Quanto vale a sua cidade ? Porto Alegre custa R$ 23 bilhões!

As cidades têm preço ? Sim, é claro.. há modernos métodos econômicos de avaliação do preço de uma cidade. Um deles é sua marca. Uma marca de cidade é aquilo que seus habitantes consideram como infra-estrutura, condições de trabalho, qualidade de vida, oportunidades, e é claro, outras variáveis, como segurança, etc…isto compõe um ranking. Mas também é preciso considerar as reais condições dela. O estudo não levou isto em consideração.

Uma grande empresa inglesa de consultoria ouviu 18 mil pessoas em todo o Brasil. E fez um ranking de 40 cidades.

São Paulo vale disparado 233 bilhões.O Rio vem depois com meros 85 bi. Depois, Brasilia, com 70 bi, Curitiba, 30 bi, Belo Horizonte, 28 bi, e Manaus com 25 bi, um pouquinho acima de Porto Alegre, que aparece mais ou menos (no gráfico), com 24 bi.Campinas com 23 bi, e logo Fortaleza e Salvador. OU seja, Porto Alegre é a sétima cidade avaliada no Brasil, com insignificantes 24 bilhões de reais.Figurativamente, poderíamos dizer que quem tiver 23 bilhões, leva a cidade.

O estudo tem erros? Tem, claro que sim.

Dá até uma posição mais confortável para Porto Alegre do que ela merece. Sétimo lugar entre as cidades brasileiras é muito. Londrina é muito melhor, e tem 1 milhão de habitantes, Goiânia já está subindo no ranking de qualidade, e tem 1 milhão de habitantes.Há outras cidades chamadas de meso urbanas, com grande qualidade de vida e na faixa de 1 milhão de habitantes.

Um um ranking mundial ultra competente sobre cidades semelhantes que inclui Sidney, Montreal e muitas outras, ,Porto Alegre nem aparece com qualquer referência em qualquer item. A empresa inglesa mostra que recém está se aprofundando no Brasil. Pois medir percepções dos habitantes sobre suas cidades, deixa de fora o que as cidades REALMENTE SÃO neste momento.

Nunca esqueçamos o nosso orgulho defasado e fora do lugar – os gaúchos se comportam como se ainda vivessem em 1950 ou 1960 : em falência econômica, marginalizados do Brasil em 2013, porém crendo que são o estado mais desenvolvido e o melhor lugar do mundo para se viver. ENCAREMOS DURAMENTE a realidade e façamos o exercício de nossas próprias críticas para sair disto, como sugere Ivan Pinheiro Machado, que transferiu a sede da LP&M para São Paulo…

Fazemos (ou por outra, os gaúchos de mentalidade tradicional ultra regionalista fazem jus à piada dos chilenos sobre os argentinos: “O melhor negócio que existe é comprar um argentino pelo que ele vale e vendê-lo pelo que ele PENSA QUE VALE”. Aliás, os chilenos contam uma piada ainda melhor sobre os argentinos, que pode se aplicar também sobre nós: “O melhor modo de afogar um argentino é enfiar-lhes os pés dentro d’água”.

Roberto Rosen.

______________________________

Roberto Rosen escreveu o seu artigo com base nesta matéria do Estadão:

Cidade de São Paulo tem marca avaliada em R$ 233,5 bi, mostra estudo

A capital paulista é a mais valiosa do Brasil e supera o segundo colocado, o Rio de Janeiro, em quase três vezes

29 de agosto de 2013 | 17h 23

José Roberto Castro, da Agência Estado

SÃO PAULO – Quanto vale a marca de uma cidade como São Paulo ou o Rio de Janeiro? Como é possível chegar a um valor? Uma empresa inglesa especializada em gestão de marcas topou o desafio de medir quais as marcas-cidades mais valiosas do Brasil. A marca mais valiosa é a de São Paulo, avaliada em R$ 233,5 bilhões. Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba e Belo Horizonte, respectivamente, completam a lista das cinco primeiras. Campinas, no interior de São Paulo, é a única não capital entre as dez marcas mais valiosas. Juntas, as dez primeiras colocadas valem R$ 532,8 bilhões.

O CEO da Superbrands no Brasil, Gilson Nunes, conta que a avaliação leva em conta fatores econômicos e de bem-estar. A pesquisa ouviu 18.100 pessoas em 40 cidades de todo o Brasil. Elas opinaram sobre diversos aspectos de suas cidades – como infraestrutura, qualidade de vida e oportunidade de trabalho – e o resultado é um dos quesitos que compõem o ranking.

marcas-das-cidades

O aspecto econômico também é levado em conta. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foram usados para compor este outro lado do índice. Segundo Nunes, uma cidade com marca mais forte desperta mais o interesse de potenciais moradores, turistas e investidores. “Uma cidade com marca forte tem mais poder, gera mais emprego, salários melhores e consequentemente melhores condições de vida para a população.”

Uma das motivações do estudo é a proximidade da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016. Com o Brasil no horizonte de estrangeiros, Nunes acha que é a hora de fortalecer as marcas. “Conhecendo melhor o perfil da marca de cada cidade, é possível apostar em potencialidades ou corrigir deficiências.”

Esta é a primeira vez que o estudo é feito no Brasil e a empresa pretende, em um futuro próximo, oferecer os dados às prefeituras e prestar consultorias. “A ideia é que este estudo sirva como base para uma gestão da marca por parte dos municípios. Vamos mandar os estudos para estas prefeituras e depois fazer um trabalho mais próximo”, explica Gilson.

__________________________

Nota do Blog:

O artigo do Sr. Roberto Rosen fala que Londrina, no Paraná, possui 1 milhão de habitantes. Na verdade, a cidade tem 537 mil habitantes conforme estimativa do IBGE para 2012.

Já Goiânia, possui 1.393.000 em estimativa do IBGE para 2013.

O autor chutou e errou nas duas.

A propósito, não sei quem é o Roberto Rosen. A fonte do artigo original, o blog do Políbio Braga, não fala sobre o autor.



Categorias:Demografia, Economia

Tags:,

26 respostas

  1. O povo de Porto Alegre é muito critico isso se reflete nessa pesquisa. Basta ver POA tem o menor índice de desemprego do país, uma das maiores renda domiciliar do Brasil, uma das melhores proporção médico por habitantes, etc…

    Curtir

    • Porque então você acha que Curitiba saiu na frente? Lá as pessoas acham que vivem num paraíso pois nunca se deram ao trabalho de ir nem à miserável e sangrenta região metropolitana.

      Aliás, Curitiba é uma cidade completamente CHEIA de favelas e miséria. A desigualdade social é gigantesca. Me arrisco a dizer, mesmo sem ter conhecimento, mas no chutômetro mesmo, que talvez Curitiba tenha alguns setores um pouco melhores que Porto Alegre, como o transporte, que, sinceramente, é a única coisa que se destaca nessa cidade.

      Sem contar que Curitiba tem o povo mais relaxado e mal educado que eu já vi, a criminalidade é impressionante e o analfabetismo então!

      As pessoas aqui, por mais que saibam dos problemas NUNCA vão querer que vocês tenham conhecimento deles. Tanto a prefeitura quanto a população fazem de tudo para mascarar essa realidade. Até porque, a cidade é perfeita, a melhor do Brasil ou então a Europa Brasileira, como os curitibanos – com esse inverno que nem frio é – adoram chamá-la.

      Um detalhe: As pessoas evitam falar em Porto Alegre aqui. Somente se é realmente necessário. Parece que Porto Alegre é algum tipo de referência por aqui. Mas isso é inadimissível. Porém, muita coisa que tem por aqui foi copiado de Porto Alegre, mas nunca diga isso a um curitibano, pois Curitiba foi quem inventou a internet, eles vão banir vcs!

      Pessoal, desculpa o desabafo, não sou gaúcho, adoro a cultura de vocês e sou morador de Curitiba. Sei como a coisa funciona por aqui!

      Curtir

  2. Olha o bairrismo exagerado gente!
    Se a pesquisa errou em nrs ou não e se tem ou não muita importância uma coisa é certa. Temos que admitir. Quem conhece Curitiba sabe que eles estão na nossa frente. Só pra citar alguns itens, as tampas dos bueiros lá não quebram os veículos. As árvores são muito mais bem cuidadas do que as daqui, a cidade tem crescido exponencialmente e sua economia não se pode comparar com a nossa é muito mais pujante. Eu conheço Curitiba desde a década de 70. POA parou no tempo. Naqueles anos eles tinham pouco mais da metade dos habitantes de P. Alegre. Ctba tem hoje tem mais 1,75 milhão. A grande Crtba. tem 3,2m. e tem fabricas da VW-Audi, Renault e outras de grande expressão. Aqui diminui a população e a economia. E aumentou o ranço. Temos muito o que fazer.

    Curtir

    • Concordo. Mas isso é uma maneira erra de generalizar. Curitiba ainda está longe de ser tão melhor que Porto Alegre. Se é que um dia já foi ou vai ser.

      Curitiba é maior que Porto Alegre e óbviamente tem um PIB maior. Mas isso não significa que a cidade tenha um PPC melhor que PoA, por exemplo.

      A desigualdade social por aqui é gritante. Há tanta favela escondida nessa cidade, tanta pobreza, que vocês nem imaginam. A criminalidade é algo digno de posição numero 1 num ranking nacional de roubos, assassinatos, usuários de drogas e etc.

      A diferença é que aqui parece ser uma cidade sem lei. A prefeitura faz o que quer e quando quer. Por exemplo: queremos esconder a miséria. Bom, é só pegar os mendigos e atirar na região metropolitana. Assim, nenhum turista vai ver a realidade e vai ter a impressão de que Curitiba está nos luz na frente de PoA. Isso acontece mesmo. Não há politização aqui. As pessoas não lutam por nada. Se querem cortar arvores, eles cortam. O importante é impressionar.

      Uma das coisas que mais me deixa indignado é o analfabetismo. As pessoas aqui falam muito errado e escrevem mais errado ainda!!!

      Eu moro em CTB. Sei como é =/

      Curtir

  3. A marca mais valiosa entre as cidades brasileiras é o RIO DE JANEIRO!! Ipanema e Copacabana são mais famosas que muitas das nossas capitais no exterior!

    Curtir

  4. A/C EPTC :

    http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/09/09/prefeitura-de-sao-paulo-vai-mudar-as-linhas-de-onibus-da-cidade.htm

    Prefeitura de São Paulo vai reorganizar todas as linhas de ônibus da cidade35
    Marivaldo Carvalho
    Do UOL, em São Paulo 09/09/201315h22 > Atualizada 09/09/201316h59

    Para agilizar as viagens de ônibus, a Prefeitura de São Paulo vai reorganizar as 1.331 linhas que circulam pela cidade nas quais andam 4,5 milhões de passageiros por dia. As primeiras a receber intervenções, neste ano, serão as linhas que percorrem o corredor Pirituba-São João, na zona oeste, por onde são realizadas 600 mil viagens em um dia útil.

    Para os passageiros que saem da periferia, a prefeitura vai implantar em diversos pontos da cidade estações de transferência. Todos os usuários que pegam esses ônibus vão cair numa estação dessas, uma espécie de “mini-terminal” de onde vão pegar um outro ônibus que circule pelo corredor.

    “A reorganização das linhas vai mexer com a cultura do passageiro que está acostumado a ter a linha direta e vai ter de fazer a integração”, diz a diretora de Planejamento da SPTrans, Ana Odila de Paiva.

    Com as mudanças, diversas avenidas importantes da cidade, como Pacaembu e Sumaré, vão ganhar mais ônibus. “Na avenida Pacaembu quase não passa ônibus. É um a cada meia hora”, afirma.

    ….

    Curtir

  5. Mais um lixo de pesquisa, mas que para algum itere$$e há de servir. Porto Alegre a “capital da qualidade de vida” hahahaha.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: