Fortunati vai a Brasília negociar modelagem financeira do Metrô

Governos fazem projeções para embasar a equação financeira do projeto

Governos fazem projeções para embasar a equação financeira do projeto

Convidado pelo Ministério do Planejamento, o prefeito José Fortunati estará em Brasília nesta quinta-feira, 19, para nova rodada de negociações sobre a modelagem financeira do Metrô de Porto Alegre. Às 14h, terá reunião com o secretário do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Mauricio Muniz, e o secretário nacional de Transportes e Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Júlio Eduardo dos Santos. Acompanham a agenda no Ministério do Planejamento (Bloco K, 5º andar) o secretário estadual do Planejamento, João Motta, e o secretário municipal de Gestão, Urbano Schmitt.

Fortunati, que esteve com a presidente Dilma Rousseff nesta segunda-feira, 16, durante ato no Palácio Piratini, afirma que as equipes técnicas da prefeitura e dos governos federal e estadual estão fazendo as projeções possíveis para embasar a equação financeira do projeto. “Nas negociações que mantemos com o governo federal, já ficou claro que os R$ 2,3 bilhões não virão a fundo perdido. O que ponderamos, e falei rapidamente com a presidente Dilma sobre isso, é que o município e o Estado têm margem pequena para financiamentos”, afirmou Fortunati, destacando que a Capital já está comprometida com financiamentos para grandes obras, como os projetos de mobilidade, o Socioambiental e a primeira parte acordada para os recursos do metrô.

Na última semana, o prefeito esteve reunido em Brasília com o secretário do PAC para avançar nas negociações. Em julho deste ano, a prefeitura e o governo do Estado formalizaram a proposta de ampliação do aporte de recursos federais no projeto do metrô da Capital. O montante da proposta é de R$ 2,3 bilhões, atualizando o orçamento total do projeto para cerca de R$ 5 bilhões, incluindo o repasse de R$ 1 bilhão já confirmado pelo governo federal e R$ 700 milhões divididos em um financiamento a ser pago pela prefeitura e o governo do Estado.

Prefeitura de Porto Alegre



Categorias:Metro Linha 2

Tags:, ,

12 respostas

  1. ACORDA PREFEITURA, com esse projeto, não se consegue nem 20 centavos!

    Curtir

  2. Sei que é difícil, mas seria melhor que o governo federal revisasse esse trajeto para que ele abranja uma área maior. Benjamin Constant, Cristóvão Colombo, Alberto Bins, Otávio Rocha e Largo Glênio Peres Seria um bom traçado, pois consegue pegar a demanda que existe na Farrapos, que já é em parte atendida pela linha 1, e também da independência e região e fazer uma conexão com aeromovel da linha 2 até a estação aeroporto, para que quem precisa usar o aeroporto e mora na zona norte não precise pegar mais uma condução para chegar até o aeroporto (Assim pegaria a linha 2, aeromovel e o aeromovel da estação até o aeroporto, ao invés de pegar linha 2, aeromovel, linha 1 e o outro aeromovel). Essa conexão poderia ser muito bem um prolongamento da linha que está sendo estudada para a Arena.

    Difícil acontecer, mas não custa nada sonhar.

    Curtir

  3. Simples assim, Rio e São Paulo, com sua linhas de metrô e mais e mais tantas outras em implantação; Brasília em ampliação; Fortaleza com um baita metrô em funcionamento; Salvador com grande estrutura pronta só não funciona pela corrupção total mas já se aplicaram mais de 1 bilhão; enquanto isso Porto Alegre segue preterida pelo governo federal ao qual se submete este estadual fraquíssimo, e é uma capital travada tomada por congestionamentos que prejudicam a economia e afetam a qualidade de vida da população. Urnas em 2014, hora de dar um basta.

    Curtir

    • Fortaleza não tem um baita metrô em funcionamento, pode até ter uma grande extensão mas a população reclama dos poucos e pequenos trens (3 vagões para 150 pessoas cada) e do horário, que até hoje está em funcionamento experimental, das 10h as 14h.

      Salvador não tem uma grande estrutura, apenas 6 km, com 6 trens de 6 vagões (deu até medo de tantos 6), que não sai já faz 10 anos por maracutaias, corrupção e brigas políticas.

      O metrô do rio é outro caso, a população quer a construção da linha 4 de uma forma, e a prefeitura está construindo a linha 4 apenas como uma extensão da linha 1, saturando-a ainda mais e desfazendo o plano inicial de fazer da linha 1 uma linha circular ( http://www.metrolinha4queorioprecisa.com.br/entenda-a-questao/ ).

      O único exemplo bom que citou foi o de São Paulo, que tem uma demanda muito maior e o paulistano aprendeu a se locomover usando o metrô (mesmo que a grande maioria use o carro), hoje é uma estrutura que só tende a crescer.

      Mas deixou de fora o bom exemplo que é o metrô de recife, tem duas linhas (sendo que a linha centro tem dois ramais) é bem servida de trens, eram linhas de trens regionais que assim como a linha 1 da Trensurb, foi metrolizada. E ainda se conecta com a linha do chamado “trem diesel” sendo que estas unidades à diesel estão sendo substituidas por VLT’s, mas eficientes porém também diesel.

      Porém, várias outras cidades estão apostando em linhas de VLT e estão conseguindo recursos, com obras que já começaram, pode até ser mais barato, mas é tudo uma questão de planejamento e negociação.

      Curtir

  4. Se o projeto fizesse sentido pelo menos…

    Curtir

  5. Aguentar os comentários do Lasier Martins ontem, me deu nojo.. todo atraso é culpa exclusiva do governo federal ou estadual, quanto a prefeitura de POA, a isentou ao máximo… O alvo de suas críticas são bem dirigidas.. Confiram aí, para quem não viu http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/jornal-do-almoco/videos/t/porto-alegre/v/lasier-martins-analisa-o-andamento-das-obras-em-porto-alegre/2829641/

    Curtir

  6. Vou morrer e ainda vão estar negociando esse metrô.

    Curtir

  7. De onde vai sair um bilhão que nunca é dito ? 2,3 + 1 + 700mi pelo que eu saiba resulta em 4 bilhões.

    Curtir

    • o outro bilhão já havia sido colocado como contrapartida da Prefeitura no início da negciação.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: