldinho Gaúcho, é acusado de mandar matar ex-presidente do Porto Alegre F.C

    Antonio Raul Fraga, primeiro presidente do Porto Alegre Futebol Clube, fundado pelo próprio, em 2006, acusa o empresário Roberto de Assis Moreira, o ex-jogador Assis, irmão de Ronaldinho Gaúcho, de ter contratado um matador para assassiná-lo em 2010.

    E diz ter provas, que serão apresentadas no próximo dia 18 de setembro, em audiência judicial já marcada, por ordem do Juiz Sandro Luz Portal.

    A intenção seria a de ficar com o clube e seu patrimônio, sem quitar o pagamento do negócio combinado.

    Fraga diz que em 25/09/2010 foi alvejado com um tiro na cabeça, permanecendo 15 dias em coma, 40 dias no hospital, tendo ainda sido obrigado a cumprir um ano de recuperação em sua residência.

    O episódio, à época, recebeu pouca atenção da imprensa, que o tratou como reação a tentativa de assalto.

    http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/policia/noticia/2010/09/homem-e-baleado-em-suposta-tentativa-de-assalto-no-camelodromo-de-porto-alegre-3053088.html

    antonio raul fraga

    O ex-cartola alega que, recentemente, sua memória, avariada pelo ocorrido, foi retornando, e descobriu, entre outras coisas, que o atirador, Tiago Oliveira Bento, está preso no presídio de Charqueadas.

    Na época da tentativa de homicídio, o suposto matador de aluguel encontrava-se em liberdade condicional.

    “Quem mandou me matar foi o Sr. Roberto de Assis Moreira, irmão de Ronaldinho Gaúcho. Quem tratava dos negócios era seu advogado, Sergio Felício Queiroz”, afirma. “O Assis tem 15 seguranças da Brigada Militar…”, complementou.

    Antonio diz que possuía um contrato de locação com Assis, o Porto Alegre Futebol Clube, que seria encerrado em 13/06/2011.

    “O clube ficou inativo até agora, pois pensavam que eu iria morrer, ficaram sem me pagar”, acusou

    Fato é que em 24/09/2010, um dia antes do atentado ao Sr. Antonio Raul Fraga, o Porto Alegre Futebol Clube foi transferido para o nome de Roberto de Assis Moreira.

    Três dias após venceria o prazo para quitar o contrato de locação, que era pago anualmente, referente ao período 2009/2010.

    O ex-presidente da equipe gaúcha alega ainda que, se de fato tivesse morrido no atentado, Assis, sem colocar a mão no bolso, herdaria todo o patrimônio do clube, que possui 25 hectares de terreno, estádio, 8 campos de treinamento oficiais, parque de diversão, etc.

    Curtir

  2. O (ex)comunista declara a ineficiência ao público, ok…
    Qual será a atitude dos responsáveis?
    Romário já profetizou isso um tempo atrás.
    Será que está chegando a hora dos contratos de emergência sem licitação superfaturados?
    Quem viver verá.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: