Prefeitura lança edital para duplicação de contêineres

Licitação prevê a instalação de mais 1,2 mil contêineres de lixo orgânico Foto: Ricardo Giusti/PMPA

Licitação prevê a instalação de mais 1,2 mil contêineres de lixo orgânico Foto: Ricardo Giusti/PMPA

A Prefeitura, por meio do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), lança nesta terça-feira, 17, edital de licitação que prevê a instalação de mais 1,2 mil contêineres de lixo orgânico, duplicando o serviço da coleta mecanizada da cidade. Os detalhes do contrato serão apresentados pelo prefeito José Fortunati e pelo diretor-geral André Carús. O ato de assinatura ocorrerá às 10h, no Gabinete do Prefeito, no Paço Municipal.

Este é um dos cinco editais que integram a nova modelagem de limpeza urbana, lançada em maio, para qualificar a prestação dos serviços. Os outros quatro editais devem ser publicados assim que os contratos vigentes forem encerrados. Conforme Carús, a próxima licitação a sair será a da coleta domiciliar, cujo término da atual vigência ocorre em dezembro. “Os novos contratos permanentes custarão R$ 330 milhões, cerca de 20% menos do que os anteriores por não incluírem a contratação de caminhões complementares para a coleta regular”, destacou.

Prefeitura de Porto Alegre



Categorias:Coleta mecanizada de lixo

Tags:, ,

3 respostas

  1. Diário Não-Oficial :

    http://www.mafiadolixo.com/2013/09/642-dias-de-emergencia-no-lixo-de-porto-alegre/

    642 DIAS DE EMERGÊNCIA NO LIXO DE PORTO ALEGRE
    16/09/2013

    DEZ-ANOS-Máfia-do-Lixo-2013Nessa segunda-feira (16/09) completam 642 dias de emergência no lixo da cidade de Porto Alegre. O governo do prefeito pedetista José Fortunati continua promovendo a emergência nos serviços de limpeza urbana da capital gaúcha.

    A emergência no lixo começou em 14 de dezembro de 2011 por meio do Departamento Municipal de Limpeza Urbana – DMLU, autarquia municipal da Prefeitura de Porto Alegre que vem a ser a responsável pela gestão dos resíduos.

    O governo pedetista do prefeito José Fortunati mantém a sua gestão do lixo operando contratos sem licitação pública, ditos por emergência, com empresas privadas operando nas áreas de “Coleta de Resíduos Sólidos Domiciliares”, “Coleta de Resíduos Recicláveis”, “Serviço de Capina” e fornecimento de “Containeres” com o transporte de resíduos, entre outros. Há emergência até em “Seguro de Vida” em grupo para servidores que participam da Apólice de Seguro Coletivo na condição de segurados ativos.

    Os principais contratos regulares na cidade de Porto Alegre, oriundos de licitações públicas como determina a Lei Federal no. 8.666/93, ou já venceram há muito tempo (642 dias) e hoje são operados na “emergência”, ou estão vencendo, como é o caso do “Serviço de Lavagem de Logradouros Públicos”, da “Coleta de Resíduos Públicos” e do “Transporte dos Resíduos Sólidos Urbanos”.

    642 dias de emergência no lixo de Porto AlegreOs dois principais contratos do Departamento Municipal de Limpeza Urbana – DMLU foram firmados sem licitação pública, por dispensa de licitação, com duas empresas do grupo SOLVÍ Participações S/A: a Revita Engenharia Ambiental S/A que opera a coleta de lixo domiciliar desde o dia 14 de dezembro de 2011, e a Companhia Riograndense de Valorização de Resíduos S/A (ex-SIL Soluções Ambientais Ltda) que enterra mensalmente mais de 30 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos da capital no aterro sanitário localizado na cidade de Minas do Leão.

    A Companhia Riograndense de Valorização de Resíduos S/A tem por dona a REVITA Engenharia Ambiental S/A, empresa privada que detém o percentual de 70% do capital em sociedade com os irmãos César Weinschenck de Faria e Carlos Weinschenck de Faria e Fernando Hartman e René de Matos Caramez, pessoas físicas essas que somam 30% do restante do dinheiro do fundo empresarial.

    O diretor geral do DMLU, André Carús, afirmou em 20 de maio de 2013, que “nossa intenção é lançar o edital até agosto. Assim, se tudo der certo, acredito que entre março e abril de 2014 nós já teremos os serviços iniciados”. Carús certamente estava se referindo aos serviços de limpeza urbana que estão sendo operados sem licitações públicas. A intenção de Carús, do DMLU, de lançar o edital com cinco lotes para os serviços de limpeza urbana de Porto Alegre ficou mesmo na INTENÇÃO. Acabou não acontecendo.

    O Ministério Público de Contas, que atua junto ao Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul, e o Ministério Público Estadual gaúcho devem estar tomado providências quanto à falta de licitação pública nas contratações de empresas privadas pela Prefeitura de Porto Alegre, via o Departamento Municipal de Limpeza Urbana – DMLU.

    Poderá também gostar de:

    Curtir

  2. E para o lixo seco, terá quando? Conheço várias pessoas que gostariam de separar o lixo mas não o fazem porque não sabem ou não tem onde depositar o lixo seco. Tem que ter em todas as ruas containers pro lixo seco e pro lixo orgânico.

    Não faz bem só pro meio ambiente, mas também ajuda a tirar carroceiros da rua, se a intenção da prefeitura é continuar fazendo com que eles trabalhem com reciclagem de lixo. Assim perde-se menos matéria prima reaproveitável e se dá um destino mais digno para os carroceiros.

    Curtir

  3. Nova (antiga) notícia (propaganda) da duplicação dos contêineres para lixo orgânico, enquanto o lixo seco será empilhado ao lado desses novos contêiners,

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: