Debilidade na acessibilidade

Continuando a série “A cidade que odiava pedestres”, hoje vamos falar sobre o brilhantismo dos projetistas portoalegrenses no quesito de acessibilidade, com essa perfeita execução de acessibilidade oferecida aos adorados pedestres para travessia da Avenida Loureiro da Silva, sob o viaduto Dona Leopoldina, no Centro de Porto Alegre.

20130321_092920Reparem na colocação conveniente da botoeira de travessia, sem dúvida aliada ao trabalho coordenadíssimo de manutenção das tampas de acesso às utilidades subterrâneas. Um primor da engenharia portoalegrense.



Categorias:Acessibilidade

Tags:, , , ,

13 respostas

  1. Porto Alegre tem vários lugares assim, em tudo que é canto.

    Mas notei uma boa melhoria em alguns pontos.

    Vi criarem diversas rampas para cadeirantes em diversos pontos da cidade,

    Na av São Pedro arrumaram todo o canteiro central, criaram até flores no centro da avenida, e estão bem cuidadas… acreditem.
    Fecharam partes em que os carros usavam para dar o contorno.

    Aqui perto de casa trocaram todo a calçada de uma praça (que eu passo diariamente), agora não acumula mais água quando chove, e criaram rampas de acesso, alem de novas sinalizações.

    No centro ano retrasado criaram rampas em vários pontos.

    Mas tem outros locais da cidade em que precisam de uma melhoria com urgência, mas acredito que vão melhorar com o fim das obras dos “brt’s”.

    ,Acho que a Bento, apesar de não ser ruim, poderia melhorar, o problema sempre foi e sempre vai ser os corredores de onibus, mas não seria dificil melhorar isso.

    Na Mauá o pior é esperar a sinaleira para pedestres, acho que seria uma avenida sem problema de ter sinaleiras para pedestres em que após apertar o botão, ja que demora muito para abrir.
    Acredito que liberando uns 40 segundos ja seria suficiente para qualquer pedestre, e tendo um tempo de espera para abrir o sinal de uns 2 minutos após apertar o botão, ja bastava, até por que não são tantos pedestres que atravessam por la.
    Até ja vi funcionando aqueles botoões para deficientes visuais, fui ajudar um a atravessar e ele comentou que não precisava, ja que a maquina apitava.
    O problema mesmo foi a espera, até ajudei ele a atravessar quando não vinham mais carros.
    Para evitar de trancar o transito, acho que uma sequencia das sinaleiras de toda a via fechando, ja poderia meio que controlar.

    Fecha la no inicio, na rodoviária, que uma hora ou outra precisa fechar, e na sequencia vai fechando todas as outras por toda a mauá até o gasometro.

    Curtir

    • Pois é, em contrapartida refizeram todo meio-fio do canteiro central da Icaraí há 1 ou 2 anos e continua sem o mínimo de acessebilidade.

      Curtir

  2. Meio off topic, mas ainda em quesito “acessibilidade”. No prédio da engenharia mecânica da Ufrgs tem, no segundo andar, um banheiro adaptado para cadeirantes. O que seria ótimo, se no quase centenário prédio houvesse um elevador ou rampa para que o cadeirante subisse até o segundo andar. Porém, a única maneira de se chegar no segundo andar (pelo que eu saiba), é subindo pelas escadas do saguão principal. Ou seja, se por algum motivo não houver um “elevador secreto” em algum outro ponto do prédio, é simplesmente impossível o cadeirante chegar até o banheiro adaptado para cadeirantes.

    Curtir

  3. E nessa mesma foto do post, notem ali no fundo à direita a outra obra de arte: pedestre que vier pela Loureiro e quiser seguir em direção à Lima e Silva tem que atravessar o “balão” que leva de volta à João Pessoa, sem faixa de segurança, sem visibilidade devido ao contâiner e torcendo para não vir um carro em alta velocidade numa curva que parece desenhada para fórmula 1.

    A prefeitura precisa dar um jeito urgentemente nisso. Não é difícil reduzir a velocidade nesses acessos.

    Curtir

  4. O comentário do fbpavao é emblemático e se repete por toda cidade. Sobre a acessilidade, sem comentários. É impossível para um cadeirante, e aposto que a botoeira é igual a imensa maioria das que vemos em POA, ou seja, sem aviso sonoro para quem tem limitações de visão.

    Curtir

    • Existem pouquíssimas focos de pedestre com aviso sonoro. Se não me engano, o primeiro a ser implementado foi do lado da prefeitura. Pra mostrar serviço, porque aquela travessia continua patética.

      Curtir

  5. Vou incluir essa foto no post do vá de bici, pode ser? http://vadebici.wordpress.com/2013/08/21/pedestre-em-ultimo-lugar/

    Curtir

  6. Eu passo quase que diariamente nesse cruzamento. A sinaleira pra pedestre abre antes em uma das vias e depois na outra, fazendo com que quem vai no sentido bairro-centro consiga atravessar tranquilamente, mas quem vem centro-bairro fica preso no meio do canteiro (a não ser que seja maratonista) e demora uns 5 minutos pra atravessar, em média.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: